Reforma política relatada por um petista. Essa é a vontade de Rodrigo Maia

Maia afirma que o sistema proposto [lista fechada] é o mais barato, ignorando o alto preço que o Brasil deverá pagar pelo que ele defende.
O partido (ou facção) responsável pelas sujeiras que denegriram, ainda mais, a classe política é o escolhido por Maia para a relatoria da tão necessária reforma política.
Aos olhos do povo isso é motivo de grande preocupação, por se tratar de um integrante de uma organização criminosa relatando a reforma que determinará a forma do povo escolher seus representantes.
Rodrigo Maia enfrenta duras críticas que desgastam mais ainda a sua imagem.

Comissão Especial da Reforma Política deve ser instalada na próxima semana

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse, nesta quinta-feira, que a comissão especial que vai discutir a reforma política deve ser instalada na próxima semana.

Ele se reuniu com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, para tratar do tema.

Na próxima semana um grupo de senadores e deputados deve iniciar a discussão para uma proposta de sistema eleitoral.

“Eu espero que seja na próxima semana, eu acho que a gente precisa, foi o acordo que a gente fez com o Renan, criar um grupo de estudo para preparar um texto sobre sistema eleitoral para que a gente possa em novembro aprova-lo no plenário da Câmara.”

O Senado deve enviar à Câmara, em novembro, uma parte da reforma que inclui o fim das coligações para cargos proporcionais, como deputados, e uma cláusula de desempenho para que partidos tenham direito a recursos e funcionamento parlamentar.

Na comissão da câmara deve ser discutido o sistema eleitoral, que pode mudar do formato atual para a lista fechada ou o voto distrital. Na lista fechada o eleitor vota nos partidos já sabendo quem seriam os deputados eleitos por partido. O distrital dividiria os estados em regiões para eleger deputados.

Segundo Maia, sem financiamento privado das campanhas eleitorais, a solução da lista fechada é mais barata:

“Porque o voto em lista, além de ter bons exemplos na Europa, ele é mais barato. É uma eleição por estado. Ninguém pode negar que em vez de fazer 70 campanhas para deputado no Rio, você vai fazer uma de federal; e, em vez de 100 campanhas de deputado estadual, você vai fazer uma”

Rodrigo Maia adiantou que o relator da comissão que será formada na Câmara deve ser o deputado Vicente Cândido (PT-SP), mas o presidente do colegiado ainda não foi escolhido.

Comissão deve ser instaurada na próxima semana para discutir mudanças no sistema eleitoral

O presidente da Câmara defende a adoção de um sistema de lista fechada, onde o eleitor vota em uma lista de candidatos apresentada pelos partidos.

Maia está confiante na possibilidade de aprovação deste modelo, já rejeitado pela Câmara em outras votações. Segundo ele, o cenário atual, sem doações empresariais, contribui para um clima propício de aprovação da lista fechada.

— Da última vez, perdemos por dez votos e o ambiente é mais propício hoje porque não temos mais financiamento empresarial. Além de existirem bons exemplos na Europa, o custo das eleições é mais barato — disse Maia.

Segundo ele, enquanto o Senado discute o fim das coligações partidárias em eleições proporcionais e cláusulas de barreira, que permitirão a redução do número de partidos no país, a Câmara discutirá a mudança no sistema eleitoral. As duas propostas tramitarão em paralelo nas duas Casas.

— Aprova uma daqui e vai para lá e a de lá, vem para cá — disse.

Segundo o presidente da Câmara, se a decisão da comissão for pela lista fechada, terão que ser aprovadas regras para a distribuição dos recursos.

da Redação OEB
com Câmara Legislativa

Comentários no Facebook