maio 03

Dilma nas investigações da PGR iniciando uma série de processos criminais que enfrentará

Dada como certa e irreversível a queda de Dilma e sua inevitável passagem para o banco dos réus, a PGR trabalha na seleção dos próximos a engrossarem as filas da Lava Jato, somando isso ao pedido de prisão de Lula que deverá ter seu despacho final logo após a confirmação do afastamento de Dilma Rousseff no próximo 12 de abril.

dilma12A Procuradoria-Geral da República (PGR) decidiu investigar a presidente Dilma Rousseff para verificar se houve crime na tentativa de nomear o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil e na indicação do ministro Marcelo Navarro para o Superior Tribunal de Justiça (STJ). O GLOBO apurou ainda que a PGR também quer investigar o ex-presidente Lula, no inquérito principal da Lava Jato, e o ministro da Educação, Aloizio Mercadante (PT). As investigações, no entanto, dependem de autorização prévia do ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal

Leia também:
Prisão de Lula – a 4ª. Vara Criminal SP remeteu o pedido a Sérgio Moro
Aécio deve depor em até 90 dias a pedido de Janot
STF – Gilmar Mendes suspende os R$ 100 Milhões da farra presidencial
Temer não vai interferir na Lava Jato e descarta nomes contrários à operação
Dilma e PT admitem afastamento e o plano é sabotar e manter a ingovernabilidade
Lava Jato – “Lula está na cadeia de comando do petrolão”, afirma procurador
Sabedor de todo esquema, Temer se inspira em Sérgio Moro
A Lava Jato reúne mais indícios contra Gleise – Delator transportou propina para sua campanha ao senado

A apuração sobre a conduta da presidente Dilma seria por embaraço às investigações sobre organização criminosa. A decisão em favor das investigações de Lula, por sua vez, tem como base a delação premiada do senador Delcídio Amaral (Sem partido-MS) e as gravações de conversas entre Lula e aliados, entre eles a presidente. As gravações foram realizadas pela Polícia Federal em inquérito oficiado pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Em uma das conversas, Dilma fala com Lula sobre a posse do petista na Casa Civil. A presidente diz que enviará o termo de posse por um emissário e que Lula só deveria usar o documento em caso de necessidade. A equipe de procuradores responsável pelas investigação da Lava Jato em Brasília considerou a conversa comprometedora. Dilma estaria tentando promover Lula a ministro para, com isso, tirá-lo do alcance das investigações da força-tarefa do Ministério Público Federal sobre ele e outros dirigentes do PT. Para investigadores, poderia estar configurada na ação da presidente uma tentativa de embaraço às investigações da organização criminosa.

Contra a presidente, pesou também na decisão da PGR um dos depoimentos em que Delcídio acusa Dilma de nomear Marcelo Navarro para o STJ com a missão de tirar da prisão o ex-presidente da Odebrecht Marcelo Odebrecht, detido em Curitiba desde o ano passado.

Quanto a Mercadante, a decisão pela investigação tem como base uma conversa com um assessor de Delcídio Amaral, na qual o ministro pergunta o que poderia fazer para ajudar a família do senador que, naquele momento, estava preso e prestes a assinar um acordo de delação premiada. Para os investigadores, Mercadante estaria interessado em demover Delcídio da delação.

Delcídio não apresentou provas da acusação, mas procuradores consideram necessário colocar a questão em pratos limpos. A assessoria de imprensa da PGR disse que não confirma a informação de que houve decisão pelas investigações de Dilma, Lula e Mercadante.do sem autorização.

da Redação OEB
com Globo.com
%d blogueiros gostam disto: