Bolsonaro e Pazuello devem explicações à Justiça sobre suposta censura

Ouça esta matéria, enquanto estiver em trânsito ou fazendo outra coisa!

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), têm cinco dias para se manifestarem após determinação do juiz Evandro Reimão dos Reis, da 10ª Vara da Justiça Federal da 1ª Região, por caso de censura na pasta do governo. O juiz requisitou ainda a manifestação do Ministério Público Federal (MPF).

A ação popular é de autoria do deputado federal Jorge Solla (PT-BA) que pede a interrupção imediata de medidas de restrição da liberdade de expressão imposta aos servidores do Ministério da Saúde e afirma, na peça, que servidores foram obrigados a assinar termos de confidencialidade, com ameaça expressa de prisão sob alegado descumprimento da Lei de Segurança Nacional.

Ele afirma que os servidores receberam, em suas caixas de e-mail, aviso de que suas redes sociais particulares seriam monitoradas, em documento assinado pelo Conselho de Ética do Ministério da Saúde.

“A função pública se integra na vida particular de cada servidor público e, por isso, os fatos verificados na conduta do dia a dia em sua vida privada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional”, dizia o documento do governo.

Solla aponta na ação que “houve a violação expressa da Carta Magna e as disposições da Lei de Acesso a Informação, uma vez que os Réus em ato manifestamente ilegal, com nítido desvio de finalidade, criaram ‘normas de comportamento’ dos servidores na pasta”.

Na opinião do deputado, a intenção de Bolsonaro e Pazuello era “coibir a divulgação de dados do Ministério”, especialmente aqueles relacionados ao coronavírus, conforme “orientação governamental, sob o pálio de identificar e punir severamente o servidor que se manifestar contrários a tais ideias antidemocráticos”.

É uma característica deste governo, a limitação de qualquewr manifestação que não seja a favor do mesmo.

Fonte: Veja, UOL, Folha

%d blogueiros gostam disto: