Grande risco ao ignorar a segunda dose de vacina contra a Covid

OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

“A segunda dose de vacinas de mRNA induz um nível de anticorpos neutralizantes de vírus cerca de 10 vezes maior do que a primeira dose”, disse o Dr. Paul Offit, professor da Universidade da Pensilvânia e membro do painel consultivo de vacinas da Food and Drug Administration.

Sua segunda dose de vacina lhe dá mais proteção do que você imagina. Veja por que você ainda deve obtê-lo, mesmo que seja mais tarde do que o planejado.

A variante indiana preocupa o mundo e, no Brasil, os infectologistas estão alertando para sua chegada, já que o governo Federal não tomou iniciativa nenhuma voltada para este provável e, muito provável evento.

Milhões de pessoas perderam a segunda dose da vacina Covid-19. Mas isso realmente importa?

Sim! Autoridades de saúde pública dizem que se você está recebendo uma vacina de duas doses, deve completar as duas doses para obter a proteção mais forte contra Covid-19, especialmente com novas variantes circulando no mundo. Do ponto de vista prático, perder o segundo tiro pode criar problemas no futuro se os locais de trabalho, campi universitários, companhias aéreas e agentes de patrulha de fronteira exigirem prova de vacinação completa.

Mas muitas pessoas não estão entendendo a mensagem de que a segunda dose é importante. Mais de cinco milhões de pessoas, ou quase 8 por cento das que receberam a primeira injeção das vacinas, perderam a segunda dose, de acordo com os dados mais recentes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

Os motivos pelos quais as pessoas perdem a segunda dose variam. Algumas pessoas dizem que estão preocupadas com os efeitos colaterais, que foram amplamente relatados como piores após a segunda dose. Outros dizem que os compromissos de segunda chance foram cancelados e é difícil reprogramar. Mas uma nova pesquisa também mostra que muitas pessoas estão apenas confusas e pensam erroneamente que um tiro é o suficiente.

Pesquisadores da Cornell University e do Boston Children’s Hospital pesquisaram uma amostra representativa de mais de 1.000 americanos em fevereiro e descobriram que 20% acreditavam estar fortemente protegidos após apenas uma dose de uma vacina de duas doses. (Outros 36% disseram que não tinham certeza de como estavam protegidos). E entre os entrevistados que já haviam recebido pelo menos uma injeção, 15% não se lembrava de ter sido avisado para voltar para uma segunda dose. Cerca de metade não se lembra de ninguém lhes dizendo que a proteção era mais forte após a segunda dose, de acordo com o relatório, publicado no The New England Journal of Medicine.

“Nossa pesquisa expôs o fato de que ainda há muita confusão sobre o momento da proteção quando se trata de ser vacinado”, disse John Brownstein, epidemiologista e diretor de inovação do Hospital Infantil de Boston e coautor da pesquisa.

Para aumentar a confusão, está o fato de que alguns países estão adiando as segundas doses para que mais pessoas sejam vacinadas mais rapidamente ou porque têm oferta limitada de vacina. Ambas as vacinas Pfizer e Moderna são conhecidas como vacinas de mRNA e requerem duas injeções, idealmente espaçadas com três ou quatro semanas de intervalo. Mas em alguns países, incluindo Grã-Bretanha e Canadá, os segundos tiros foram adiados por até três ou quatro meses. Embora essa estratégia tenha funcionado para países que enfrentam problemas de distribuição ou escassez de vacinas, o Dr. Anthony S. Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, tem resistido repetidamente aos apelos para adotar uma estratégia de dose única nos Estados Unidos.

O CDC relatou recentemente que um estudo de profissionais de saúde e de emergência com alto risco de exposição ao coronavírus descobriu que uma única dose da vacina Covid-19 da Pfizer ou Moderna foi 80 por cento eficaz na prevenção da Covid-19. Após a segunda dose, as vacinas foram cerca de 90 por cento eficazes.

Mas os especialistas em vacinas dizem que esses números podem induzir as pessoas a pensar que há muito pouco benefício com a segunda dose, e não conseguem captar algumas das mudanças importantes que acontecem dentro do corpo depois que uma pessoa é totalmente vacinada com ambas as doses.

“A segunda dose de vacinas de mRNA induz um nível de anticorpos neutralizantes de vírus cerca de 10 vezes maior do que a primeira dose”, disse o Dr. Paul Offit, professor da Universidade da Pensilvânia e membro do painel consultivo de vacinas da Food and Drug Administration. “Além disso, a segunda dose induz imunidade celular, que prevê não apenas proteção mais longa, mas melhor proteção contra cepas variantes.”

Também não está claro quanto tempo dura a proteção da primeira dose sem o reforço de uma segunda dose, disse Fauci durante uma coletiva de imprensa na Casa Branca em abril.

“Temos ficado preocupados, e ainda estamos, quando você olha para o nível de proteção após uma dose, pode dizer que é de 80 por cento, mas é um pouco tênue 80 por cento”, disse Fauci. Ele disse que existe a preocupação de que variantes mais contagiosas que continuam a se espalhar pelo mundo possam escapar parcialmente dos anticorpos induzidos pela vacina após apenas uma dose. “Você está em uma zona tênue se não tiver o impacto total” de duas doses, disse ele.

Embora as infecções emergentes após a vacinação sejam raras, elas acontecem. Um estudo recente com 250 pessoas em Israel que foram infectados após terem sido parcialmente vacinados com a vacina Pfizer – entre duas semanas após a primeira dose e uma semana após a segunda dose – mostraram que estavam desproporcionalmente infectados por B.1.1.7, a variante identificada pela primeira vez na Grã-Bretanha. O mesmo estudo descobriu que em um grupo de 149 pessoas infectadas após a segunda dose da vacina, oito infecções com B .1.351 (a variante identificada pela primeira vez na África do Sul) ocorreram entre os dias sete e 13 após a segunda dose. Nenhuma infecção de ruptura com a variante da África do Sul foi observada 14 dias após a segunda dose. Embora tenha sido uma amostra pequena, a descoberta sugere que a vacinação completa oferece mais proteção contra as variantes, disse Adi Stern, autor sênior do estudo e professor da Escola Shmunis de Biomedicina e Pesquisa do Câncer da Universidade de Tel Aviv.

Outro estudo mostrando os benefícios da vacinação completa analisou um grupo de 91.134 pacientes que já haviam sido atendidos por médicos no sistema do Hospital Metodista de Houston e os acompanharam entre dezembro e abril. A maioria não foi vacinada, mas 4,5 por cento foram parcialmente imunizados e 25,4 por cento foram totalmente imunizados. Houve 225 mortes por Covid-19 no grupo, e 219 (97 por cento) estavam entre os não vacinados. Mas cinco mortes (2,2 por cento) ocorreram entre os parcialmente imunizados. Apenas uma pessoa (0,004 por cento) morreu no grupo totalmente imunizado. Nesse estudo, a vacinação completa foi 96 de proteção contra hospitalização e 98,7 por cento de proteção contra morte por Covid-19. Mas os parcialmente vacinados ficaram apenas 77 por cento protegidos da hospitalização e 64 por cento protegidos da Covid-19 fatal.

O autor sênior do estudo, Saad B. Omer, diretor do Yale Institute for Global Health, disse que começou a pesquisa com uma visão “neutra” sobre os benefícios de duas doses versus uma única dose. Mas agora ele está convencido de que os benefícios de uma segunda dose são significativos.

“Dados os dados de nosso estudo e outras evidências, não faz sentido para as pessoas pularem a segunda dose”, disse o Dr. Omer. “Quando se trata de prevenção de mortes por meio de vacinas, o copo está 64 por cento cheio, mas você não preferiria tê-lo quase 100 por cento cheio para um resultado tão drástico e irreversível como a morte?”

Além dos riscos óbvios para a saúde, pular a segunda dose também pode tornar sua vida mais complicada se você quiser viajar ou visitar instalações que exijam prova de vacinação. “Você não será considerado totalmente vacinado”, disse Brownstein. “Pode ter implicações para voltar ao normal novamente. Se o seu passaporte ou cartão da vacina não mostrar um status completo, você não poderá fazer certas coisas. Você pode não conseguir entrar em um avião.”

Para as pessoas que perderam a segunda dose das vacinas Pfizer ou Moderna, aqui estão as respostas para algumas perguntas comuns.

É tarde demais para receber minha segunda dose?
Não. Se você omitiu sua dose por qualquer motivo, você não precisa começar tudo de novo com outro regime de duas doses. O CDC disse que se os suprimentos estiverem baixos ou as consultas não estiverem disponíveis, os pacientes podem estender o intervalo entre as doses em até seis semanas. Na Grã-Bretanha, a segunda dose foi adiada em até três meses. Seja qual for o momento, os médicos aconselham você a tomar a segunda dose, mesmo que tenha passado mais tempo do que o recomendado desde a primeira dose.

Onde devo ir para obter minha segunda dose?
Em primeiro lugar, tente consultar o seu provedor original – apenas não se esqueça de levar o cartão de vacina que recebeu após a primeira dose. Em muitos locais, você pode simplesmente entrar com seu cartão e receber sua segunda dose, se for no mesmo local que sua primeira dose.

As pessoas com teste positivo para Covid-19 ainda precisam de uma segunda injeção?
Sim. Mesmo se você já tomou a vacina, ainda obterá imunidade mais forte com a vacinação. A resposta imunológica de uma pessoa a uma infecção natural é altamente variável. Algumas pessoas podem produzir poucos anticorpos, e algumas variantes parecem se esquivar dos anticorpos naturais mais facilmente do que os anticorpos gerados por vacinas mais fortes. Embora não esteja claro quanto benefício extra um paciente recuperado de Covid obtém com duas doses, em comparação com uma única dose, você precisa de uma segunda dose para fornecer prova de vacinação completa, caso precise para viajar ou trabalhar. Pessoas que tiveram Covid-19 no passado são aconselhadas a esperar cerca de 90 dias após a infecção antes de serem vacinados se foram tratados com plasma convalescente ou anticorpos monoclonais. Se você receber Covid-19 após sua primeira dose, pode ser necessário ajustar seu esquema de vacinação até que esteja totalmente recuperado e não precise mais se isolar. Verifique com seu médico sobre o melhor momento, se você não tiver certeza.

E se eu estiver evitando a segunda dose porque tenho medo de que os efeitos colaterais sejam piores?
Os efeitos colaterais como fadiga, dor de cabeça, dores musculares e febre são mais comuns após a segunda dose das vacinas Pfizer e Moderna. Mas, embora os efeitos colaterais possam ser desagradáveis, eles são controláveis, de curta duração e são um sinal de que seu corpo está desenvolvendo uma forte resposta imunológica.

Devo tomar a segunda injeção se tiver uma reação grave à primeira dose?
Existem raros casos em que abdicar da segunda injeção é aconselhado por um médico. O CDC recomenda que as pessoas pulem a segunda dose se tiverem uma reação alérgica grave após a primeira injeção. A orientação é a mesma para uma reação alérgica mais branda que se desenvolve em quatro horas, como urticária, sibilos ou inchaço, mesmo que não requeira atendimento de emergência. Para a maioria dos outros efeitos colaterais, porém, a agência recomenda recebendo a segunda dose, a menos que um médico ou provedor de vacinação aconselhe o contrário. Se você acha que teve uma reação grave ou incomum à primeira injeção, consulte um médico. Você também deve verificar com seu médico se sentir algum efeito colateral preocupante ou efeitos colaterais que parecem não desaparecer após alguns dias.

Da Redação O Estado Brasileiro
Fonte: NYT – por Tara Parker-Pope – Ela ganhou um Emmy em 2013 pela série de vídeos “Life, Interrupted” e é autora de “For Better: The Science of a Good Marriage”.

Compartilhe esta importante matéria nas suas redes sociais!

%d blogueiros gostam disto: