Bolsonarista Oswaldo Eustáquio é preso pela Polícia Federal

Ouça todas as matérias deste portal, em trânsito ou em outra ocupação.

OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

Bolsonaro incentivando atos antidemocráticos
(Photo by EVARISTO SA / AFP)

Trata-se de mais um dos agitadores que fomentaram atos antidemocráticos e fake news.

Eustáquio cumpria prisão domiciliar, porém violou as restrições impostas pelo STF, segundo documento assinado por Alexandre de Moraes, Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele foi preso na tarde desta sexta-feira pela Polícia Federal. A prisão preventiva ocorreu horas depois da determinação feita pelo ministro Moraes.

“A magistrada recebeu comunicação do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos noticiando que o monitorado agendou, naquele Ministério, reunião às 16h do dia 15/12/2020”, afirma o ministro do STF, citando a pasta comandada pela ministra Damares Alves.

“[Eu fui ao ministério] com autorização. Isso é abuso de poder. Nós vamos pedir a minha liberdade. Se eu não for ‘liberto’, nós vamos comunicar o Senado pelo abuso de poder”, disse Eustáquio, como sempre argumenta o agitador.

O ministro Moraes afirma que não houve essa autorização. “Esclarece a magistrada que não foi formulado nenhum pedido para deslocamento do monitorando nesse período, tampouco houve qualquer autorização por parte daquele juízo para o referido deslocamento.”

Foi detectado que o agitador manteve a tornozeleira desligada (sem bateria) por quatro vezes, no período da prisão domiciliar.

Seu histórico de violações já é conhecido

O blogueiro já havia sido alvo de mandados de prisão domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica e de busca e apreensão pela Polícia Federal. Na casa do bolsonarista, a PF apreendeu computadores, tablets, celulares e outros dispositivos eletrônicos.

Eustáquio foi preso temporariamente por dez dias em junho. Ele foi alvo da Operação Lume da PF, que investiga os organizadores de atos antidemocráticos, e é um dos principais suspeitos no inquérito das fake news no STF. Ao ser solto, Moraes estabeleceu ao bolsonarista proibições, como a determinação de não poder sair de Brasília, cidade onde mora, e não usar as redes sociais.

Porém, ele foi a São Paulo fazer um vídeo contendo fake news contra o candidato do PSOL à Prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos. O vídeo com informações falsas foi utilizado pelo candidato Celso Russomanno (Republicanos) para desferir acusações contra Boulos. O vídeo foi divulgado no mesmo horário em que acontecia o debate UOL/Folha. Após o fim do debate, Eustáquio foi desafiar Boulos, provocando discussão e atrito com o então candidato.

O agitador bolsonarista radical recebe apoio dos fanáticos ideológicos e vive a ilusão de que, com este apoio, poderá se lançar na política, segundo fontes.

Houve uma diminuição destes manifestantes radicais, mas ainda há muitos que trabalham sob comando dos organizadores responsáveis por mantê-los ativos, obedecendo todos os comandos como: promover o movimento antivacina, divulgação das fake news e tantas outras desinformações.

Da Redação O Estado Brasileiro
Fontes: UOL / Estadão

%d blogueiros gostam disto: