Haverá outra variante. Veja o que o mundo pode fazer agora?

O SARS-CoV-2, o coronavírus que causa o Covid-19, continuará mudando e produzindo novas variantes. Isso é especialmente verdadeiro enquanto houver grandes grupos de pessoas não vacinadas em todo o mundo que o vírus pode infectar facilmente e usar como hospedeiros para se replicar e sofrer mutações. Por causa disso, é impossível que um único país acabe com a pandemia sozinho.

Cada vez que surge uma nova variante do coronavírus, o mundo segue um padrão semelhante. Os cientistas compartilham a descoberta e o pânico se instala. Não é feito o suficiente entre cada onda para prevenir ou se preparar para a próxima.

A Omicron pegou grande parte do mundo desprevenido. Não por sua existência – é isso que os vírus fazem – mas por quão contagiante era e com que rapidez se espalhava. Os países tentaram instituir políticas em tempo real que deveriam estar em vigor muito antes, como garantir suprimentos de teste suficientes.

À medida que nos aproximamos do terceiro ano da pandemia de Covid-19, o mundo deve finalmente aprender com os erros do passado. Isso começa reconhecendo que Alpha, Delta e Omicron não são novas ameaças. Todos eles ainda são o coronavírus. Em vez de lançar nossas sociedades no caos à medida que cada nova variante surge, precisamos reconhecer que o vírus ainda não foi controlado e que as nações precisam de melhores estratégias para se preparar, detectar e responder a ondas futuras. Todo o conhecimento adquirido sobre como responder a uma variante tão letal quanto o Delta ou tão contagioso quanto o Omicron pode ser bem utilizado.

Para mitigar o impacto de variantes futuras, o mundo precisa estabelecer e fortalecer sistemas de monitoramento e vigilância de vírus que possam identificar variantes emergentes rapidamente para que os líderes possam responder.

É assim que funciona: os cientistas coletam regularmente amostras do vírus de pessoas infectadas e sequenciam essas amostras. Isso ajuda os cientistas a perceber mudanças notáveis ​​no vírus. Picos em casos em certas áreas também podem alertar os cientistas para olhar mais fundo. Quando os pesquisadores encontram algo notável, eles podem alertar os colegas para um estudo mais aprofundado.

Redes de laboratórios em todo o mundo devem estar equipadas para estudar as propriedades de qualquer nova variante para avaliar seu impacto potencial nos testes disponíveis, eficácia das vacinas e tratamentos.

Cientistas da África do Sul e Botsuana que já estão fazendo esse tipo de vigilância de rotina do coronavírus conseguiram alertar rapidamente suas redes de pesquisa e o resto do mundo sobre a Omicron. No futuro, essas descobertas também devem desencadear uma resposta coletiva eficaz. Quando são identificadas variantes preocupantes, é necessário haver um acordo global sobre como os países devem reagir em conjunto para mitigar quaisquer danos econômicos e à saúde. As restrições de viagem não foram eficazes para limitar a disseminação de qualquer uma das variantes.

Todos os países também devem aumentar sua infraestrutura de testes para o coronavírus. Testes rápidos que podem ser feitos em casa devem estar amplamente disponíveis e acessíveis para reduzir as cadeias de transmissão, especialmente durante os surtos. Ter a capacidade de testar em casa permite que os indivíduos conheçam seu status de coronavírus e evitem espalhar o vírus se estiverem infectados.

Mais importante, o esforço global de vacinação deve ser ampliado para impedir a circulação contínua do vírus. Isso não apenas limitará o surgimento de variantes futuras, mas também ajudará a diminuir o impacto do vírus na população, deixando menos pessoas doentes. Certos grupos, como pessoas que têm o sistema imunológico enfraquecido devido ao tratamento de doenças como câncer ou HIV/AIDS, precisam ter maior prioridade para vacinação e proteção. As pessoas que têm dificuldade em eliminar infecções por coronavírus não apenas enfrentam doenças potencialmente mais graves do vírus. Uma infecção de longo prazo também oferece oportunidade para o vírus sofrer mutações mais livremente e possivelmente criar uma nova variante.

Durante os surtos, os países precisam aumentar o acesso às medidas que podem diminuir o risco de infecção, como máscaras. A máscara certa, usada de forma adequada e consistente em espaços públicos internos, pode fornecer alguma proteção contra todas as variantes. Agora que existem medicamentos disponíveis para tratar infecções, os líderes dos países e as empresas farmacêuticas devem garantir que haja bastante suprimento e que esteja disponível para todos. Isso deve incluir pessoas em países em desenvolvimento. Medicamentos como o Paxlovid, produzido pela Pfizer, podem ser tomados por via oral, o que permite que as pessoas fiquem em casa e fora dos hospitais. O acesso a esse tipo de medicamento é especialmente importante em países onde as taxas de vacinação são baixas e as pessoas estão menos protegidas.

O mundo teve sorte com a Omicron. 

É inimaginável o que teria acontecido se essa variante altamente contagiosa tivesse causado uma doença tão grave quanto a Delta. Podemos não ter tanta sorte da próxima vez. O mundo não pode se dar ao luxo de estar tão despreparado novamente.

Da Redação de O Estado Brasileiro
Por John Nkengasong
O Dr. Nkengasong é o diretor dos Centros da África para Controle e Prevenção de Doenças.

Compartilhe nas suas redes sociais!

%d blogueiros gostam disto: