‘No governo, se você discorda, vira inimigo número um’, diz Rosangela Moro

Ouça esta matéria, enquanto estiver em trânsito ou em outra atividade.

OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

Rosângela Moro e Sérgio Moro

Às vésperas de lançar o livro “Os dias mais intensos – Uma história pessoal de Sergio Moro” pela Editora Planeta, Rosangela havia sido questionada sobre uma publicação feita por ela mesmo dizendo que entre ciência e achismos, no caso da pandemia do coronavírus, ela ficava com a ciência.

Em entrevista ao blog da jornalista Bela Megale, a advogada Rosangela Wolff Moro, casada há 21 anos com o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, afirmou nesta sexta-feira (20) que “no governo Bolsonaro, se você discorda, vira inimigo número um” e revela que apagou publicação em defesa do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, à pedido e em defesa do marido.

“Nesse governo, todo mundo já percebeu que não se pode discordar, ainda que tecnicamente, o que é saudável. Se você discorda, acaba sendo visto como inimigo número um”, disse ela.

A mulher do ex-juiz da Lava-Jato relatou o que viveu ao lado do marido durante o período que ele integrou o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“A saúde, para mim, é uma coisa muito cara. Eu me assustei muito com a Covid-19, não acho normal 1.400 pessoas morrerem em um único dia. Não dá para achar isso normal”, avaliou ela.

Ela explicou que fez a postagem como cidadã e que se sentia “segura e feliz” em ver o ex-ministro da Saúde, que é médico, como titular da pasta. Ele foi demitido em abril após uma série de embates com o presidente por causa da pandemia.

De acordo com a advogada, Moro teria pedido para que ela apagasse o post, pois a fala causou “um desconforto no Palácio”.

“Eu e Moro tivemos uma discussão naquele momento. Eu tenho o direito de me se manifestar. Por outro lado, existia a possibilidade daquilo ser interpretado como uma fala do próprio ministro, que fazia parte de um governo que ninguém podia discordar. Quando fiz aquele post, foi como uma cidadã. Eu me sentia segura e feliz em ver, no meio de uma pandemia, o Brasil ter um ministro da Saúde (Luiz Henrique Mandetta) efetivamente da área de saúde. Sergio me pediu para apagar, porque a situação causou um desconforto no Planalto”, explicou.

Além disso, a advogada não esconde sua frustração com o governo Bolsonaro. “Acreditávamos que seriam novos tempos”, concluiu. No livro, ela relata a sua vida ao lado de Moro, desde a Lava-Jato até a ascensão do marido à Esplanada dos Ministérios. 

Da Redação O Estado Brasileiro
Fonte: matéria Yahoo Notícias

%d blogueiros gostam disto: