31 anos de prisão para José Rainha – Um recado aos movimentos terroristas

Depois de dar tanto trabalho a proprietários rurais, José Rainha se torna um recado do Ministério Público às organizações terroristas travestidas de “movimentos sociais”.

O ex-líder do MST é acusado de 3 crimes pela Justiça Federal de Presidente Prudente (SP)

joserainha

Ex-líder do MST José Rainha

O ex-líder do MST, José Rainha Júnior, foi condenado a 31 anos e cinco meses de prisão pela 5ª Vara da Justiça Federal de Presidente Prudente, no interior de São Paulo. Ele é acusado pelos crimes de extorsão, formação de quadrilha e estelionato. A sentença também ordena o pagamento de multa. Também foi condenado Claudemir Silva Novais, cuja pena é de cinco anos e seis meses de prisão.

Leia também:
“A organização criminosa jamais teria operado sem Lula” – Rodrigo Janot
Lava Jato – MP denuncia Lula por atrapalhar investigações e tentar comprar silêncio de Cerveró
Dilma nas investigações da PGR iniciando uma série de processos criminais que enfrentará
Janot pede ao STF inclusão que liga Renan, Jucá, Lobão e Raupp a Belo Monte
Prisão de Lula – a 4ª. Vara Criminal SP remeteu o pedido a Sérgio Moro
Temer & Forças Armadas – próximo Ministro da Defesa passará pela aprovação do Alto Comando
Lava Jato – Portugal vai extraditar brasileiro citado em processo
General Sérgio Etchegoyen do Alto Comando assumirá a Inteligência – GSI – que Dilma extinguiu e Temer recriará

Em 2011, Rainha foi investigado pela Polícia Federal na Operação Desfalque, que descobriu um esquema de extorsão de empresas e desvios de verbas para assentamentos rurais. Os réus, no entanto, poderão recorrer em liberdade, pois conseguiram a concessão de habeas corpus.

O ex-lider do MST José Rainha Junior e seu companheiro e apoiador Lula

Os réus usavam trabalhadores rurais ligados ao MST como massa de manobra para invadir terras e exigir pagamentos de contribuições aos movimentos sociais, segundo a acusação do Ministério Público Federal (MPF). Uma das acusações é de que José Rainha teria cobrado e recebido R$ 50 mil e R$ 20 mil de duas empresas do agronegócio, respectivamente, para não invadir fazendas e queimar canaviais do Pontal do Paranapanema e da região de Paraguaçu Paulista.

Ainda de acordo com os promotores, o ex-líder do MST teria exigido R$112 mil de uma concessionária de rodovias a título de ajuda solidária. Com isso, praças de pedágio não seriam depredadas pelos sem-terra.

Um dirigente da Frente Nacional de Luta (FNL), o grupo dissidente liderado por Rainha, disse que o movimento “vai analisar a situação”. “Não descartamos uma manifestação de apoio a Rainha, vamos esperar um pouco”, comentou o dirigente, que pediu anonimato.

da Redação OEB
com Estadão conteúdo

%d blogueiros gostam disto: