O casal que aposta no STF com arquivamento do processo por falta de provas

Ouça todas as matérias deste portal, em trânsito ou em outra ocupação.

Dia 20 de setembro deverá ocorrer o julgamento no STF.
A preocupação dos brasileiros é a falta de condenações por parte do Supremo Tribunal Federal que, por sua vez, aponta para a probabilidade de arquivamento do caso com o argumento recorrente de falta de provas. Enquanto isso, a Lava Jato apresenta um número significativo de punições oriundas de uma investigação séria e eficaz.
Com isso, o fim do foro privilegiado é a grande aspiração de todos cidadãos sérios e bem informados, já que todo político quer ser julgado pela mais alta corte que se mostra indiferente à corrupção e, em alguns casos, coniventes com a impunidade.
Gleisi e Paulo Bernardo apostam no aparelhamento engendrado pelo PT e esperam um arquivamento por falta de provas consistentes, o que repercutiria como um escândalo, no Pais onde o escândalo se tornou tão comum que não assombra os que o cometem.

Paulo-Bernardo-Gleisi-Hoffman

O casal criminoso recebe uma certa proteção de Ministros do STF

Está marcado para o dia 20, no Supremo Tribunal Federal (STF), o julgamento da denúncia contra a senadora Gleisi Hoffmann, o marido dela, o ex-ministro Paulo Bernardo, e o empresário Ernesto Kugler. O julgamento chegou a ser agendado para o dia 30 de agosto, mas precisou ser adiado, porque a data chocaria com a votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff no Senado, da qual Gleisi participaria.

gleisi-hoffmannO julgamento da senadora e dos outros dois investigados ocorrerá na Segunda Turma do STF, integrada por cinco ministros. Se a maioria aceitar a denúncia, os investigados passarão à condição de réus em uma ação penal. O tribunal também pode arquivar o caso, se entender que faltam provas mínimas para justificar a continuidade das investigações.

leia-mais
Janot contesta soltura de Paulo Bernardo [vídeo]
Paulo Bernardo é indiciado – organização criminosa e corrupção passiva
A Lava Jato reúne mais indícios contra Gleise – Delator transportou propina para sua campanha ao senadoR$ 102 milhões bloqueados do PT, Paulo Bernardo e envolvidos na operação Custo Brasil

Segundo a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a campanha de Gleisi ao Senado em 2010 recebeu R$ 1 milhão do esquema de desvios de dinheiro da Petrobras. Há indícios de que o dinheiro teria sido entregue pelo doleiro Alberto Youssef. A quantia teria sido paga em quatro parcelas a Kugler, a pedido de Gleisi e do marido.

Gleisi foi ministra da Casa Civil no governo de Dilma Rousseff entre junho de 2011 e fevereiro de 2014. Paulo Bernardo foi ministro do Planejamento no governo Lula, de 2005 a 2011, e das Comunicações no governo Dilma, de 2011 a 2015. Assim como Kugler, o casal é suspeito de ter cometido corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O casal foi citado na Lava-Jato em delações premiadas de Yousseff e do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. Em seguida, veio a delação do advogado Antônio Carlos Fioravente Pieruccini, que detalhou como o dinheiro teria sido repassado para a campanha de Gleisi. Em depoimento ao Ministério Público Federal, Pieruccini afirmou ter transportado R$ 1 milhão de São Paulo para Curitiba, a pedido de Yousseff. O doleiro teria dito que a destinatária final do dinheiro era a campanha da petista.

Pieruccini disse que as entregas ocorreram em uma sala de propriedade de Ernesto Kugler, localizada shopping de Curitiba. Pieruccini teria levado uma caixa lacrada com a inscrição “P.B./Gleisi”. Ainda segundo Pieruccini, Kugler contou as notas, em um total de R$ 250 mil e disse que o valor “não dava nem para o cheiro”. Teriam ocorrido outras três entregas no mesmo molde, segundo o delator.

da Redação OEB
com Globo.com
%d blogueiros gostam disto: