Cuba: Uma geração que não se calará

HAVANA – O mês de julho testemunhou uma série de acontecimentos que marcaram uma virada na história de Cuba: o assalto de Fidel Castro ao Quartel de Moncada em julho de 1953 , que deu início à revolução; a execução do general revolucionário Arnaldo Ochoa que chocou muitos cubanos em 1989; e o naufrágio de um rebocador com dezenas de pessoas a bordo rumo a Miami em 1994, no que se tornou o clímax do êxodo das vigas. A essas datas históricas de julho, adicionamos agora o dia em que nós, cubanos, retomamos as ruas, nossas ruas.

Domingo, 11 de julho, começou como qualquer outro dia de verão na ilha: calor, longas filas para comprar comida e incertezas dominando a vida diária. Então, os primeiros vídeos ao vivo de protestos no Facebook na pequena cidade de San Antonio de los Baños, a sudoeste de Havana, começaram a aparecer nas redes sociais. Nas telas de nossos telefones, vimos multidões gritando “liberdade”, “queremos ajuda” e “não temos medo”, além de insultos ao presidente Miguel Díaz-Canel . Essas foram cenas novas para nós, e a emoção era contagiante.

O Sr. Díaz-Canel e sua comitiva foram a San Antonio de los Baños para reconstituir a cena de Fidel Castro chegando para acalmar as massas no protesto de 1994 em Havana conhecido como “Maleconazo” – até agora a única convulsão social generalizada que várias gerações de cubanos já viram. Mas o plano de jogo de Díaz-Canel não funcionou.

Quando a caravana presidencial chegou a San Antonio de los Baños, os protestos já haviam se espalhado, inclusive para Palma Soriano, na província de Santiago de Cuba, do outro lado da ilha. Grandes multidões de vizinhos invadiram as praças de Cárdenas e Matanzas, e grupos de jovens se aproximaram da capital em Havana .

“Nós nos reunimos em uma esquina do El Vedado” – um bairro de Havana – “e começamos a falar a mesma língua”, disse um homem de 32 anos, Alejandro, que estava entre as dezenas de Habaneros que foram à sede do Parlamento cubano entoando aquela palavra de três sílabas o mais alto que podiam: libertad.

Muitos dos que pediram a renúncia de Díaz-Canel e o fim da ditadura nasceram depois do Maleconazo de 1994 ou eram crianças na época, sem nenhuma lembrança dessa revolta. Mas isso não importa porque, ao contrário daquele surto, o objetivo desses protestos não é escapar da crise econômica da ilha de jangada, mas sim trazer mudanças para a ilha.

Certamente, as restrições trazidas pela pandemia exauriram uma população já esgotada. Mas os jovens cubanos não protestam apenas contra os toques de recolher pandêmicos , o corte dos voos comerciais que lhes permitiram fugir para outro país ou as lojas que aceitam apenas moedas estrangeiras , embora o povo seja pago em pesos cubanos. Esses protestos são alimentados pelo desejo de liberdade, a esperança de viver em um país com oportunidades, o medo de se tornarem as sombras fracas e silenciosas que seus avós se tornaram.

Esses jovens cubanos não querem ser netos de uma revolução que envelheceu tanto que os cubanos são obrigados a arriscar suas vidas cruzando o estreito da Flórida por uma chance de uma vida decente.

Protestam porque o mito oficial de que o povo cubano foi salvo por alguns barbudos que desceram da Sierra Maestra não lhes interessa mais. Eles cresceram vendo a barriga dos funcionários comunistas crescerem enquanto eles têm dificuldade de colocar comida na mesa. Eles não temem mais arriscar suas vidas nas ruas, porque estão lentamente perdendo suas vidas de qualquer maneira, esperando em longas filas para comprar comida , viajando em ônibus lotados e suportando prolongados cortes de energia .

Uma imagem resumia como a narrativa oficial da revolução de Fidel Castro foi completamente destruída: Vários jovens hastearam uma bandeira cubana ensanguentada em cima de um veículo da polícia capotado no meio da rua. Ao contrário dos patriarcas da revolução, eles não usavam barbas e uniformes verde-oliva, mas se tornaram o novo símbolo desta ilha. Eles foram às ruas porque acreditavam que as ruas lhes pertenciam.

Em protestos anteriores, o regime dependia de seu exército leal de trabalhadores do Estado, membros do Comitê de Defesa da Revolução e adoradores de Raúl Castro para impedir as manifestações – na verdade, os legalistas foram encorajados a revidar os manifestantes com paus e pedras . Mas nas primeiras horas desta onda de protestos, poucos partidários apareceram. Em vez disso, Díaz-Canel lançou suas forças de segurança uniformizadas para conter as manifestações.

Sem surpresa, as forças de segurança detiveram centenas de pessoas. O governo militarizou as ruas de todo o país e restringiu a internet para fazer as pessoas dentro e fora da ilha acreditarem que não há nada para ser visto. Em outras palavras, eles fizeram o que as ditaduras fazem.

O dia em que os cubanos perderam o medo

14 de julho de 2021
Muitos cubanos passaram a acreditar que a ditadura seria eterna, que a ilha seria amaldiçoada para sempre, que nossas únicas opções eram fugir ou calar-se. Outros estavam convencidos de que os cubanos eram incapazes de rebelião, que os bravos haviam partido e uma massa apática e silenciosa era tudo o que restava. Mas o silêncio foi quebrado. E as vozes que o quebraram pertencem, sobretudo, aos jovens cubanos que clamam por mudanças profundas em seu país.

O futuro próximo está cheio de incertezas. Aos poucos, o número de mortes, prisões e desaparecimentos forçados se tornará conhecido. Para ajudar nessa tarefa, é urgente que as organizações sociais criem linhas diretas nas quais as famílias dos desaparecidos possam oferecer suas informações no esforço de localizar seus entes queridos. As Nações Unidas e a União Européia conclamaram o governo cubano a respeitar o direito de protestar e a libertar todos os detidos por manifestarem. É improvável que o regime dê ouvidos a seus apelos. Mas uma coisa é certa: os cubanos experimentaram a liberdade e não há como voltar atrás. Não seremos silenciados novamente.

Da Redação O Estado Brasileiro
Yoani Sánchez (@yoanisanchez) apresenta o podcast Ventana 14 e é a diretora do jornal digital 14ymedio. Este artigo foi traduzido por Erin Goodman do espanhol.

Compartilhe nas suas redes sociais!

%d blogueiros gostam disto: