Vacina e alergias da Pfizer: até que ponto você deve se preocupar?

OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

As autoridades de saúde britânicas recomendaram que as pessoas com reações alérgicas graves não recebessem a vacina. Essas reações às vacinas são raras, mesmo em pessoas que têm alergia a alimentos ou picadas de abelha.

Os reguladores britânicos instaram as pessoas com “histórico de alergias graves” a discutir o assunto com seus médicos e disseram que as injeções só devem ser administradas em locais equipados para ressuscitar pacientes, se necessário.

A decisão dos reguladores de medicamentos britânicos de recomendar contra o uso da vacina contra o coronavírus feita pela Pfizer e BioNTech em pessoas com histórico de reações alérgicas graves levantou uma série de preocupações.

Os reguladores deram o alerta depois que dois profissionais de saúde, ambos com esse histórico, tiveram uma reação grave, anafilaxia, após receber a vacina no primeiro dia em que ela foi disponibilizada na Grã-Bretanha. A anafilaxia pode ser fatal, com dificuldade para respirar e quedas na pressão arterial que geralmente ocorrem minutos ou mesmo segundos após a exposição a um alimento ou medicamento, ou mesmo a uma substância como o látex ao qual a pessoa é alérgica.

Ambos os trabalhadores foram tratados e se recuperaram, disseram os reguladores.

Desde então, as autoridades britânicas esclareceram suas preocupações, alterando o texto de “reações alérgicas graves” para especificar que a vacina não deve ser administrada a ninguém que já tenha tido uma reação anafilática a um alimento, medicamento ou vacina. Esse tipo de reação a uma vacina é “muito raro”, eles disseram.

A atualização também disse que um terceiro paciente teve uma “possível reação alérgica”, mas não a descreveu.

Funcionários da Food and Drug Administration dos EUA disseram na quinta-feira que, por causa dos casos britânicos, eles exigiriam que a Pfizer aumentasse seu monitoramento de anafilaxia e apresentasse dados sobre ele assim que a vacina entrar em uso. Um painel de conselheiros especialistas do FDA votou na quinta-feira para recomendar a autorização da vacina para uso de emergência, mas também expressou preocupação sobre a necessidade de rastrear anafilaxia. A agência geralmente aceita as recomendações dos especialistas e a autorização é esperada dentro de alguns dias. As vacinações podem começar na próxima semana nos Estados Unidos.

O relatório inicial sobre os casos britânicos disparou alarme e confusão ao aconselhar que as pessoas que já tiveram uma “reação alérgica grave” a um alimento, medicamento ou vacina não deveriam receber a vacina. A natureza da reação não foi explicada a princípio, deixando muitas pessoas com alergia a alimentos ou picadas de abelha se perguntando se a nova vacina seria segura para elas.

Mas o esclarecimento subsequente dos reguladores especificou que seu conselho se aplica a pessoas que já sofreram anafilaxia. Ele exortou as pessoas com um “histórico de alergias graves” a discutir o assunto com seus médicos “antes de receber a vacina”.

As autoridades também disseram que as injeções devem ser administradas apenas em ambientes equipados para reanimar os pacientes se necessário, dando injeções de epinefrina, também conhecida como adrenalina.

Os dois profissionais de saúde na Grã-Bretanha tiveram anafilaxia no passado por causa de alergias alimentares, disse um funcionário da Pfizer durante a reunião do FDA na quinta-feira. Ambos carregavam dispositivos do tipo EpiPen para se injetar epinefrina em caso de tal reação.

Eles precisavam de epinefrina para tratar suas reações à vacina e ambos se recuperaram.

As autoridades de saúde britânicas disseram que continuariam investigando. Não se sabe se algum ingrediente da vacina causou as reações dos trabalhadores.

Pessoas com histórico de reação anafilática a qualquer vacina foram excluídas dos estudos da Pfizer, disseram funcionários da empresa na reunião de quinta-feira.

Entre aqueles que participaram dos estudos da Pfizer, um número muito pequeno de pessoas teve reações alérgicas. Um documento publicado pela FDA na terça-feira disse que 0,63 por cento dos participantes que receberam a vacina relataram reações alérgicas potenciais, em comparação com 0,51 por cento das pessoas que receberam um placebo.

No último estágio do ensaio clínico da Pfizer, um dos 18.801 participantes que receberam a vacina teve uma reação anafilática, de acordo com dados de segurança publicados pelo FDA na terça-feira . Nenhum no grupo de placebo fez.

O Dr. Anthony Fauci, o maior especialista do país em doenças infecciosas, disse na quarta-feira que as reações alérgicas eram preocupantes, mas provavelmente raras, o tipo de efeito que aparece quando uma vacina sai dos testes e passa a ser distribuída de forma mais ampla.

“Se eu fosse uma pessoa que tivesse uma tendência alérgica subjacente, poderia querer estar preparado para ter uma reação e, portanto, estar pronto para tratá-la”, disse Fauci, em um webcast moderado pelo Dr. Sanjay Gupta de CNN, patrocinado por Harvard e The New England Journal of Medicine.

O Dr. Fauci reconheceu que o problema pode afetar muitas pessoas.

“Essa é uma das razões pelas quais é importante cobrir a orla com diferentes plataformas de vacinas”, disse ele, acrescentando: “Se de fato descobrirmos que há um problema consistente de um certo subconjunto de pessoas como aquelas com reações alérgicas, você sempre terá outras plataformas de vacina que pode usar e, com sorte, não verá isso com essas outras plataformas. ”

O Dr. Paul Offit, especialista em vacinas do Hospital Infantil da Filadélfia, disse que a recomendação inicial ampla na Grã-Bretanha mencionando reações alérgicas graves parecia ser uma reação exagerada que poderia assustar desnecessariamente muitas pessoas com uma vacina desesperadamente necessária em meio a uma pandemia violenta .

Milhões de pessoas nos Estados Unidos são alérgicas a alimentos como ovos ou amendoim, bem como medicamentos ou picadas de abelha, e tiveram reações sérias o suficiente para levar os médicos a aconselhá-los a carregar injetores de epinefrina. Mas isso não significa necessariamente que a vacina seja arriscada para eles, disse ele. Cerca de cinco por cento das crianças e quatro por cento dos adultos nos Estados Unidos têm alergia alimentar, de acordo com o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas.

Menos de um em um milhão de destinatários de outras vacinas por ano nos Estados Unidos têm uma reação anafilática, disse o Dr. Offit.

Essas reações são tratáveis ​​e muito mais fáceis de controlar do que um caso grave de Covid-19, disse ele.

Muitas pessoas com alergia a alimentos, picadas de abelha ou medicamentos receberam várias vacinas sem problemas. O caminho para uma vacina contra o coronavírus ›

Conforme a vacina contra o coronavírus se aproxima da autorização dos EUA, aqui estão algumas perguntas que você pode estar se perguntando :

Ele disse que pesquisas deveriam ser feitas para descobrir se um ingrediente da vacina pode causar reações alérgicas e se pessoas com outras alergias podem ser especialmente sensíveis a ele.

Dr. Moncef Slaoui, chefe do programa governamental Operation Warp Speed ​​para desenvolver vacinas, disse na quarta-feira que achava que os especialistas americanos também aconselhariam as pessoas que tiveram reações alérgicas graves a evitar a vacina até que os casos na Grã-Bretanha fossem totalmente explicados.

O Dr. William Schaffner, especialista em vacinas e doenças infecciosas da Universidade de Vanderbilt, disse: “Gostaria que o Dr. Slaoui não tivesse se adiantado em seus esquis”.

Ele disse que as recomendações sobre quem deve ou não tomar a vacina serão feitas por painéis consultivos de especialistas aos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, que se reunirão na sexta-feira e neste fim de semana.

Schaffner disse que parecia improvável que o ingrediente principal da vacina da Pfizer, o material genético chamado mRNA, causasse uma reação alérgica.

Na próxima semana, o painel consultivo do FDA votará se recomenda a autorização de uma segunda vacina contra o coronavírus que usa mRNA, feita pela Moderna. As vacinas Moderna e Pfizer são semelhantes, mas não idênticas: elas usam diferentes tipos de partículas de gordura, por exemplo, para revestir o mRNA.

O Dr. Schaffner disse que não conhecia nenhuma evidência de que pessoas com alergia alimentar tivessem maior probabilidade do que qualquer outra pessoa de ter uma reação severa a uma vacina.

“Lidamos com alergias a todos os tipos de medicamentos e vacinas na prática médica e podemos fazer isso também nessas circunstâncias”, disse o Dr. Schaffner. “Todos precisam ser treinados para poder lidar com isso e lidar com prontidão. Acho que podemos administrar isso. ”

Da Redação O Estado Brasileiro
Fonte: The New York Times

%d blogueiros gostam disto: