Palocci é o "Italiano" das planilhas de propina da Odebrecht que alimentou a campanha de Dilma com muitos milhões

Assim como todos que passaram pela Casa Civil, nos governos PT, o ex-ministro Antonio Palocci, o “italiano”, volta aos palcos dos escândalos, como mais um protagonista das inúmeras delações que envolvem a campanha de Dilma Rousseff, alimentada com dinheiro sujo.
Com isso, complica, ainda mais a “ilibada presidenta”.

Palocci intermediava caixa dois, diz Monica Moura
Segundo mulher de João Santana, petista é o ‘italiano’ mencionado em tabela da propina da Odebrecht

O ex-ministro Guido Mantega não foi o único integrante de alta cúpula do PT a intermediar pagamento de caixa dois para campanhas presidenciais do partido, segundo Monica Moura, mulher do marqueteiro João Santana. Em depoimento a procuradores federais de Brasília para tentar fechar um acordo de delação premiada, ela disse que o ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci e o ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto teriam desempenhado o mesmo papel nas últimas campanhas presidenciais. Os dois teriam indicado a ela executivos de empresas para contribuir em dinheiro. São recursos que não passaram por contas oficiais do PT, sem serem declarados à Justiça Eleitoral.

As empresas do casal Santana prestaram serviços na campanha à reeleição de Lula, em 2006, e nas disputas vencidas por Dilma Rousseff, em 2010 e 2014. Nas três eleições, eles receberam, em contas oficiais, cerca de R$ 110 milhões. Monica diz ter registrado numa agenda, não apreendida pela PF, detalhes de encontros em hotéis e restaurantes para obter recursos adicionais, entregues em malas de dinheiro por interlocutores de executivos indicados pelos três petistas.

TABELA INCLUIRIA DIRCEU

A mulher de Santana também diz ser capaz de ajudar a PF a esclarecer informações da planilha nomeada “posição-italiano”, apreendida na caixa de e-mail do então diretor da Odebrecht Fernando Migliaccio. O italiano citado como referência para os pagamentos da tabela seria Antonio Palocci. O documento é considerado um prova contundente sobre o pagamento de propina a agentes políticos pela empreiteira. Migliaccio era lotado no Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, área responsável por operacionalizar repasses ilegais no Brasil e no exterior.

A tabela traz a indicação de fontes para pagamentos e siglas de destinatários, como o casal Santana e o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. Em depoimento prestado logo após ser presa, em fevereiro, Monica foi perguntada se sabia dizer quem era o “italiano”; na época, disse que não.

O ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal Teori determina que PGR faça investigação preliminar de lista de pagamentos da Odebrecht
Monica Moura, detida na carceragem da PF desde fevereiro, negocia delação premiada na Lava-Jato.
A mulher de João Santana conta que negociou com o ex-ministro Guido Mantega pagamento em campanha. O marqueteiro do PT diz que Mantega intermediou caixa 2.

A relação de proximidade com Migliaccio, o autor da tabela, já era admitida por Monica neste mesmo depoimento. Na ocasião, reconheceu ter sido orientada a procurar Migliaccio para receber colaborações não contabilizadas de campanhas feitas no exterior. E confirmou ter mantido contato com ele entre 2011 e 2014. Em março, a ex-secretária da Odebrecht Maria Lúcia Guimarães Tavares reforçou o vínculo do dirigente da empreiteira com Monica. Segundo ela, a mulher de Santana indicava a ele e a outros dirigentes suas contas para receber pagamentos ilegais.

A tabela traz um balanço de como foram repassados, entre 2008 e 2012, cerca de R$ 200 milhões a projetos como as eleições municipais de 2008, a disputa presidencial em El Salvador e valores pagos a JD, que a PF acredita ser Dirceu, e Santana. A planilha termina indicando haver, em 2012, um saldo de R$ 79 milhões. A curto prazo, R$ 6 milhões estariam comprometidos com “Itália” e R$ 23 milhões com o “amigo”, não identificado na tabela. Os demais R$ 50 milhões iriam para o “pós-Itália”.

Palocci nega “com veemência” as acusações, “feitas contra ele por uma pessoa submetida ao constrangimento da prisão”. O ex-ministro afirmou não ter participado da arrecadação de campanhas em 2006, 2010 ou 2014 e “jamais” ter indicado “a qualquer pessoa meios pelos quais pudessem ser arrecadadas contribuições ilegais”. Vaccari também negou a acusação.

Palocci disse que não tem “qualquer relação com a tabela” de Migliaccio. Segundo a nota, o petista “vê com muita estranheza que seja atribuído a si o codinome ‘italiano’, já que este apelido foi vinculado a várias outras pessoas em materiais apreendidos pela PF”. O ex-presidente da Odebrecht Marcelo Odebrecht também cita um “italiano” em e-mails a executivos, mas não é possível saber se é o mesmo citado por Migliaccio.

Palocci já é investigado na Lava-Jato desde junho de 2015, em inquérito que apura denúncia de que ele teria pedido ao ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa R$ 2 milhões para a campanha de Dilma, em 2010. Seu nome foi citado pelo doleiro Alberto Youssef e pelo operador Fernando Baiano. Este mês, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou pedido da defesa de Palocci para anular as duas delações.

da Redação OEB
com Globo.com

2 comentários

1 menção

  1. “PODEMOS DENOMINAR ESTES CRIMINOSOS DO PT, LIGADOS AO MCI-INTERNACIONAL, COMO MAFIA”
    SOB A ÉGIDE DO PAI DA FACÇÃO POLÍTICO- CRIMINOSA, EX-PRESIDENTE DA REPÚBLICA LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, OS MEMBROS ORGANIZADOS EM GRUPOS ESPALHADOS POR SETORES DO GOVERNO FEDERAL E PELOS ESTADOS DA NAÇÃO, ENGENDRARAM O MAIOR ESQUEMA CRIMINOSO DE PODER. E AINDA PARA SE PERPETUAREM NO COMENDO DA NAÇÃO BRASILEIRA DE ONDE COMANDARIAM A REVOLTA POPULAR EM TODA A AMÉRICA LATINA E EM ALGUNS PAÍSES DA ÁFRICA. TODA ESSA CRIMINALIDADE VISA DESESTABILIZAR A PAZ MUNDIAL SOB ORIENTAÇÃO DO MCI-INTERNACIONAL, ELABORADO POR LÍDERES SINO-SOVIÉTICOS EM MOSCOU E PEKIN.
    GÉSNER LAS CASAS
    RADIALISTA, ARTISTA PLÁSTICO, COMENDADOR de TOBIAS de AGUIAR & JORNALISTA

  2. Avante Dr. Sergio Moro e equipe, Lava essa vergonha e que seja a jato!!!

    Pior é que é “o italiano” ribeirãopretano… esse safado.

  1. […] Guido Mantega na Lava Jato – intermediou caixa 2 Palocci é o “Italiano” das planilhas de propina da Odebrecht que alimentou a campanha de Dilma com muitos milhões Curitiba recebe Guido Mantega – preso pela Lava Jato […]

Comentários no Facebook