STF homologa delação onde Lula é envolvido na tentativa de comprar o silêncio na Lava Jato

A presidente Dilma Rousseff pode ser um dos alvos deste possível inquérito

lula-dilma-pt-articulação

Lula e Dilma cada vez mais envolvidos em crimes nas delações

Assim como a situação narrada por Delcídio, o fato pode ensejar um inquérito por tentativa de tumultuar as investigações da Lava Jato – com Lula ou Dilma como investigados.

A procuradores da República do grupo de trabalho montado por Janot, Diogo Ferreira confirma também que Lula estaria por trás da tentativa de evitar uma delação premiada do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró.

STF homologa delação

Nos depoimentos, Diogo Ferreira confirma a colaboração feita pelo senador e ex-líder de governo, inclusive no ponto relativo à ofensiva do Planalto para tentar intervir na Operação Lava Jato

BRASÍLIA – O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou no último dia 14 a delação de Diogo Ferreira, ex-chefe de gabinete do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS), segundo fontes com acesso à investigação. Nos depoimentos, ele confirma a colaboração feita pelo senador e ex-líder de governo, inclusive no ponto relativo à ofensiva do Planalto para tentar intervir na Operação Lava Jato. Ferreira também confirma o envolvimento do filho do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na tentativa de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró.

O ex-chefe do Gabinete do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS), Diogo Ferreira Rodrigues,ao ser preso pela Operação Lava Jato

O ex-chefe do Gabinete do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS), Diogo Ferreira Rodrigues,ao ser preso pela Operação Lava Jato

Em delação premiada, Delcídio afirmou que o governo tentou intervir nas investigações da Lava Jato por meio do Judiciário. Segundo ele, a indicação do desembargador Marcelo Navarro Ribeiro Dantas para o Superior Tribunal de Justiça (STJ) teve intuito de determinar a soltura de executivos presos na Operação. O senador mencionou conversa com a presidente Dilma Rousseff na qual a petista solicita que o então líder do governo conversasse com Navarro, na época candidato à vaga no STJ, sobre o seu “compromisso”.Nos depoimentos à Procuradoria-Geral da República (PGR), Diogo Ferreira confirma que Navarro esteve ao menos três vezes no gabinete de Delcídio, que destinava ao desembargador atenção especial, e em uma conversa no “palácio presidencial”. O ex-chefe de gabinete do petista afirmou aos investigadores que sabia pelo senador que a indicação de Navarro tinha como objetivo a liberação de réus da Lava Jato de interesse do Planalto.Ferreira menciona ainda uma reunião entre o senador petista e o então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, sobre o assunto. O nome de Cardozo, atual advogado-geral da União e responsável pela defesa da presidente Dilma Rousseff no processo de impeachment, também é mencionado na delação de Delcídio.

Com base na delação de Delcídio, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, avalia a possibilidade de pedir a abertura de uma investigação pelo que classifica como “trama espúria” envolvendo a indicação de Navarro. A presidente Dilma Rousseff pode ser um dos alvos deste possível inquérito. A partir da homologação, a delação de Diogo Ferreira pode servir para reforçar eventuais pedidos de investigação.

Além do caso Navarro, a PGR analisa a conversa telefônica interceptada entre Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na qual os dois conversam sobre o “termo de posse” do petista na chefia da Casa Civil. Assim como a situação narrada por Delcídio, o fato pode ensejar um inquérito por tentativa de tumultuar as investigações da Lava Jato – com Lula ou Dilma como investigados.

 

Lula – A procuradores da República do grupo de trabalho montado por Janot, Diogo Ferreira confirma também que Lula estaria por trás da tentativa de evitar uma delação premiada do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró. Ele confirmou ter feito para entrega de dinheiro que seria destinado à família do ex-dirigente da estatal. Os valores eram recebidos em São Paulo e entregues na própria capital paulista ao ex-advogado de Cerveró, Edson Ribeiro, que participava da intermediação dos repasses à família.

O ex-chefe de gabinete de Delcídio relatou aos investigadores da Lava Jato que uma das entregas de dinheiro a ser repassada para a família de Cerveró foi feita por motorista a mando de Maurício Bumlai, filho do pecuarista e amigo pessoal de Lula.

O senador dizia ao assessor que a verba serviria para prestar apoio financeiro aos familiares do ex-diretor da Petrobrás, que estava com os bens bloqueados.  Em delação, Delcídio afirmou que Lula estaria preocupado com a possibilidade de Cerveró citar Bumlai em delação premiada.

Diogo Ferreira foi denunciado em dezembro pela PGR, ao lado de Delcídio, de André Esteves, do BTH Pactual, e de Edson Ribeiro por tentativa de atrapalhar as investigações da Lava Jato.

Além dos dois casos, Diogo Ferreira citou nos depoimentos colhidos no final há cerca de 20 dias o nome de parlamentares com mandato.

da Redação OEB
com Estadão conteúdo

Comentários no Facebook