Briefings: Pandemia em vários territórios

OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

De forma resumida e rápida, importantes posições que todos precisamos saber.

Reino Unido, África do Sul, Itália, República Tcheca, Espanha, França, México, Chile, Argentina, Brasil…

A pandemia no planeta.

REINO UNIDO e ÁFRICA DO SUL

O Reino Unido detectou dois casos de covid-19 causados por outra variante 70% “mais transmissível” do coronavírus, disse o secretário de saúde britânico, Matt Hancock.

Depois de detectar uma nova cepa no Reino Unido, Boris Johnson avisou o mundo, o que alertou a comunidade científica internacional, provocou bloqueios de voos originados dessa região e, como se não bastasse, uma segunda nova cepa, ainda mais agressiva, originada da África do Sul, já foi detectada no Reino Unido.

Os pacientes tiveram contato com pessoas que viajaram nas últimas semanas para a África do Sul, onde a nova cepa tem sido apontada como causa para um número recorde de hospitalizações, inclusive entre pessoas mais jovens e sem comorbidades.

O governo britânico impôs restrições para viagens ao país e instruiu a todos que tenham passado pela África do Sul nas últimas duas semanas, bem como aqueles que eventualmente tenham tido contato com essas pessoas, que entrem em quarentena imediatamente.

A variante, 501.V2, foi identificada por pesquisadores sul-africanos e relatada à Organização Mundial de Saúde (OMS), disse o ministro da Saúde, Zweli Mkhize, em um comunicado.

A equipe sequenciou centenas de amostras de todo o país desde o início da pandemia, em março.

“Eles perceberam que uma determinada variante domina os resultados dos últimos dois meses”, informa nota.

ITÁLIA

O governador da região de Veneto, no nordeste da Itália, onde o primeiro italiano morreu de Covid, disse que os hospitais da região estão agora mais lotados de pacientes do que em março. O necrotério do hospital de uma cidade teve que retirar uma sobrecarga de cadáveres.

REPÚBLICA TCHECA

Na República Tcheca, após várias semanas de um declínio constante no número de novos pacientes com coronavírus, os números começaram a aumentar novamente este mês, e agora há mais de 4.600 pessoas nos hospitais do país.

“Muito frágil”, disse Jan Blatny, o ministro da saúde da República Tcheca, neste mês, sobre a situação nos hospitais do país.

Na quarta-feira, as autoridades registraram o maior aumento diário de novos casos nas últimas duas semanas, quando 8.235 pessoas testaram positivo.

ESPANHA

O surto inicial do vírus na primavera pegou os hospitais espanhóis de surpresa. Muitos profissionais de saúde enfrentaram a epidemia sem equipamentos de proteção adequados e dezenas de milhares foram infectados. Nos hospitais de Madrid, alguns pacientes dormiam nos corredores. De modo geral, a reação impetuosa da Espanha minou a reputação de um sistema público de saúde do qual muitos espanhóis se orgulhavam.

FRANÇA

Mesmo antes da infecção de Macron, o governo francês parecia inseguro sobre a sabedoria de se abrir novamente. As taxas de infecção não caíram tão rapidamente quanto o esperado, levando o governo a adiar o relaxamento de algumas restrições. Museus, cinemas e teatros permanecerão fechados pelo menos até o início de janeiro.

No início e em meados de novembro, o ressurgimento do vírus quase quebrou o sistema de saúde da França. Como os hospitais do país registraram cerca de 3.000 novos pacientes com Covid-19 por dia, um número não visto desde abril, até 97 por cento dos leitos de terapia intensiva estavam ocupados com quase 5.000 pacientes com Covid-19.

BRASIL

Enquanto isso, no Brasil, somente neste dia 25 de dezembro será interrompida a entrada de aviões provenientes do Reino Unido, como sempre, o último da fila nas providências.

A decisão foi tomada depois do corpo técnico da Anvisa insistir na ação.

O país deverá iniciar o ano com janeiro atingindo, em seu início, 200.000 óbitos e um número assustador de contaminados e leitos de UTIs lotados.

A CoronaVac deverá apresentar sua vacina em janeiro, num segundo adiamento para ser apreciado todo o processo e aprovação pela Anvisa.

O Governo do Estado de São Paulo mantém a previsão de início de vacinação em 25 de janeiro, enquanto Eduardo Pazuello – Ministro da Saúde, informa 3 datas prováveis para o início de vacinação pelo desgastado e confuso PNI (Plano Nacional de Imunização), sem planos, sem vacinas e sem rumo, no momento em que atingimos quase mil mortes nas últimas 24 horas.

MÉXICO – CHILE – ARGENTINA

México, Chile e Argentina disputam quem será o primeiro país da América Latina a começar a vacinação contra a covid-19. Os três preveem começar a aplicar a vacina em algum momento da semana que vem. A Colômbia também se preparar para receber as primeiras doses da vacina Pfizer / BioNTech.

 Anúncio da mutação viral da COVID-19

Sábado foi anunciado uma mutação da COVID-19, que, segundo Boris Johnson, pode ter capacidade 70% maior de transmissão. 

A epidemiologista Susan Hopkins, da Public Health England (PHE), agência ligada ao Departamento de Saúde e Assistência Social do Reino Unido, disse que “as duas variantes parecem mais transmissíveis”, mas ressaltou que “ainda estão aprendendo” sobre a cepa “importada” da África do Sul.

Mercado Financeiro

A notícia trouxe inquietação para o mercado, levantando especulações sobre a possibilidade de algo pior estar por vir – o que, por consequência, aumentou a aversão ao risco e derrubou mercados ao redor do mundo. 

A pergunta que não quer calar: 
Qual a eficácia da atual vacina para essa nova forma do vírus?
Ainda serão necessários estudos, mas, até o momento, especialistas indicam que é pouco provável que a nova variedade da COVID-19 irá afetar a eficácia dos imunizantes em produção.

Da Redação O Estado Brasileiro
Fontes: órgãos de imprensa e instituições internacionais.

%d blogueiros gostam disto: