Nelson Teich desmente dados oficiais: Já morreram 230 mil por Covid

OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

O ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, de forma veemente, contesta os falsos números de mortes por Covid-19, anunciados pelo Ministério da Saúde que divulga pouco mais de 190 mil óbitos.

Ex-ministro da Saúde, Nelson Teich

Nas redes sociais, Teich destaca:

“Estamos atualmente com cerca de 230 mil mortos pela Covid-19 e os números crescem de forma significativa. Como aconteceu no início da pandemia, não é possível saber onde esses números vão chegar”

“A Covid-19 é a pior pandemia que o Brasil já viveu, ela é mais grave que a Gripe Espanhola. O Brasil marcou ontem, dia 24 de dezembro, 190 mil mortes. Se incluirmos nesse número as mortes subnotificadas, que conservadoramente representam 20% do total atual” , reforça Teich.

Os tuites reverberaram nas redes e desmentem de forma clara a falsidade de dados divulgados (fake news), reforçados pelas informações publicadas neste veículo: Omissão: Brasil pode ter ultrapassado muito mais que 220 mil mortes.

Teich foi ministro entre abril e maio de 2020 e tem autoridade para fazer tais afirmações, pois, assim como Henrique Mandetta, a quem substituiu, viu de perto, ou por dentro, como funciona o controle de informações, comandado por Jair Bolsonaro, fato que forçou a imprensa a criar o Consórcio de Veículos de Imprensa para que pudessem se informar e fornecer dados seguros aos leitores, sempre ávidos de informação sobre a maior crise sanitária do século.

No Twitter, Teich desabafa:

Luiz Henrique Mandetta havia alertado sobre as subnotificações e chegou a prever 180 mil mortes, número ultrapassado em muito, tornando o Brasil o país mais inseguro, em termos de informação, controle e ações de combate à pandemia, com um crescimento, cada vez maior de desinformação, promovida pelo presidente e seus fanáticos seguidores, provocando uma repercussão negativa em todo o mundo, provando a incompetência e indiferença com a vida da população.

Da Redação O Estado Brasileiro
Fonte: Redes sociais / Twitter do autor das denúncias.

%d blogueiros gostam disto: