Um exame de sangue pode mostrar se uma vacina Covid-19 funciona?

Ouça todas as matérias deste portal, seja em trânsito ou em outra ocupação.

OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

Um novo estudo em macacos sugere que um teste de sangue pode prever a eficácia de uma vacina Covid-19 – e talvez acelerar os testes clínicos necessários para obter uma vacina eficaz para bilhões de pessoas em todo o mundo.

O estudo, publicado na sexta-feira na Nature, revela marcadores sanguíneos reveladores que predizem se o sistema imunológico de um macaco está preparado para eliminar os coronavírus que chegam.

A descoberta aumenta a esperança de que os pesquisadores serão capazes de procurar os mesmos marcadores em pessoas que recebem vacinas em ensaios clínicos. Se os marcadores forem fortes o suficiente, eles podem revelar se as vacinas protegem contra Covid-19. E os pesquisadores não teriam mais que esperar que alguns voluntários do teste contraíssem a doença, como fazem agora.

“Isso abrirá o caminho para um avanço muito mais rápido do campo de vacinas Covid”, disse o Dr. Dan Barouch, especialista em vacinas do Beth Israel Deaconess Medical Center em Boston e um dos pesquisadores por trás do novo estudo.

O mês passado trouxe a notícia surpreendente de que os ensaios clínicos de duas novas vacinas contra o coronavírus, uma da Moderna e outra da Pfizer e BioNTech, mostraram taxas de eficácia em torno de 95 por cento .

A força dessas duas vacinas é, paradoxalmente, uma má notícia para dezenas de outras em estágios iniciais de desenvolvimento. Muitos deles provavelmente terão que ser comparados com os robustos líderes, em vez de uma injeção de placebo. Como essa é uma grande barreira estatística a ser superada, seus testes precisarão de muito mais voluntários, tempo e dinheiro.

“Você teria que seguir milhões de pessoas por um longo tempo”, disse o Dr. Nelson Michael, diretor do Centro de Pesquisa de Doenças Infecciosas do Instituto de Pesquisa do Exército Walter Reed, onde uma vacina à base de proteína está sendo preparada para uso clínico testes no início de 2021. “É apenas fantasia.”

Para algumas empresas menores, esses testes de comparação podem ser um obstáculo. “Você verá um grande abandono”, disse o Dr. Gregory Poland, um especialista em vacinas da Clínica Mayo.

Isso é um grande problema, porque a Pfizer e a Moderna não terão doses suficientes para dar a todos nos Estados Unidos, muito menos no mundo. E a próxima onda de vacinas pode acabar sendo superior à primeira, de uma forma ou de outra. Eles podem custar muito menos, por exemplo. Alguns podem vir em apenas uma dose em vez de duas e não precisam de um congelamento profundo. Alguns podem oferecer proteção que dura muito mais tempo.

“Preferimos não ter que revacinar o mundo a cada um ou dois anos”, disse Michael.

O novo estudo com macacos oferece um raio de esperança para essas vacinas de próxima geração, sugerindo que elas podem ser testadas não contra vacinas mais antigas, mas usando uma medida conhecida como “correlação de proteção”.

“Esse é o Santo Graal da pesquisa de vacinas”, disse Michael.

As vacinas contra a gripe já são testadas dessa forma. Cada nova temporada de gripe requer o desenho de uma nova vacina contra a gripe, mas os pesquisadores não precisam fazer testes clínicos comparando-a com versões anteriores. Em vez disso, eles apenas verificam se a nova vacina ativa o sistema imunológico de uma pessoa para produzir uma quantidade suficiente de um certo tipo de anticorpo contra a gripe. Se isso acontecer, os pesquisadores sabem que a vacina estimula adequadamente o sistema imunológico.

Se os cientistas pudessem descobrir um correlato de proteção contra o coronavírus, eles poderiam seguir o exemplo da gripe. “Esse é um cenário totalmente plausível e viável”, disse o Dr. Anthony Fauci, diretor dos Institutos Nacionais de Alergia e Doenças Infecciosas.

Uma porta-voz da Food and Drug Administration disse que basear os ensaios clínicos em correlatos de proteção – se eles vierem a existir – “possivelmente poderia ser considerado no futuro”.

Da Redação O Estado Brasileiro
Fonte: New York Times
/ Revista Nature

%d blogueiros gostam disto: