«

»

Lava Jato: Dilma, Lula e Temer – fortes candidatos previamente eleitos

lavjatoA inclusão na investigação da quadrilha não significa que Dilma, Lula e Temer estão sendo acusados, mas os colocam no epicentro do crime que, por sua vez, serão incluídos como réus no andamento do processo investigatório, conforme as provas coletadas, que por sua vez, abrirão todos os precedentes necessários
O fato é que Dilma e Lula, tão logo seja formalizado o impeachment e o STF delibere sobre a permissividade de Lula ocupar um ministério, ambos estarão fora do alcance da blindagem que hoje gozam – Dilma pela imunidade e Lula por não ter sido julgado a nomeação. Depois dessa liberação, a Lava Jato promete mais boas manchetes para os ansiosos jornalistas

Leia também:
Dilma tratou diretamente com Delcídio a liberação de OdebrechtProvas incontestáveis do chefe na corrupção – R$ 3,6 milhões a Instituto Lula e LILS Palestras
STF homologa delação onde Lula é envolvido na tentativa de comprar o silêncio na Lava Jato

Queixa-crime contra Dilma e buscas em hotel de Lula
Lula intermediou obra na Venezuela – Lava Jato
“Todos os homens do presidente” – a Lava Jato prende mais um
Cassação da chapa Dilma & Temer pode ficar para 2017, afirma Gilmar Mendes
Dilma e a criminosa compra de votos denunciada

Menções de Delcídio a Dilma, Lula e Temer são incluídas em investigação de quadrilha na Lava Jato

Decisão atende a pedido feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e não torna os três formalmente investigados pelo STF

BRASÍLIA – O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta quarta-feira, 20, que trechos da delação do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS) sejam incluídos no inquérito que tramita desde março do ano passado perante a Corte e investiga a formação de quadrilha para atuação no esquema de corrupção na Petrobrás. Teori autorizou a juntada de cinco termos de depoimento do petista, nos quais são citados, entre outras autoridades, a presidente Dilma Rousseff, o vice-presidente Michel Temer e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O vice-presidente Michel Temer (PMDB), a presidente Dilma (PT) e Lula (PT), em 2014

O vice-presidente Michel Temer (PMDB), a presidente Dilma (PT) e Lula (PT)

Ao pedir a juntada dos depoimentos de Delcídio ao inquérito, a Procuradoria-Geral da República aponta que a delação do senador foi um “inovador acordo” de colaboração premiada. Até agora, as delações faziam parte dos núcleos financeiro, administrativo ou econômico do esquema, mas Delcídio avançou sobre o núcleo político.

De acordo com a PGR, fazem parte do núcleo administrativo que colaboraram com as investigações o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa e o ex-gerente executivo da estatal Pedro Brausco. O núcleo econômico tem os executivos Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia, Eduardo Hermelino Leite e Dalton Avancini, ex-vice e ex-presidente da Camargo Corrêa respectivamente. Já o núcleo financeiro contou com delações do doleiro Alberto Youssef e de seu funcionário Rafael Ângulo.

Citações
Foram juntados ao inquérito sobre quadrilha cinco termos dos 21 que compõem a delação de Delcídio. O primeiro deles trata da “nomeação de Néstor Cerveró para a diretoria internacional da Petrobrás” e da “ingerência da presidenta Dilma Rousseff para a nomeação de Nestor Cerveró para a diretoria financeira da BR Distribuidora”, expressões usadas na própria delação.

No depoimento, Delcídio afirmou que em 2003 começaram as discussões sobre quem seriam os diretores da Petrobrás no primeiro governo Lula. Nesse contexto, mencionou que Dilma “tinha relação” com Nestor Cerveró, com Rodolfo Landim e com Graça Foster em razão da atuação como secretária de energia no Rio Grande do Sul. Segundo ele, Lula já tinha o nome de Cerveró para a Diretoria Internacional e “e inclusive Dilma, como então Ministra das Minas e Energias também estava de acordo”.

Delcídio narra no depoimento que o PMDB passou a ter força na Petrobrás após o escândalo do mensalão ter sigo revelado, pois o governo Lula precisava do apoio do partido para governar. A partir daí, disse Delcídio, o partido passou a ter influência sobre Cerveró na estatal. Segundo Delcídio, a influência junto ao diretor permitia que os dirigentes atendessem demandas do partido, como doações e “objetivos não republicanos”. No mesmo depoimento, Delcídio diz que Temer chancelou a indicação de Jorge Zelada para a Diretoria Internacional da Petrobrás, após ter avalizado a indicação de João Augusto Henriques, barrado por Dilma.

“No que tange ao desvio de verbas em favor do PMDB, o possível esquema de financiamento ilícito desse e de outros partidos constitui um dos objetos do inquérito 3989. Desta feita, por ora, basta juntada de cópia do termo a esse inquérito”, escreveu Janot, para justificar o pedido.

Outros termos de depoimento juntados à investigação sobre quadrilha tratam de aquisição de etanol na BR Distribuidora, propina na aquisição de sondas e plataformas na gestão de Joel Renó na Petrobrás, que foi de 1999 a 2001 e CPI do Cachoeira.

Link permanente para este artigo: http://oestadobrasileiro.com.br/lava-jato-dilma-lula-e-temer-fortes-candidatos-previamente-eleitos/

//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js

Deixe uma resposta