Senado pede ao STF anulação de busca e apreensão no apartamento funcional de Gleisi Hoffmann

Numa visível tentativa de preservar a impunidade, mostrando que, entre os documentos que foram apreendidos, certamente, há muito o que compromete aqueles que consideram a ação ilegal e ilegítima, o advogado-geral da Casa (Senado Federal) argumenta que só o STF poderia autorizar cumprimento de mandado de busca e apreensão na residência funcional da senadora, mesmo com todas as provas evidenciais apresentadas na coletiva do Ministério Público Federal detalhando o esquema de corrupção que desviava milhões.
Utilizam-se de leis para que a Lei não seja cumprida.

gleisi

Senadora Gleisi Hoffmann

O Senado Federal recorreu hoje ao Supremo Tribunal Federal (STF) para anular os mandados de busca e apreensão cumpridos no apartamento funcional da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), durante Operação Custo Brasil, deflagrada na manhã desta quinta-feira em quatro estados e no Distrito Federal. Marido da petista, o ex-ministro do Planejamento e das Comunicações dos governos Lula e Dilma Rousseff Paulo Bernardo foi preso pela manhã no apartamento em Brasília.

Leia também:
Paulo Bernardo é preso e a esposa do presidiário tem sua situação ainda mais complicada
Apartamento de Gleisi, construído pela Camargo Corrêa é alvo de investigação da PF
Como Paulo Bernardo abastecia o PT com dinheiro sujo de desvios

PF faz limpa na sede Nacional do PT de São Paulo – busca e apreensão

Na petição, a advocacia do Senado sustenta que o juízo da 6ª Vara Federal de São Paulo, responsável pela operação, não poderia ter determinado o cumprimento dos mandados porque a residência funcional da senadora é extensão das dependências do Senado. Por essa tese, apenas o Supremo poderia autorizar esse passo da operação.

“Demonstra-se que houve grave imprudência – senão dolo – na decisão impugnada, que, com plena ciência acerca das repercussões da busca e apreensão para pessoa sujeita ao foro por prerrogativa de função perante o Supremo Tribunal Federal, ainda assim determinou essa diligência – em imóvel dos próprios do Senado Federal, sujeito, portanto, à imunidade de sede constitucional -, em clara violação à regra de competência constitucional do STF”, argumentou o advogado-geral do Senado, Alberto Caiscais.

Na decisão que permitiu a busca e apreensão de documentos no apartamento funcional, na casa do casal em Curitiba (PR), e a prisão de Paulo Bernardo, o juiz Paulo Bueno de Azevedo determinou aos agentes da Polícia Federal que, em função do foro privilegiado, eventuais provas encontradas contra a senadora fossem encaminhadas ao STF. No despacho, o magistrado também ressaltou que Gleisi não é investigada e, portanto, a busca no apartamento funcional não é óbice às investigações da primeira instância.

As suspeitas envolvendo “PB” surgiram na Operação Lava Jato e foram remetidas ao Supremo. Em setembro do ano passado, a Corte enviou a investigação para a Justiça de São Paulo, por entender que os fatos não fazem parte apuração da Lava Jato.

De acordo com a investigação, o ex-ministro Paulo Bernardo recebia recursos de um esquema de fraudes na gestão de empréstimos consignados no Ministério do Planejamento. Os serviços da Consist Software, contratada para gerir o crédito consignado de servidores públicos federais, eram custeados por uma cobrança de cerca de R$ 1 por cada um dos funcionários públicos que solicitavam o empréstimo. Desse montante, 70% eram desviados para empresas de fachada até chegar aos destinatários, entre eles o ex-ministro.

 

da Redação OEB
com Agência Brasil

 

Pela Web

Tendência: motores três cilindros (Autoesporte)
Moda masculina no ambiente profissional: 10 dicas para fazer bonito. (LinkedIn)
Treze coisas para não fazer no facebook (HubSpot)

Recomendados para Você

Polícia captura criminoso que controla maior esconderijo de traficantes do Rio
Com marido preso, Gleisi ataca Temer e diz que prisão é ‘desvio de foco’ para garantir impeachment

 

1 comentário

  1. Os Petralhas querem transformar os apartamentos do Senado Federal,em esconderijos de ladrões

Comentários no Facebook