“Quem cria expectativas gera frustrações”!

Ouça esta matéria, enquanto estiver em trânsito ou fazendo outra coisa!

COLUNISTAS – General Paulo Chagas

Caros amigos,

Durante a vida ouvi algumas vezes a frase que dá título a este texto. Deveria ter prestado mais atenção a ela, principalmente quando acreditei na sinceridade da mensagem “Brasil acima de tudo”, adotada na última eleição presidencial.

Hoje, frustrado e decepcionado, sou chamado de “desesperado” por aqueles que, tapando o Sol com a peneira, teimam em acreditar em estratégias mirabolantes elaboradas por “enviados de Deus” que, como gênios da lâmpada, atiram no que vemos para acertar no que só eles e seus iluminados enxergam.

Há algum tempo, ainda acreditando em rótulos, comprei livro da autoria de um conhecido astromante que prometia tirar da pasmaceira quem o tivesse lido.

Senti-me um perfeito idiota quando dei-me conta de que tinha apenas contribuído para assegurar a boa vida do autor no seu autoexílio.

Há lições que realmente são difíceis de serem aprendidas quando confrontadas com a esperança – principal criadora das expectativas e das suas frustrações.

Assisto, sem qualquer prazer, orgulho ou satisfação, ao desespero, este sim verdadeiro, dos falsos profetas e seus fiéis seguidores para esconder e distorcer a realidade, mudar planos e metas, fazer novas e impensáveis alianças para assegurar o mandato e o poder, ao custo da coerência e da fidelidade às principais promessas do protocolo de intenções que encantou quase 58 milhões de brasileiros em 2018.

Em que pese o sucesso das obras de saneamento básico propostas e executadas pelo Ministro da Infraestrutura, a fragilização e a demonização da Operação Lava Jato são as maiores evidências de que o projeto de saneamento moral da Nação não ultrapassou as barreiras da retórica e dos interesses pessoais e se transformou em lamentável frustração. O mesmo destino tomaram o programa Escola Sem Partido, a meritocracia e o fim do execrável Presidencialismo de Coalizão, com todo o pesar que causa aos que, como eu, acreditaram que se dera início ao fim da politicagem, dos conchavos, do populismo e da colocação de interesses pessoais acima de tudo!

Infelizmente a hora é da frustração e não da mudança que o discurso transformou em esperança diante da qualidade da equipe de governo que deu início ao que se pensava ser um “novo tempo”.

General Paulo Chagas
Colunista

%d blogueiros gostam disto: