«

»

Refugiados – Médicos sem fronteiras relata o caos

MSF adverte que novos fluxos de deslocados na Síria serão insustentáveis

Médicos Sem Fronteiras afirma que os acampamentos já estão lotados e muitas pessoas devem viver em descampados a temperaturas geladas por vários dias

Refugiados-SiriaA organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) advertiu nesta quarta-feira que as entidades humanitárias que prestam socorro alimentício, água e serviços mínimos de saneamento na Síria não têm capacidade para atuar frente aos novos fluxos de deslocados causados pela ofensiva das tropas do ditador Bashar Assad sobre Aleppo, no norte do país.

“Os acampamentos (de deslocados) não têm capacidade para receber mais pessoas. Existe o risco de que as pessoas, incluindo crianças pequenas e idosos, permaneçam vivendo em descampados a temperaturas geladas por vários dias”, disse a chefe da missão da MSF na Síria, Muskilda Zankada. Nessas circunstâncias se temem efeitos graves sobre a saúde dos deslocados, principalmente casos de pneumonia.

A organização humanitária, com sede em Genebra, disse que está prestando socorro aos deslocados que chegam ao distrito de Azaz, perto da fronteira com a Turquia.

Os que estão chegando a Azaz fazem parte do êxodo causado pela ofensiva das forças governamentais, apoiadas por bombardeios aéreos russos e milícias iranianas, sobre Aleppo, que antes da guerra civil era o principal centro econômico e industrial da Síria.

Essa cidade, a mais importante depois de Damasco, esteve partida entre áreas controladas por grupos rebeldes e pelo governo desde a primeira etapa do conflito, em 2011.

A nova ofensiva de Assad causou o deslocamento de pelo menos 50.000 pessoas, mas acredita-se que se os combates se tornarem mais intensos, várias dezenas de milhares de pessoas a mais poderiam fugir. A estimativa é que em Aleppo continuavam vivendo antes deste episódio cerca de 300.000 pessoas.

Agência EFE


Cerca de 15.000 refugiados estão bloqueados na fronteira da Síria com a Turquia

Os sírios deixaram a província de Aleppo após intensos ataques aéreos russos e ofensivas do exército de Bashar Assad

Mais de 15.000 refugiados sírios que fogem dos conflitos na província de Aleppo não conseguiram deixar o país, pois ficaram bloqueados na fronteira com a Turquia, informou a Organização das Nações Unidas nessa sexta-feira. Segundo a ONU, a fronteira está fechada pelo segundo dia, embora o governo turco tenha afirmado que está fornecendo abrigo e comida para os refugiados.

“Estima-se que um total de até 20.000 pessoas estão reunidas na passagem de fronteira de Bab al Salama e entre 5.000 e 10.000 foram levadas para a cidade (mais próxima) de Azaz”, também na província síria de Aleppo, indicou Linda Tom, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos humanitários (OCHA).

Os cada vez mais intensos ataques aéreos russos e as ofensivas do exército do regime sírio nos últimos dias levaram ao êxodo de dezenas de milhares de pessoas da província de Aleppo. Segundo o primeiro-ministro turco Ahmet Davutoğlu, mais de 70.000 pessoas devem deixar a área nos próximos dias, que está atualmente cercada pelas forças leais ao ditador sírio Bashar Assad. O exército sírio cortou todas as rotas que levavam suprimentos básicos até a província, ameaçando a região de um “cerco de fome”.

Após uma semana de bombardeios, considerados os mais intensos dessa guerra que já dura cinco anos, as forças da oposição no norte da Síria afirmaram estarem perdendo o controle sobre Aleppo. Agora, as forças leais a Assad controlam a maior parte da área norte da província. Segundo a ONU, durante a ofensiva no mês de janeiro, foram realizados treze ataques aéreos a instalações médicas.

Na última quinta-feira, na conferência organizada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em Londres para arrecadar fundos de ajuda humanitária à Síria, o primeiro-ministro britânico David Cameron admitiu que apenas o dinheiro não solucionará a catástrofe humanitária na Síria, por isso pediu um “urgente” esforço para encerrar o banho de sangue naquele país e permitir uma “transição política”.

A conferência se comprometeu a destinar mais de 10 bilhões de dólares (quase 40 bilhões de reais) aos refugiados sírios que fogem do conflito no país. “Nunca a comunidade internacional reuniu tanto dinheiro em um único dia para uma crise”, afirmou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ao término da reunião.

Link permanente para este artigo: http://oestadobrasileiro.com.br/refugiados-medicos-sem-fronteiras-relata-o-caos/

//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js

Deixe uma resposta