Trump falhou e deixará a Casa Branca pela porta dos fundos

Ouça esta matéria, enquanto estiver em trânsito ou em outra atividade.

LEIA OU OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL

Trump deixará o cargo depois de imprimir uma marca indelével de um mandato definido pela quebra das normas da Casa Branca e um turbilhão diário de rotatividade, divisão partidária e explosões no Twitter.

A recusa de Trump em reconhecer a derrota, não tem implicações legais. Mas pode aumentar o desafio do próximo governo de unir o país após uma eleição amarga.

Donald Trump

Ao longo da campanha, Trump se recusou repetidamente a se comprometer com uma transferência pacífica de poder, argumentando sem evidências que a eleição poderia ser marcada por fraude. A nação tem uma longa história de candidatos à presidência que aceitaram pacificamente o resultado das eleições, que remonta a 1800, quando John Adams concedeu a seu rival Thomas Jefferson.

Foi a Pensilvânia natal de Biden que o colocou no topo, o estado que ele invocou ao longo da campanha para se conectar com os eleitores da classe trabalhadora. Ele também venceu em Nevada no sábado, elevando seu total para 290 votos no Colégio Eleitoral.

Biden recebeu os parabéns de líderes mundiais, e seu ex-chefe, o presidente Barack Obama, saudou-o em um comunicado, declarando que a nação tinha “sorte de Joe ter o que é preciso para ser presidente e já se comportar dessa maneira”.

O governo brasileiro não se manifestou no reconhecimento da vitória de Biden e anteriormente já havia afirmado que só o faria depois da recontagem dos votos e a prova final das eleições, o que deverá demorar, pois Trump promete levar as ações até a última instância – o Supremo Tribunal.

Os republicanos no Capitólio estavam dando a Trump e sua campanha espaço para considerar todas as suas opções legais. Foi um equilíbrio precário para os aliados de Trump, enquanto tentam apoiar o presidente – e evitar o risco de mais consequências – mas enfrentam a realidade da contagem dos votos.

No sábado, o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, ainda não havia feito nenhuma declaração pública – seja parabenizando Biden ou aderindo às queixas de Trump. Mas o senador aposentado Lamar Alexander do Tennessee, próximo a McConnell, disse: “Depois de contar todos os votos válidos e permitir que os tribunais resolvam as disputas, é importante respeitar e aceitar prontamente o resultado”.

Mais de 237.000 americanos morreram durante a pandemia do coronavírus, quase 10 milhões foram infectados e milhões de empregos foram perdidos. Os últimos dias da campanha foram contra um aumento de casos confirmados em quase todos os estados, incluindo campos de batalha como Wisconsin, que mudou para Biden.

A pandemia em breve será controlada por Biden, e ele fez campanha prometendo uma grande resposta do governo, semelhante ao que Franklin D. Roosevelt supervisionou com o New Deal durante a Depressão dos anos 1930. Ele anunciou que, conforme sua transição ganhasse alta velocidade, ele nomearia na segunda-feira sua própria força-tarefa contra o coronavírus.

Mas os republicanos do Senado lutaram contra vários adversários democratas e procuraram reter uma maioria frágil que poderia servir de freio para algumas das ambições de Biden.

A campanha de 2020 foi um referendo sobre a forma como Trump lidou com a pandemia, que fechou escolas em todo o país, interrompeu negócios e levantou questões sobre a viabilidade de reuniões familiares rumo às férias.

A rápida disseminação do coronavírus transformou os comícios políticos de eventos padrão de campanha em encontros que eram potenciais emergências de saúde pública. Também contribuiu para uma mudança sem precedentes na votação antecipada e pelo correio e levou Biden a reduzir drasticamente suas viagens e eventos para cumprir as restrições. O presidente desafiou os apelos por cautela e acabou contraindo ele mesmo a doença.

Trump foi sobrecarregado durante todo o ano por avaliações negativas do público sobre como ele lidou com a pandemia. Houve outro surto de COVID-19 na Casa Branca esta semana, que deixou seu chefe de gabinete Mark Meadows doente.

Biden também traçou um forte contraste com Trump durante um verão de agitação sobre os assassinatos de negros americanos pela polícia, incluindo Breonna Taylor em Kentucky e George Floyd em Minneapolis. Suas mortes geraram o maior movimento de protesto racial desde a era dos direitos civis. Biden respondeu reconhecendo o racismo que permeia a vida americana, enquanto Trump enfatizou seu apoio à polícia e girou em torno de uma mensagem de “lei e ordem” que ressoou em sua base predominantemente branca.

O terceiro presidente a sofrer impeachment, embora absolvido no Senado, Trump deixará o cargo depois de deixar uma marca indelével em um mandato definido pela quebra das normas da Casa Branca e um turbilhão diário de rotatividade, divisão partidária e explosões no Twitter.

A equipe de Trump entrou com um punhado de processos judiciais em estados de batalha, alguns dos quais foram imediatamente rejeitados pelos juízes. Seu advogado pessoal, Rudy Giuliani, estava dando uma entrevista coletiva na Filadélfia ameaçando com mais ação legal quando a corrida foi convocada.

Uma breve descrição da trajetória de Biden

Nascido em Scranton, Pensilvânia, e criado em Delaware, foi um dos mais jovens candidatos eleitos para o Senado. Antes de ele assumir o cargo, sua esposa e filha morreram, e seus dois filhos ficaram gravemente feridos em um acidente de carro em 1972.

Viajando todas as noites em um trem de Washington de volta a Wilmington, Biden moldou uma personalidade política comum para acompanhar posições poderosas no Senado, incluindo presidente dos Comitês Judiciário e de Relações Exteriores do Senado. Alguns aspectos de seu histórico atraíram o escrutínio crítico de outros democratas, incluindo seu apoio ao projeto de lei sobre o crime de 1994, seu voto a favor da Guerra do Iraque em 2003 e sua gestão das audiências da Suprema Corte de Clarence Thomas.

A campanha presidencial de Biden em 1988 foi encerrada por acusações de plágio, e sua próxima candidatura em 2008 terminou discretamente. Porém, mais tarde naquele ano, ele foi escolhido para ser o companheiro de chapa de Barack Obama e se tornou um influente vice-presidente, conduzindo o alcance do governo tanto no Capitólio quanto no Iraque.

Embora sua reputação tenha sido polida por seu tempo no cargo e sua profunda amizade com Obama, Biden se posicionou ao lado de Clinton e optou por não concorrer em 2016, depois que seu filho adulto Beau morreu de câncer no cérebro no ano anterior.

O mandato de Trump levou Biden a fazer mais uma corrida, declarando que “a própria alma da nação está em jogo”.

O mundo já reconheceu sua vitória e o mercado financeiro brindou a mesma com uma reação positiva, enquanto Trump continua com seu discurso vazio, incitando seus seguidores radicais a produzirem os mais absurdos fake news nas redes sociais para justificar o absurdo maior – o de que Trump é o verdadeiro vencedor desta eleição.

Da Redação O Estado Brasileiro
Fonte: Matérias da mídia internacional / AP e mídias locais

%d blogueiros gostam disto: