Estudo aponta que pré-exposição ao vírus da dengue protege contra a gravidade do COVID-19

OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

CIÊNCIA

“Estudando inicialmente o mapa global da pandemia COVID-19, ocorreu-nos que o SARS-CoV-2 está apresentando menos transmissão, gravidade e mortalidade geral por milhão de habitantes em países com alta endemia de dengue”.

A modelagem computacional confirma que os anticorpos do envelope do vírus da dengue podem se ligar aos locais de ligação do receptor do SARS-CoV-2: A pré-exposição ao vírus da dengue protege contra a gravidade do COVID-19?

Desde o início de 2020, pessoas em todo o mundo estão enfrentando a pandemia COVID-19, causada pelo SARS-CoV-2, um beta coronavírus. A partir de 26 th de agosto de 2020, a 23,697,273 casos confirmados com 814,438 mortes foram relatadas em todo o mundo [1]. Acredita-se que esta infecção tenha se originado na cidade de Wuhan, província de Hubei, China, em dezembro de 2019. O vírus é altamente contagioso e facilmente transmissível de pessoa para pessoa. O vírus causou vários surtos em todo o mundo e a OMS declarou uma emergência de saúde pública de preocupação internacional (PHEIC) em 30 de janeiro de 2020.

Estudando inicialmente o mapa global da pandemia COVID-19, ocorreu-nos que o SARS-CoV-2 está apresentando menos transmissão, gravidade e mortalidade geral por milhão de habitantes em países com alta endemia de dengue [2], ou seja, COVID-19 e dengue mapas de gravidade global não tendem a se sobrepor [3]. Apesar de ter grande tamanho populacional, alta densidade populacional, menos consciência de saúde pública, condições de saúde e higiene relativamente ruins e instalações de saúde inadequadas, os países altamente endêmicos de dengue no Sudeste Asiático, no subcontinente indiano, na América Latina e na África experimentaram um grau comparativamente mais baixo de COVID Gravidade de -19 até agora.

O mundo está passando pelo flagelo da pandemia COVID-19 desde janeiro de 2020. No entanto, a pandemia parece ser menos grave em países com alta endemia de dengue. Nesse sentido, vários estudos relataram que os testes de sorodiagnóstico para DV produziram resultados falso-positivos consideráveis ​​para SARS-CoV-2 e vice-versa em regiões endêmicas de dengue, indicando assim uma potencial reatividade cruzada entre esses dois vírus. 

Antecipamos que o SARS-CoV-2 e o DV podem compartilhar semelhanças antigênicas e realizamos estudos de docking computacional para testar essa hipótese. Nossos resultados previram com alta confiança que os anticorpos humanos DV podem de fato, ligar-se ao RBD da proteína SARS-CoV-2 Spike. 

Algumas dessas interações também podem interceptar potencialmente a ligação do receptor ACE2 humano ao RBM. Amostras de soro de dengue anteriores ao COVID-19, foi encontrado para reação cruzada com SARS-CoV-2 Spike e isso fornece validação experimental direta de nossas previsões. Nossa análise também mostrou que os anticorpos m396 e 80R (contra SARS-CoV-1) não se acoplaram com RBM de SARS-CoV-2, fato já comprovado experimentalmente. Isso confirmou a confiabilidade e a robustez de nossa abordagem. 

Portanto, é altamente provável que a memória imunológica / anticorpos para DV em países endêmicos possam reduzir a gravidade e disseminação de COVID-19. Não se sabe se os anticorpos SARS-CoV-2 impedirão as infecções de DV ao se ligarem a partículas de DV e reduzirão as incidências de dengue no futuro ou, se aumentarão a infecção e a gravidade de DV, implantando intensificação dependente de anticorpos. 

Reprodução: O Estado Brasileiro
Estes autores contribuíram igualmente para este trabalho.
© 2020 o (s) autor (es). Publicado pela Elsevier BV em nome da Rede de Pesquisa de Biotecnologia Computacional e Estrutural.
sciencedirect.com

%d blogueiros gostam disto: