Linha de frente: A maior vítima da montanha russa européia

Ouça todas as matérias deste portal, seja em trânsito ou em outra ocupação.

OUÇA ESTA E MAIS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

Em um ano de pandemia de montanha-russa, a única constante tem sido a pressão sobre os trabalhadores da linha de frente, que já estão se preparando para o próximo aumento.

O CORONAVÍRUS SE ESPALHOU PELA PRIMEIRA VEZ NA EUROPA
com uma onda de infecções que quase quebrou seus hospitais – exaustando, infectando e matando médicos e enfermeiras. Os bloqueios criaram algum espaço nas enfermarias de terapia intensiva durante o verão. Mas o adiamento durou pouco.

Desde a queda, o continente assistiu com horror e paralisia outra onda atingir com força quase igual – e em alguns lugares muito mais. Os corredores do hospital estavam lotados novamente, os respiradores sobrecarregados. Com o aumento das taxas de mortalidade, os governos impuseram novas, embora atenuadas, restrições, na esperança de salvar suas economias e, ao mesmo tempo, manter o vírus sob controle.

Não funcionou dessa maneira. Em dezembro, os gráficos que traçam o curso da pandemia pareciam menos um progresso do que uma montanha-russa assustadora. Tem sido esse tipo de ano.

A única constante em tudo isso tem sido a pressão sobre os funcionários da linha de frente em hospitais que correram riscos maiores do que a maioria, ajudaram a curar os doentes e tiraram inúmeros pacientes infectados da beira da morte.

Não os ajudou o fato de os líderes europeus ainda estarem lutando para controlar uma pandemia que escapou de todas as suas prescrições políticas. Se qualquer outro lembrete fosse necessário, o próprio presidente Emmanuel Macron testou positivo para o coronavírus na semana passada.

Na Alemanha, a chanceler Angela Merkel fechou grande parte do país novamente. O primeiro-ministro Giuseppe Conte da Itália impôs novas restrições duras durante o feriado. O primeiro-ministro Boris Johnson da Grã-Bretanha, enfrentando uma nova cepa do vírus que se espalha rapidamente, isolou Londres e grande parte do sudeste da Inglaterra e proibiu reuniões de Natal fora das residências. O rei da Suécia disse que a abordagem direta do país “falhou”.

Agora, com os feriados e as vacinas apenas começando a chegar, a tontura esperançosa está se misturando com comportamento imprudente e fadiga popular, aumentando o temor de que o Ano Novo trará mais um surto de infecções.

“Achamos que estava acabado”, disse Gabriele Ponti, 58, enfermeira do hospital Papa Giovanni XXIII em Bérgamo, epicentro da primeira onda da epidemia no norte da Itália. “A questão é se será melhor ou pior do que antes”, disse ele.

O pavor é generalizado. Os encargos já consideráveis ??sobre os profissionais de saúde na verdade pioraram em 30 países em todo o continente nas últimas semanas, de acordo com o Centro Europeu para Controle e Prevenção de Doenças, uma agência da União Europeia.

A ocupação e as internações em hospitais e unidades de terapia intensiva aumentaram em relação à semana anterior em pelo menos uma dúzia de países, disse a agência em um relatório na quinta-feira.

“A transmissão ainda é generalizada”, alertou.

Da Redação O Estado Brasileiro
NYT – Escrita por Jason Horowitz – dezembro de 2020

%d blogueiros gostam disto: