Planalto pediu propina para caixa 2 do PT. Dilma não pode negar, graças a provas materiais

Atualizado 13:23h

Logo após a confirmação do impeachment, Dilma não terá como escapar da Lava Jato. Ainda é presidente, porém, nada a livrará de outra avalanche de processos. Todos aguardando o fim do foro privilegiado que ainda goza.
Mas o Brasil corre o risco de aguardar mais do que se calcula, pois fontes de Brasília nos informam que existe a intenção de Renan Calheiros – presidente do Senado e Ricardo Lewandowiski – do STF, de retardar o impeachment para setembro.
renan-lewandowskiOs protestos serão muitos por parte do povo, caso tentem isso. Quanto aos “Moros” espalhados pelo Brasil, acredita-se que serão duros e contundentes, a exemplo da recente reação da Ajufe, onde o juiz Sérgio Moro discursou sobre a tentativa de cercearem a Lava Jato e todo o Ministério Público com a lei de “Abuso de Autoridade” que Renan insiste em colocar em votação.
A blindagem de Dilma não terá respaldo no Senado Federal, segundo o que se comenta em Brasília e a situação de Renan, Lewandowiski e outros, será de uma solidão tal, que os colocarão em posição difícil.

O Planalto exigia propina como condição nos fechamentos de contratos, com o objetivo de abastecer o caixa 2 do PT

A ordem era de achacar empresas durante a campanha de Dilma Rousseff
dilma-3

Em 7 de agosto de 2014, executivos de uma das maiores agências de publicidade do mundo, a Borghi Lowe, discutiam o que fazer diante de uma situação delicada. A campanha presidencial estava no início. Uma pesquisa divulgada naquele dia mostrava que a disputa entre a petista Dilma Rousseff e o tucano Aécio Neves seria acirrada. A angústia de Valdir Barbosa, vice-­presidente da Borghi Lowe, no entanto, decorria de outra encrenca. Ele e um colega da agência, Ricardo Hoffmann, representante da Borghi Lowe em Brasília, tinham sido convocados para uma reunião sigilosa com um diretor da Caixa Econômica Federal, Clauir Santos, responsável pelo marketing do banco. Ouviram dele um pedido de dinheiro, não para ele mesmo, mas para a campanha eleitoral do PT. E o pedido não partira do tesoureiro do partido ou da campanha. Clauir Santos disse que estava cumprindo ordens do Palácio do Planalto.

Em 2014, a Borghi Lowe era uma das quatro agências encarregadas da conta publicitária da Caixa Econômica, um butim excepcional de 560 milhões de reais, um dos maiores contratos do governo na área. Antes de qualquer providência, Valdir Barbosa preferiu consultar seu superior, Michael Wall, que fica em Londres. Em um e-mail, escrito em inglês, informou: “O diretor-presidente da Caixa foi chamado ao Palácio do Planalto e solicitado a ‘pedir aos fornecedores da Caixa que fizessem contribuições políticas ao partido do governo (PT)’”. Em seguida, comentou o incômodo da situação: “O próprio diretor-­presidente, que trabalhou como servidor público durante toda a sua carreira profissional, se sentiu completa e totalmente constrangido e desconfortável com tal solicitação”. Na época, o diretor-­presidente da Caixa era Jorge Hereda, que deixou o cargo no início do segundo mandato de Dilma. Hereda tem mais de trinta anos de serviço público.

Na mesma mensagem, Valdir Barbosa ressaltou ter informado a Clauir Santos, diretor de marketing da Caixa, que as normas da Borghi Lowe proibiam “contribuições políticas”, ao que o funcionário retrucou lembrando que as outras três agências aceitariam o “convite”. Era uma insinuação de que a Borghi Lowe poderia sofrer algum tipo de retaliação no futuro caso virasse as costas às necessidades do PT. Escreveu Barbosa: “Expliquei ao Clauir o con­teú­do da Política Anticorrupção e disse a ele que nós somos absolutamente proibidos de fazer este tipo de contribuição ou qualquer contribuição semelhante a esta. Ele obviamente lembrou-nos que provavelmente as três outras agências deveriam aceitar o ‘convite’ e fazer contribuições, ao que eu repliquei que elas eram agências 100% brasileiras e que, portanto, podiam fazer o que quisessem sem consultar ninguém”. Mesmo constrangido, Clauir tentou justificar que havia “base legal” à contribuição. A Borghi Lowe é brasileira, com um sócio estrangeiro, mas, pela legislação da época, poderia, de fato, fazer contribuições eleitorais, desde que legais. Mas esse não era o caso, segundo suspeitam os envolvidos na investigação.

Em poder da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, a mensagem obtida por VEJA é a evidência mais contundente até o momento de que o Palácio do Planalto atuou como uma central de arrecadação de recursos ilegais para o caixa dois do PT e, para tanto, constrangia graduados servidores públicos a trabalhar como achacadores. A mensagem pode ser mentirosa, uma invenção do vice de uma agência de publicidade? Até pode, por mais estranho que seja, mas os investigadores também acham que não é o caso. “Um pedido de doação legal jamais seguiria aqueles trâmites. Todos sabiam que a nossa política interna não autorizava contribuições ou doações a partidos políticos”, explica um dos envolvidos no caso.

Eles acreditam que a ordem veio mesmo do Planalto e o dinheiro era mesmo para o caixa dois porque já comprovaram que havia uma intimidade criminosa entre a Borghi Lowe e braços do governo. A mensagem integra uma investigação sigilosa que começou em abril de 2015, quando a polícia prendeu seis pessoas, entre elas o publicitário Ricardo Hoffmann, representante da Borghi em Brasília, e o ex-deputado petista André Vargas. Alvo de uma devassa, a agência de publicidade decidiu negociar um acordo de leniência, que está estranhamente parado há um ano na Controladoria-Geral da União. Já encaminhou ao Ministério Público e-mails, notas fiscais e balanços nos quais se constata que havia uma parceria clandestina para fraudar licitações.

Atualização da notícia 13:23h

O assessor especial da Presidência da República, José Ricardo Antoni, pediu demissão do cargo. Reportagem de VEJA desta semana revelou que o servidor repassava informação privilegiada a uma agência de publicidade que ganhou vários contratos milionários durante o governo da presidente Dilma Rousseff.  Antoni era pago pelas “consultorias” .

Informado da reportagem, o presidente Michel Temer pediu explicações ao servidor, que admitiu que prestava serviços à agência e pediu demissão.

da Redação OEB
com Veja.com

Comentários no Facebook