Category: Turismo & Lazer

jul 25

Delegação da ABIN, na França, recebe informações

Delegação da ABIN, na França, recebe informações sobre atentado em Nice
Diretor de Contraterrorismo da Agência destacou serem valiosos os dados fornecidos ao Brasilabin-predio

A ABIN enviou nesta semana à França uma delegação de servidores da área de Contraterrorismo para receber informações detalhadas sobre o ataque ocorrido em Nice e as medidas adotadas pelo país nas investigações. O diretor de Contraterrorismo da Agência, Luiz Alberto Sallaberry, e coordenador de análise de Inteligência compuseram a delegação.

Os representantes da ABIN reuniram-se com os serviços de Inteligência franceses no período de 19 a 21 de julho.

 

Diretor de Contraterrorismo da ABIN, Luiz Alberto Sallaberry

Diretor de Contraterrorismo da ABIN, Luiz Alberto Sallaberry

Lobos solitários

Em entrevista coletiva concedida ontem na França, o diretor afirmou serem valiosas as informações recebidas e falou sobre a atenção da Inteligência à atuação de lobos solitários.

“Os lobos solitários são uma tendência mundial. Em diversas áreas do mundo onde se discute estratégia e evolução do fenômeno terrorista hoje se coloca essa questão como principal desafio das autoridades de Inteligência e segurança”, afirmou a jornalistas.

“O modus operandi do terrorismo é diverso e se modifica dramaticamente de um ato para outro. É por isso que conhecer as experiências em outros países facilita o nosso processo de identificar novas possibilidades de execução de atos dessa natureza”, avaliou Sallaberry.

da Redação OEB
com Agência Brasileira de Inteligência

jul 25

Contratos com Stock Car usados por empreiteiros para lavar dinheiro do petrolão

Segundo delatores da Operação Lava Jato, Stock Car era usado por empreiteiros para lavar dinheiro no âmbito do petrolão, através de contratos de patrocínio na principal categoria do automobilismo brasileiro

stock-car

Segundo a edição desta segunda-feira do jornal Folha de S. Paulo, eles afirmaram, em depoimentos de colaboração premiada, que os valores passavam pelo empresário Adir Assad.

Assad, que já foi condenado na Operação Lava Jato, é dono de uma empresa de marketing que atua na categoria, a Rock Star. Além disso, é o principal parceiro de uma escuderia em uma divisão de acesso da modalidade.

Leia também:
Justiça aplica medidas cautelares contra dono do grupo Dimensão Engenharia e outros oito indiciados na Operação Lilliput
Operação Uroboros: MPF/MS denuncia cinco por fraudes em registro de indígenas no INSS
Sérgio Moro rasga o verbo: “Grampos justificam prisão de Lula”
MPF/RJ cobra transparência em gastos com Jogos Olímpicos de 2016
Membros do Judiciário pedem que Maia acelere votação de medidas anticorrupção

Em seu acordo de colaboração, o empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da construtora UTC, disse que um dos meios de lavar o dinheiro usado para pagar propina era superfaturar os valores de patrocínio intermediados pela Rock Star. O dinheiro excedente era “devolvido” e usado para pagamentos ilegais de ex-diretores da estatal e políticos. Em uma das notas fiscais entregues à Justiça, consta um contrato de patrocínio firmado com a Rock Star no valor de 4 milhões de reais, por patrocínio e ações de marketing relacionadas ao piloto Allam Khodair na temporada de 2012.

Já Ricardo Pernambuco, sócio da Carioca Engenharia, também afirmou em delação que obtinha dinheiro em espécie para fazer os pagamentos ilícitos por meio de contratos simulados com Assad. Como prova, ele apresentou um contrato firmado com a Rock Star em 2009, no valor de 820.000 reais, para patrocinar o piloto Murillo Macedo Filho na categoria Stock Car Light.

O grupo Schahin, dono de banco e construtora, também fez pagamentos à Rock Star. As notas fiscais das remessas foram anexadas aos autos da 31ª fase da Lava Jato, deflagrada no início de julho. Ao todo, os valores somam 3,5 milhões de reais, que foram justificados como patrocínio para a J. Star Racing, equipe associada a Assad que competia na categoria Copa Montana. O responsável pela escuderia é Murillo Macedo.

Outro patrocinador do time de corrida era o banco Trandbank, que foi investigado neste ano na CPI dos Fundos de Pensão por prejuízos na gestão de recursos de funcionários da Petrobras e dos Correios. Uma quebra de sigilo da Rock Star na Lava Jato mostrou que o Trandbank foi o maior financiador da firma de Assad, com pagamentos de 28 milhões de reais, entre 2007 e 2013 – 13% do total recebido pela empresa desde a sua fundação.

À Folha, o empresário Adir Assad disse que está desligado da firma Rock Star desde 2007 e negou ter operado propina. O Grupo Schahin disse apenas que está prestando todos os esclarecimentos às autoridades. Procurado, o Trandbank não foi localizado.

Já a direção da Stock Car afirmou que as construtoras alvos da Lava Jato nunca patrocinaram institucionalmente a categoria, mas equipes privadas.

Os pilotos patrocinados pelas empreiteiras por meio da Rock Star disseram que possuíam um acordo no qual a firma ganhava o direito de explorar o espaço de publicidade nos carros e nos macacões. Dessa forma, a empresa de Assad assumia a responsabilidade de providenciar patrocinadores.

da Redação OEB
com Folha de São Paulo
e Veja.com

maio 04

REAÇÃO DEMOCRÁTICA 001- 4 de maio ao vivo

Assista, Participe e Compartilhe!

HANGOUT ao vivo – 04 de maio às 21:00h – ACERVO

REAÇÃO DEMOCRÁTICA

reacao-democratica

Somos todos operários na obra de recuperação do Brasil

Pautas:

1 – O caso Bolsonaro – Ustra x Lamarca, Marighela…

2 – A montagem do governo Temer

3 – O comprometimento da sociedade no processo

4 – Tema aberto – proposto pelos debatedores

Presenças confirmadas:

– General Paulo Chagas

– Deputado Sóstenes Cavalcante

– General Luiz Sodré

– Dr. Paulo Fernando Melo Costa – Consultor Político

– Ray Alves – Empresária e ativista

– Jornalista Celso Brasil

Eventuais convidados

Transmissão simultânea pelas rádios da Rede Movimento

C O M P A R T I L H E !

 

maio 01

STF – Gilmar Mendes suspende os R$ 100 Milhões da farra presidencial

Ministro Gilmar Mendes STF

Ministro Gilmar Mendes STF

A irresponsabilidade de Dilma Rousseff e do PT, frustrados por não conseguirem cumprir sua cartilha que determinava a quebra total do Brasil, para facilitar a dominação e perpetuação no poder, chegou ao limite do aceitável em sua vexaminosa despedida do poder.

Num ato justo e digno de 200 milhões de aplausos, o Ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, determinou o bloqueio dos injustificáveis R$ 100 milhões que, irresponsavelmente, Dilma tentou direcionar para a publicidade do falido governo retirante.

 

“Diante deste momento sombrio, estamos nos deparando com todo tipo de práticas espúrias e ilícitas de nossos governantes, visando um único objetivo: a perpetuação do poder… flagrante desperdício de dinheiro público”
                                                                                                             Gilmar Mendes

Gilmar bloqueia os R$100 milhões para publicidade da presidência

Ministro do Supremo concede liminar pedida pelo Solidariedade para suspender crédito extraordinário para a Presidência da República

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes concedeu limiar barrando a liberação de crédito extraordinário de R$ 100 milhões para comunicação institucional e publicidade da Presidência da República. A decisão de Gilmar atendeu a uma ação direta de inconstitucionalidade apresentada pelo Solidariedade (SD).

A liminar suspende parcialmente a vigência de Medida Provisória, editada na última sexta-feira, que abria crédito extraordinário em favor da Presidência e do Ministério do Esporte, em um valor total de R$ 180 milhões. O ministro do STF suspendeu apenas o crédito destinado à Presidência da República, para comunicação institucional (R$ 85 milhões) e publicidade de utilidade pública (R$ 15 milhões). Os R$ 80 milhões para a pasta do Esporte foram preservados, para implantação de infraestrutura da Olimpíada e jogos Paraolímpicos Rio 2016.

“Nada está a indicar que essas sejam, de fato, despesas imprevisíveis e urgentes. São despesas ordinárias. Certamente, não se pode dizer que os gastos com publicidade, por mais importantes que possam parecer ao governo no quadro atual, sejam equiparáveis às despesas decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública, que compõem o parâmetro estabelecido no art. 167, § 3º, da Constituição”, diz o despacho.

Na decisão, Gilmar Mendes destaca que “a abertura do crédito extraordinário, fora das hipóteses constitucionais, fatalmente, acarretará dano irreparável ao erário”. “Não parece razoável supor que gastos com publicidade sejam imprevisíveis ou urgentes”, completa o ministro em seu despacho.

Sobre a suspensão de verba para o esporte com a aproximação das Olimpíadas

Com relação ao crédito extraordinário para o Esporte, Gilmar Mendes afirma que a “questão constitucional afigura-se mais delicada”. “Ainda que se possa discutir sobre a imprevisibilidade da despesa, uma vez que a data e as condições de realização de eventos esportivos do porte das Olimpíadas são há muitos anos conhecidos pelo Poder Público e até mesmo pela sociedade, não vislumbro ser hipótese de concessão da medida cautelar requerida. Isso porque a proximidade dos Jogos Olímpicos torna a urgência qualificada e não há nos autos elementos que permitam, em análise inicial, típica de providências cautelares, informar o caráter extraordinário do crédito, ainda que as condições para sua abertura possam ser resultado de má gestão”, afirma o ministro.

da Redação OEB
com agências de notícias

abr 22

Fim das restrições de viagens de cubanos pelo mar

Cuba Libre?
Sofrem mais um duro golpe, os frustrados pretensos ditadores latino americanos

Cuba pega uma carona na abertura que o capitalismo ofereceu e, até mesmo por questões de sobrevivência, começam a cumprir os acordos com os EUA
Embora não pareça, este acontecimento reforça a queda do comunismo bolivariano ou, “o grande exemplo da revolução cubana”, na qual inutilmente se embasaram aqueles que hoje sofrem a rejeição total de seus povos e, inclusive, impeachment

Cuba retira restrições para viagens de cubanos por via marítima

www.cubadebate.cu/AFP / OMARA GARCIA MEDEROS Presidente Raúl Castro em 18 de abril

O governo de Raúl Castro anunciou que nesta sexta-feira o fim das restrições para as viagens de cubanos por via marítima, vigente há décadas, uma proibição que mantinha em suspenso a retomada de cruzeiros entre os Estados Unidos e a ilha.

As medidas, que entrarão em vigor na próxima terça-feira, permitirão a entrada e saída de cubanos como passageiros e tripulantes de navios e cruzeiros, segundo uma nota oficial divulgado pelo jornal estatal Granma.

“O governo decidiu autorizar a entrada e saída de cidadãos cubanos, independente de sua condição migratória, na qualidade de passageiros e tripulantes de cruzeiro”, indicou o texto.

Cuba aceitou liberar as viagens marítimas como parte do processo de normalização das relações Estados Unidos iniciado em dezembro de 2014, e que alcançou seu máximo ponto com a histórica visita do presidente Barack Obama a Havana, em março.

Estas novas disposições, que se somam à retomada de voos comerciais entre os dois países -, permitirão em teoria destravar a anunciada retomada das viagens de cruzeiro.

“Histórica viagem” –

Após a decisão do governo cubano, a empresa americana Carnival confirmou nessa sexta-feira a “histórica viagem” de um cruzeiro de Miami para Cuba, o primeiro em meio século.

“A Carnival será capaz de viajar a ir e voltar de Cuba com passageiros que incluam pessoas nascidas em Cuba. Estamos muito orgulhosos de ser parte desta solução histórica”, disse em uma teleconferência o diretor da empresa, Arnold Donald.

Há uma semana a Carnival se encontrava em meio a uma turbulência política, por causa de protestos de cubano-americanos pela impossibilidade de poder comprar uma passagem de cruzeiro ao seu país de nascimento.

Com a onda de pressões, a Carnival chegou a anunciar que estava disposta a adiar seus cruzeiros a Cuba até que as autoridades em Havana eliminassem as restrições às pessoas nascidas em Cuba.

A suspensão anunciada pelo governo cubano, no entanto, permitiu à empresa retomar o plano previsto de iniciar seus cruzeiros a Cuba em 1º de maio.

CARNIVAL CRUISE LINES/AFP/Arquivos / Andy Newman (Arquivo) O cruzeiro Carnival Sunshine, da empresa americana Carnival, em um porto de Nova Orleans, no dia 18 de novembro de 2013

De acordo com Donald, os cubanos que emigraram para os Estados Unidos antes de 1º de janeiro de 1971 precisarão de um visto especial, e os que saíram do país após essa data poderão viajar com o passaporte cubano.

“Estas são as exigências para viajar por ar, e entendemos que as exigências para viajar em cruzeiro serão similares”, expressou o executivo.

“Temos certeza de que haverá pessoas nascidas em Cuba no cruzeiro, nessa primeira viagem”, acrescentou.

O navio Adonia (com capacidade para 704 passageiros) zarpará de Miami em 1º de maio, com paradas em Havana, Santiago de Cuba e Cienfuegos.

da Redação OEB
com Agência AFP

abr 21

Ciclovia de 45 milhões inaugurada há 3 meses desaba no Rio deixando ao menos 2 mortos

Somente depois de muitas investigações apresentarão um laudo. O processo, invariavelmente enfrentará blindagens que se tornaram “procedimentos normais”, como superfaturamento e utilização de materiais inadequados, além de cabides que colocam os apaniguados, sem levar em conta a especialização ou competência daqueles que deveriam ocupar cargos públicos de grande responsabilidade.
O novo Brasil nos custará, ainda, muito ativismo, cobranças e apoios às Leis que devem ser mudadas, para que os procedimentos se tornem adequados, como nos países mais sérios.

rio-de-janeiro-1Ciclovia de R$ 45 milhões desaba na zona sul do Rio e deixa ao menos dois mortos

Estrutura, inaugurada há três meses, foi danificada pelo mar; outras três pessoas teriam ficado feridas

RIO – Ao menos duas pessoas morreram no desabamento de um trecho da ciclovia Tim Maia, na Avenida Niemeyer, inaugurada em janeiro. A estrutura foi levada pela ressaca do mar de São Conrado, na zona sul do Rio de Janeiro. Eduardo Marinho Albuquerque, de 53 anos, e um homem de 45 anos, cuja identidade não foi divulgada, foram as duas vítimas. Outras três pessoas teriam ficado feridas. O corpo de Albuquerque foi identificado por um cunhado no local, que não quis dar entrevista. Os dois corpos foram localizados no mar de São Conrado por bombeiros e ainda estão na areia.

O pedaço arrancado pela água tem mais de 50 metros. A ciclovia é suspensa e junto ao mar. Está interditada, assim como a Niemeyer. Técnicos da Prefeitura ainda vão avaliar se há risco de outros desabamentos na ciclovia.

Ciclovia desaba na Avenida Niemeyer, zona sul do Rio

No início da tarde desta quinta-feira, a ciclovia Tim Maia, em São Conrado, desabou no Rio de Janeiro

O Corpo de Bombeiros ainda realiza buscas por desaparecidos na região, com helicópteros e mergulhadores. Uma terceira vítima também teria sido atendida, segundo o Corpo de Bombeiros. Ainda não há confirmação do estado de saúde ou da identidade das vítimas.

Um dos corpos foi encontrado no local. O outro, ainda de acordo com o Corpo de Bombeiros, estava na praia de São Conrado. Estão no local os secretários municipais de Defesa Civil, Marcio Costa, e de Transportes, Rafael Picciani, além do ex-secretário de governo, Pedro Paulo. As autoridades, entretanto, ainda não falaram com a imprensa sobre o acidente.

A ciclovia custou R$ 44,7 milhões, tem 3,9 quilômetros, 2,5 metros de largura, vai do Leblon a São Conrado e foi inaugurada pelo prefeito Eduardo Paes no dia 17 de janeiro, que usou um triciclo elétrico. Na ocasião, ele declarou que a obra tinha “um efeito de integração incrível, já que juntou o bairro do Leblon e São Conrado”, e que tinha potencial para servir de trajeto para pessoas que utilizam bicicleta para ir trabalhar. “É a ciclovia mais bonita do mundo”, ele disse, referindo-se à vista livre para o mar. O trecho inaugurado foi o da primeira fase do Complexo Cicloviário Tim Maia, que irá até a Barra da Tijuca.

Falta de planejamento. O engenheiro Antonio Eulálio Pedrosa, conselheiro do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea-RJ), acredita que o desabamento do trecho da ciclovia tenha sido motivado pela falta de planejamento adequado da obra. Em sua análise, tudo indica que não foi prevista a possibilidade de ressaca.

“Ela não estava preparada para esse impacto da onda. Não foi previsto no projeto. O cálculo foi correto, mas não se previu a força excepcional da onda, que levantou a estrutura”, avaliou Pedrosa.

da Redação OEB
com Estadão conteúdo