Dívida “terrivelmente evangélica” – 10 igrejas devem R$ 382 milhões à União

Ouça esta matéria, enquanto estiver em trânsito ou fazendo outra coisa!

Um assunto esquecido? Não!
Dívidas que, provavelmente, ficarão por isso mesmo, com contínuas ações para que sejam definitivamente “enterradas”.
A negada corrida para reeleição, como tudo que Bolsonaro nega, está em franco desenvolvimento, agora, trabalhando o Nordeste, seguindo a receita de Lula, seu apoiador ainda mais dedicado. Admiração reforçada pela indicação ao STF e a destruição de vários mecanismos anti-corrupção – uma pauta comum entre eles.

Foto: Jornal do Brasil

Os dez maiores devedores, exercendo atividade religiosa, somam 382,3 milhões de dívida, o que explica a pressão das igrejas no sentido de serem “perdoadas”, com a ajuda, é claro, daquele a quem interessa essa usina de votos para uma reeleição que tem seu interesse negado pelo mesmo.

A maior parte dos débitos estão ligados à contribuição previdenciária e que passam a ser isentas após a sanção da lei 14.057 que foi publicada no Diário Oficial da União.

A lista está disponível no site da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, lidada ao Ministério da Economia.

O milionário pastor Valdomiro Santiago, dono da Igreja Mundial do Poder de Deus e muito próximo a Bolsonaro, ocupa o segundo lugar nos débitos, somando os R$ 91,4 milhões, com R$ 55,5 milhões, somente de pendências referentes à contribuição tributária.

Segundo os dados, os 10 maiores no desfalque aos cofres públicos conta, entre tantos outros, com a Igreja Internacional da Graça de Deus (R$ 37,8 milhões), Associação Vitória em Cristo (R$ 35,9 milhões), Igreja Renascer em Cristo (R$ 33,4 milhões), Centro Islâmico Brasileiro (R$32,7 milhões), Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e de São Benedito dos Homens Pretos (R$ 18 milhões), Mosteiro de São Bento da Bahia (R$ 13,4 milhões) e Igreja da Lagoinha (R$ 10,1 milhões). O Centro Islâmico é o único devedor na lista dos 100 maiores devedores a não pertencer à matriz cristã.

A soma de toda a dívida de atividades religiosas com a Fazenda Nacional é de R$ 1,5 bilhão –apesar de mais de 8.800 empresas estarem listadas, apenas 39 devem mais de R$ 1 milhão. A lista inclui também atividades desenvolvidas por estas religiões, tais como serviços educacionais, de publicação de livros e gerenciamento de hospitais.

Bolsonaro vetou parte do perdão das dívidas das igrejas mas deixou público o “pedido” para que derrubassem o veto. Ele também indicou que apresentaria PEC sobre isenção tributária de igrejas, poderoso instrumento de arrecadação de votos.

Da Redação O Estado Brasileiro
Fonte: Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional
Edição: Celso B. Rabelo

%d blogueiros gostam disto: