O fracasso do socialismo determina semana de dois dias na Venezuela

Nicolás Maduro, o amigo declarado de Lula e Dilma, parceiros nos sonhos insanos da implantação do socialismo comuno-bolivariano na América Latina, nos dá a prova cabal do fracasso deste sistema destruidor.

venezuela-face-large

Venezuela – um país à mingua

Maduro decreta semana de dois dias para o funcionalismo público, eliminando a quarta, quinta e sexta-feira, mantendo somente os serviços essenciais.

A educação também sofre com isso, pois foi eliminada a sexta-feira no ensino médio e fundamental. Tudo em nome da economia de energia que coloca a população numa difícil posição, no desabastecido país onde tudo falta.

O povo sofre com quatro horas diárias sem energia elétrica.

A escassez de água sacrifica os 30 milhões de venezuelanos que já não tem mais remédios e produtos básicos.

O apagão do socialismo espalhou-se por toda a América Latina. No Brasil ele se apaga no próximo dia 12 de maio, quando finalmente estará afastada a pior presidente de toda a história das Américas.

Leia também:
O que exigir de Michel Temer? – Gen Paulo Chagas
Temer não vai interferir na Lava Jato e descarta nomes contrários à operação
General entra com representação contra deputados que exaltaram Prestes, Marighela e Lamarca
A calúnia de sempre – Gen Augusto Heleno
General pede que Dilma dê explicações sobre atentado em 68
Temer & Forças Armadas – próximo Ministro da Defesa passará pela aprovação do Alto Comando

A Venezuela pede socorro, enquanto seu presidente, desgovernando a nação, ainda ameaçou represálias, caso Dilma sofresse o “golpe” e fosse afastada pelo impeachment.

Maduro só esqueceu de avisar que os aviões e todo o investimento feito nas forças bolivarianas da Venezuela, não recebem manutenção há muito tempo por falta de recursos e seus modernos e poderosos caças não podem, sequer, decolar.

Um país tão falido que até mesmo o trabalho não é permitido pela total falta de condições básicas de sobrevivência, onde a semana não consegue ultrapassar os dois dias.

da Redação OEB
com AFP e Reuters

Comentários no Facebook