«

»

Lobão, Sarney, Gleisi e Collor podem ter sido beneficiados pelo esquema do diretor da Polícia do Senado ligado a Renan

O homem intocável ligado a Renan Calheiros – Pedro Carvalho – diretor da Polícia do Senado, comandava o esquema que beneficiou vários senadores e outros nomes devem ser anunciados no decorrer das investigações.

Renan Calheiros, que visivelmente se mostrou preocupado e nervoso com a prisão de Eduardo Cunha, agora deve se mostrar em pânico disfarçado, com mais um braço do esquema esfacelado, o que o fará se empenhar ainda mais no andamento do projeto Lei contra o abuso de autoridade.

Um dos beneficiados, Fernando Collor de Mello, foi recentemente acusado por 30 crimes de corrupção pela procuradoria, enquanto Lobão e Gleisi contaram com o rastreamento de escutas por parte dos policiais presos.
Enquanto isso, Renan Calheiros diz que Ministério Público e Polícia Federal devem “guardar seus limites”, com um discurso idêntico a todos os que se acham detentores de todo o poder.

Acompanhe em nosso portal o desenrolar de todas as investigações.

policiafederal

Presos nesta sexta-feira (21/10) pela Polícia Federal suspeitos de tentar obstruir investigações da Lava Jato, os quatros policiais legislativos teriam beneficiado senadores como Edison Lobão (PMDB-MA), o ex-presidente do Senado José Sarney (PMDB-AM), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Fernando Collor (PTB-AL). As informações são do Estadão e da Veja. Os parlamentares são alvos da operação que apura desvio de recursos da Petrobras.

Batizada de Métis, a ação deflagrada pela Polícia Federal nesta sexta foi divulgada em primeira mão pelo Metrópoles. Entre os policiais presos, está o diretor da Polícia Legislativa do Senado, Pedro Carvalho, além de Geraldo Cesar de Deus Oliveira, Everton Taborda e Antônio Tavares.

A senadora Gleisi admitiu, em nota, que, em junho deste ano, logo depois a operação de busca e apreensão realizada na casa dela em Brasília e em Curitiba, que resultou na prisão do marido, Paulo Bernardo, solicitou que o Senado que a Polícia Legislativa fizessem uma varredura eletrônica nos dois imóveis. Mas a senadora diz que tudo foi feito dentro das “atribuições legais.” “Fiz o pedido formalmente. Tem processo no Senado com autorização formal para isso.”

Operação Métis
De acordo com a PF, durante a Métis, que faz referência à Deusa da Proteção, foram cumpridos nove mandados judiciais, todos em Brasília, sendo quatro de prisão temporária e cinco de busca e apreensão, um deles nas dependências da Polícia do Senado. Os mandados foram expedidos pela 10ª Vara Federal do Distrito Federal, a pedido da Procuradoria-Geral de República (PGR).

Os investigadores tiveram provas de que o grupo, liderado por Pedro Carvalho, tinha a finalidade de criar embaraços às investigações da PF. De acordo com as apurações, os policiais faziam um trabalho de contra-inteligência, com o objetivo de desmontar interceptações telefônicas tanto no Senado como em casas de parlamentares.

O diretor da Polícia Legislativa  é ligado ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e considerado intocável na Casa. Está à frente da Polícia Legislativa há mais de uma década. Além do Congresso Nacional, buscas e apreensões foram feitas nesta sexta nas casas dos suspeitos em algumas regiões do DF, como Águas Claras.

Link permanente para este artigo: http://oestadobrasileiro.com.br/lobao-sarney-gleise-collor-podem-ter-sido-beneficiados-pelo-esquema-do-diretor-da-policia-do-senado-ligado-a-renan/

//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js

Deixe uma resposta