Vírus e problemas econômicos assolam o Brasil, enquanto Bolsonaro improvisa e confunde

OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

Os críticos vêem o comportamento recente do presidente do Brasil – polarizando nos melhores momentos – como um sinal enervante de um líder debatendo-se. Sua estratégia, se houver, é difícil de discernir.

Ele zombou da pandemia Covid-19, mesmo quando ela levou ao colapso o sistema de saúde do Brasil . Ele ridicularizou os legisladores da oposição, que buscam seu impeachment.

Seu principal rival está de volta à arena política , ameaçando uma tentativa de reeleição.

Ele ordenou uma ampla sacudida no gabinete e removeu os chefes das Forças Armadas – uma forte base de apoio – sem nenhuma explicação pública.

Mesmo para um líder polarizador que muitas vezes parece agir por instinto, os movimentos recentes do presidente Jair Bolsonaro do Brasil confundiram e enervaram muitos no maior país da América Latina, onde o coronavírus está matando pessoas em uma taxa recorde.

Legisladores brasileiros apresentaram uma nova iniciativa para impeachment de Bolsonaro, chamando sua demissão dos comandantes militares na véspera de uma ação perigosa e desestabilizadora.

A expulsão dos comandantes militares , que se seguiu à substituição de cerca de um terço de seu gabinete, criou consternação e perplexidade nos círculos políticos. Não houve sinais claros de que as mudanças de pessoal representam uma mudança estratégica para o governo enquanto ele navega na fase mais mortal da pandemia Covid-19, que já matou quase 400.000 brasileiros.

Com hospitais sobrecarregados, uma campanha de vacinação lenta e desemprego crescente, Bolsonaro está sob enorme pressão para fazer mudanças ousadas nas políticas. Mas políticos e analistas disseram que estão lutando para dar sentido a seus últimos movimentos.

“Não vejo um plano estratégico por trás de tudo isso”, disse a senadora Kátia Abreu, uma poderosa legisladora que chefia a Comissão de Relações Exteriores. “Vejo muita improvisação, ações impulsivas que geram uma crise do nada.”

Bolsonaro está enfrentando uma série de desafios sobrepostos enquanto luta para fortalecer sua base eleitoral antes de uma campanha pela reeleição no próximo ano.

O desemprego subiu para 14 por cento nos últimos meses, ante a taxa de desemprego de 11,6 por cento que Bolsonaro herdou quando assumiu o cargo em janeiro de 2019. Um adversário político formidável, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ressurgiu no cenário político este mês depois os tribunais cancelaram os casos de corrupção contra ele, o que restaurou seu direito de concorrer.

O presidente enfrenta obstáculos econômicos assustadores. Embora ele tenha conseguido manter um apoio político considerável no ano passado gastando bilhões em um programa de bem-estar para a pandemia, continuar a manter o fluxo de ajuda de assistência politicamente popular, ao mesmo tempo em que cumpre outras obrigações fiscais, estouraria os limites de gastos codificados por lei.

Ao mesmo tempo, a crise da Covid-19 no Brasil transformou o país em um pária internacional. Os especialistas temem que a disseminação da cepa mais contagiosa do país se acelere em todo o mundo e que, à medida que a transmissão aumenta, novas variantes ainda podem surgir.

Maurício Santoro, professor de ciência política da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, disse que as recentes ações de Bolsonaro parecem refletir um desejo de se cercar de funcionários leais e subservientes. Mas ele disse que a fidelidade dos novos subordinados de Bolsonaro não parece fortalecer sua mão no Congresso ou expandir sua base antes da eleição presidencial do próximo ano.

“Não há coerência política”, disse Santoro. “Esta não é uma mudança em direção à moderação ou uma tentativa de construir pontes” no Congresso, acrescentou.

Bolsonaro renovou seus ataques a bloqueios e outras medidas rígidas que especialistas em saúde afirmam serem necessárias para conter a disseminação do vírus.

“Não vamos resolver esse problema ficando em casa”, disse Bolsonaro. “Nenhuma nação pode se sustentar por muito tempo com esse tipo de política.”

Bolsonaro não ofereceu nenhuma informação nova sobre os eventos que o levaram a demitir os comandantes do Exército, da Força Aérea e da Marinha na terça-feira. Os três renunciaram abruptamente um dia depois que o presidente demitiu seu secretário de Defesa, um general aposentado.

Em seu último esforço para iniciar um processo de impeachment contra Bolsonaro, um punhado de legisladores acusou o presidente de ter tentado transformar as Forças Armadas em um instrumento político. Mas as circunstâncias que levaram à remoção dos três homens permaneceram obscuras, e nem o presidente nem os comandantes deram uma explicação.

Legisladores e analistas especularam que as demissões ocorreram após um profundo desacordo sobre o papel das forças armadas no governo de Bolsonaro. O presidente prometeu recentemente que “meu exército” não seria implantado para impor quarentenas ou bloqueios.

Em sua carta de demissão, o ministro da Defesa cessante, Fernando Azevedo e Silva, disse que preservou as Forças Armadas como “instituições do Estado”. A observação foi interpretada como significando que ele resistiu aos esforços para politizar os militares – uma questão delicada em um país que foi governado por governos militares repressivos por mais de duas décadas após o golpe de 1964.

“A questão que se torna grande e deve ser respondida é: Qual foi a ordem dada aos generais que eles achavam que não podiam seguir?” disse Abreu, a senadora, que não era uma defensora da última iniciativa de impeachment. “O presidente tem a obrigação de explicar isso ao vivo na televisão para acalmar as pessoas”.

Em um sinal de quão profundamente a expulsão dos chefes militares abalou o establishment político, seis presumíveis candidatos à presidência para 2022 emitiram uma declaração conjunta alertando que, três décadas após o fim da ditadura, “a democracia brasileira está ameaçada”.

A declaração acrescentou: “Não faltam exemplos de como o autoritarismo pode emergir das sombras se as sociedades forem descuidadas e não falarem em defesa dos valores democráticos”.

O novo ministro da Defesa, Walter Souza Braga Netto, ex-general do Exército que deixou a ativa no ano passado, abalou os críticos do governo ao fazer uma declaração sobre o aniversário do golpe de 1964 – o aniversário foi quarta-feira – dizendo que a data deveria ser “comemorada . ”

Mas no final do dia, ele chamou as forças armadas de hoje um alicerce da democracia do Brasil. “Neste dia histórico, reafirmo que o bem mais valioso de uma nação é a preservação da democracia e da liberdade de seu povo”, disse ele durante uma cerimônia em que foram anunciados os três novos chefes das Forças Armadas.

Os legisladores pediram o impeachment de Bolsonaro dezenas de vezes desde o ano passado, mas não conseguiram angariar amplo apoio. Arthur Lira, o novo líder da Câmara dos Representantes, na semana passada alertou o presidente ao criticar a forma como o governo lidou com a pandemia.

Lira alertou que os “remédios políticos no Congresso são bem conhecidos e todos eles são amargos”. Alguns, ele acrescentou em uma referência clara ao impeachment, são “fatais”.

Um grupo de legisladores alertou Bolsonaro em uma carta, que o orçamento de 2021, conforme redigido atualmente, ultrapassaria os limites fiscais estabelecidos em 2016 para conter os gastos públicos e atrair investimentos estrangeiros. Exceder o limite, que os economistas dizem que parece quase inevitável agora, abriria um novo caminho para o impeachment do presidente.

“Estamos no caminho da irresponsabilidade fiscal e isso cria um sério problema jurídico”, disse Zeina Latif, uma economista.

Mas analistas e parlamentares dizem que há pouco apetite por um novo impeachment, dado como a demissão da presidente Dilma Rousseff em 2016 se mostrou politicamente disruptiva e divisiva.

Monica de Bolle, pesquisadora sênior do Instituto Peterson de Economia Internacional, disse que poderosos blocos de legisladores provavelmente usarão o isolamento de Bolsonaro para extrair concessões.

“É do interesse deles deixá-lo no cargo e conseguir as coisas que sempre quiseram”, disse ela. Ela previu que a popularidade do presidente cairia antes da eleição presidencial do próximo ano. “No próximo ano eles lavam as mãos do Bolsonaro.”

Mas acabou por ser oficializada em 13 de abril, pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, a CPI da Pandemia, que deve ganhar novos capítulos ao longo desta semana.

Este, poderá ser um grande passo para fundamentar pedidos concretos de afastamento deste que não se alinhou com o mundo, negando a ciência e protagoniza o maior responsável pela crise sanitária brasileira, que está à deriva, sem vacinas, sem remédios e sem comando por parte do Governo Federal, que patrocinou o avanço do vírus de forma aberta e clara.

Da Redação O Estado Brasileiro
Com informações do NYT, com seu chefe de sucursal no Brasil – Ernesto Londoño e mídias internacionais.

Compartilhe em suas redes sociais!

%d blogueiros gostam disto: