Boris Johnson aperta o bloqueio no Reino Unido, citando a versão de rápida disseminação do vírus

Ouça todas as matérias deste portal, seja em trânsito ou em outra ocupação.

OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

A variante é até 70 por cento mais transmissível do que as versões anteriores, disseram as autoridades, embora alguns cientistas estejam céticos. Pessoas no sudeste da Inglaterra, incluindo Londres, foram orientadas a ficar em casa.

Reino Unido Boris Johnson / Foto de Pippa Fowles

LONDRES – Alarmado por uma variante de rápida disseminação do coronavírus, o primeiro-ministro Boris Johnson inverteu abruptamente o curso no sábado e impôs um bloqueio por atacado em Londres e na maior parte do sudeste da Inglaterra, proibindo as reuniões de Natal fora das famílias.

A decisão, que Johnson anunciou após uma reunião de emergência de seu gabinete, veio depois que o governo obteve novas evidências de uma variante detectada pela primeira vez há várias semanas no sudeste da Inglaterra, que o primeiro-ministro afirmou ser 70% mais transmissível do que a anterior versões.

As novas medidas, que entram em vigor no domingo, têm como objetivo isolar a capital e os condados vizinhos do resto da Inglaterra. Essas são as medidas mais severas que o governo britânico tomou desde que impôs um bloqueio ao país em março, e refletem o temor de que a nova variante possa sobrecarregar a transmissão do vírus quando o inverno chegar.

“Quando o vírus muda seu método de ataque, devemos mudar nosso método de defesa”, disse um sombrio Johnson no sábado. “Temos que agir de acordo com as informações que temos, porque agora elas estão se espalhando muito rápido”.

Mutações virais não são incomuns, e as autoridades britânicas disseram que essa variante foi detectada em um punhado de outros países, sem nomeá-los. Mas os especialistas médicos do governo expressaram alarme sobre sua aparente infecciosidade, observando que agora é responsável por mais de 60 por cento das novas infecções relatadas em Londres.

Outros cientistas alertaram que a rápida disseminação da variante não significa necessariamente que ela seja mais transmissível, o que só pode ser determinado com certeza por meio de experimentos de laboratório e outros tipos de análise. Sua prevalência, eles disseram, pode ser resultado de outros fatores.

Quaisquer que sejam as características da mutação, é claro que a Grã-Bretanha enfrenta uma crise crescente, ao mesmo tempo em que lança um programa de vacinação em massa. Em todo o país, o ritmo de novas infecções quase dobrou em menos de duas semanas, ultrapassando a maior parte da Europa Ocidental, embora permaneça bem abaixo da taxa per capita dos Estados Unidos.

Especialistas em saúde pública disseram que a nova variante reforça a urgência de apertar as restrições para tentar eliminar o vírus por completo, já que novas mutações são um fenômeno recorrente.

“A eliminação é cada vez mais ideal”, disse Devi Sridhar, chefe do programa global de saúde pública da Universidade de Edimburgo. “Mais vírus circulando significa mais variantes e mutações”.

A reversão abrupta de Johnson veio após uma reunião do subcomitê do gabinete na sexta-feira, na qual membros do painel consultivo científico do governo apresentaram evidências de que as novas infecções quase dobraram em Londres na semana passada e que a nova variante foi responsável pela maioria desses casos .

O principal conselheiro científico do governo, Patrick Vallance, disse não haver evidências de que essa versão do vírus seja mais letal ou mais resistente às vacinas do que outras. Mas Vallance, um médico e pesquisador médico, disse que os cientistas identificaram 23 mudanças na nova variante, um número incomumente grande, incluindo várias na parte do vírus que o liga a outras células. Isso, disse ele, pode aumentar sua transmissibilidade.

A transmissão mais rápida significaria mais casos, o que levaria a mais hospitalizações e mortes. O governo informou que notificou a Organização Mundial da Saúde sobre a prevalência da nova variante.

“Esse vírus se espalha mais facilmente”, disse Vallance, ao flanquear Johnson, “e, portanto, são necessárias mais medidas para mantê-lo sob controle”.

A nova zona de bloqueio inclui toda a Grande Londres e grande parte do sudeste do país, uma área densamente povoada que abrange quase 20 milhões de pessoas, um terço da população da Inglaterra. As restrições permanecerão em vigor por pelo menos duas semanas e serão revistas em 30 de dezembro.

O governo disse às pessoas para ficarem em casa, exceto para viagens urgentes, consultas médicas e exercícios ao ar livre. Aqueles que estão fora da zona foram aconselhados a não viajar para ela e os que estão dentro não terão permissão para viajar para fora durante a noite. Viagens ao exterior são fortemente desencorajadas. Lojas não essenciais serão fechadas, assim como academias, cinemas, cabeleireiros e salões de manicure.

Embora Johnson tenha dito há poucos dias que seria “desumano” cancelar o Natal, esse será o efeito prático para grande parte do país. Um plano para permitir que até três famílias se encontrem durante o feriado será cancelado em Londres e no sudeste, sem nenhuma combinação permitida.

Em outro lugar, três famílias terão permissão para se reunir, mas apenas no dia de Natal, e não pelo período prolongado de cinco dias prometido.

O anúncio de Johnson foi uma admissão de que o sistema de restrições existente na Inglaterra, sob o qual o país era dividido em três “camadas” com regras diferentes, não foi suficiente para controlar a disseminação do vírus. O bloqueio recém-anunciado constituirá um novo e mais difícil quarto nível.

Johnson tem autoridade legal para endurecer as regras por conta própria, e não há planos de destituir o Parlamento. Mas o anúncio provocou uma reação imediata dos líderes da oposição e até mesmo de membros de seu próprio Partido Conservador.

“Milhões de famílias em todo o país ficarão com o coração partido por esta notícia, tendo seus planos para o Natal destruídos”, disse Keir Starmer, o líder do Partido Trabalhista, à BBC. “Estou realmente frustrado porque levantei isso com o primeiro-ministro na quarta-feira e ele descartou isso e continuou dizendo às pessoas para terem um ‘pequeno Natal’ apenas três dias depois para destruir seus planos.”

Mark Harper, que preside um grupo de legisladores conservadores que têm criticado as medidas de bloqueio, disse: “Essas mudanças também devem ser submetidas a votação na Câmara dos Comuns na primeira oportunidade, mesmo que isso signifique uma retirada da Câmara”.

O coronavírus sofreu mutações muitas vezes desde que surgiu pela primeira vez na China em 2019, de acordo com epidemiologistas. Na sexta-feira, a África do Sul informou que identificou uma variante que afirma estar causando uma nova onda de infecções no país. Cientistas disseram que era diferente do identificado na Grã-Bretanha.

A maioria dessas variantes não é significativa ou difundida. Mas à medida que aumenta o número de pessoas que foram infectadas – e, presumivelmente, desenvolveram alguma imunidade -, a pressão sobre o patógeno para sofrer mutação também aumenta. Algumas das novas variantes podem ser mais transmissíveis ou levar a doenças mais graves do que as versões anteriores do vírus.

Durante meses, Johnson lutou para equilibrar sua resposta ao vírus com a pressão para não prejudicar ainda mais a economia. Às vezes, ele ficou atrás de outros líderes europeus na imposição de restrições. Em outros momentos, ele pareceu resistir aos conselhos dos assessores científicos de seu próprio governo.

A Grã-Bretanha relatou 27.052 novos casos e 534 mortes no sábado. O número de mortos no país devido à pandemia é o mais alto da Europa. Johnson apontou o lançamento de uma vacina, que a Grã-Bretanha aprovou e começou a administrar antes dos outros países ocidentais, como um raio de esperança. Ele disse que 350.000 pessoas no país receberam a primeira dose da vacina Pfizer-BioNTech, que é um regime de duas doses.

Mas, com o enfraquecimento da economia, os bloqueios tornaram-se politicamente tensos. Quando o governo colocou Manchester, Liverpool e outras cidades do norte, onde as taxas de infecção eram mais altas, em um nível mais restrito, as autoridades locais reclamaram que estavam sendo alvos injustos. A vida em Londres, eles notaram, permaneceu praticamente inalterada.

Na semana passada, em meio a sinais de que Londres havia se tornado um novo ponto quente, Johnson colocou a capital e a maior parte do sudeste no Nível 3, o nível mais alto de restrições. Mas ele se agarrou à promessa de um adiamento do Natal de 23 a 27 de dezembro, mesmo implorando às pessoas que mantivessem as reuniões familiares breves e pequenas.

“Tenha um pequeno Natal feliz”, disse Johnson na semana passada, anunciando as meias medidas, “mas este ano, infelizmente, de preferência um Natal muito pequeno”.

Com as restrições draconianas anunciadas no sábado, as festas de Natal na Inglaterra ficarão ainda menores.

Da Redação O Estado Brasileiro
Fonte: NYT com Mark Landler e Stephen Castle
Mark Landler e Stephen Castle

%d blogueiros gostam disto: