Bolsonarismo: uma nova síndrome

OUÇA ESTA E OUTRAS MATÉRIAS NO PORTAL 100% DIGITAL.

OPINIÃO –

O tal deputado Daniel Silveira é o mais fiel retrato do bolsonarismo levando em conta apenas as nuances. Mas, a grosso modo, o bolsonarismo é isso:

  • Ignorância do papel e função da política como forma de organizar e mediar a vida dos cidadãos em sociedade. Concebem a política como sendo um jeito de impor suas ideologias, seus costumes, seus meios agressivos a todos sem respeito a diferenças.
  • Indiferença total à qualquer questão que diga respeito aos Direitos Humanos.
  • Individualismo – Desconhecimento e indiferença pelos problemas que os circundam. Assim: “O problema do outro não diz respeito a mim. Nada tenho a ver com isso. Eles que resolvam ou que se danem!”
  • Negacionismo – atribuir a outrem um problema que é comum a todos e que os afeta também, mas é negado como se não pertencessem à mesma categoria de seres humanos. Para eles, o vírus foi fabricado na China e é uma gripezinha que pode ser evitada com cloroquina e ivermectina. Máscara é para maricas e covardes. E ponto final. Vacina ídem, sobretudo as que vêm da China, negando que a maioria delas ou todas elas , têm insumos trazidos da China.
  • Os demais poderes da República, para o bolsonarismo, deveriam estar subordinados ao Executivo e dobrar-se às vontades e decisões deste e sua caneta Bic, isso quando o eleito é o escolhido por eles. Caso não, essa regra não vale.
  • Quando discordam do que ocorre na vida pública, acham-se no direito de ” quebrar e arrebentar” , bastando ” um cabo e dois soldados” para fechar outras instituições cujas ações não estejam em consonância com seus interesses e desejos.
  • Acreditam que a Educação é algo perigoso e deve ser relegado ao esquecimento já que nas escolas só ensinam sobre sexo e comunismo, coisa que temem mais que tudo nessa vida, como se o comunismo ainda fosse algo comum nos dias de hoje e um regime implantado em muitos países do mundo, negando que já foi extinto só restando em ditaduras de dois países diminutos como Cuba e Coreia do Norte que representam risco ZERO para o mundo! Quanto à sexualidade, essa tem de ser totalmente camuflada e jamais explicitada.
  • Dizem que odeiam a corrupção do PT mas negam qualquer tipo de corrupção do líder máximo e seus filhotes e asseclas mesmo que os atos de corrupção saltem aos olhos a ponto de cegá-los. A única corrupção que vale é a dos antagonistas.
  • Têm um sintoma comum a todos sem exceção: se alguém aponta erros cometidos por mais graves e absurdos que possam ser, vem logo o comentário imediato: “Ain…mas O PT, o Lula, a Dilma…”, como se os crimes dos bolsonaristas fossem todos desculpáveis pelos crimes do inimigo mais temido de todos na face da Terra: Lula da Silva!

E tem mais, muito mais: a definição do que é o bolsonarismo, não está completa! Quem quiser que acrescente mais.

Fala sério! É preciso ser muito limitado politicamente falando e com uma visão de mundo muito pequena para ser bolsonarista.

Muitos que conheço são até boas pessoas mas têm muito medo da vida e acham que com Bolsonaro, conseguem ter controle sobre seus medos mais primitivos , representados pelo comunismo e pela tolerância às mudanças de costumes. A liberdade, para eles, é algo asfixiante, mais do que a falta de oxigênio dos doentes de Covid de Manaus.

É muito amedrontador! Precisam de um tresloucado como Bolsonaro para impedir os movimentos mais ousados da época atual e assim se sentirem seguros e em paz, sem os fantasmas do passado a atormentá-los.

O duro é que , ao fim e a cabo, o bolsonarismo é uma síndrome, uma doença que demanda tratamento como tantas outras a que estamos sujeitos, ou seja, “cada louco com sua mania”.
É assim que vejo!

Eliana França Leme
Psicóloga e colunista

Compartilhe nas suas redes!

Compartilhe nas suas redes!

%d blogueiros gostam disto: