Categoria: Celso Brasil

Vídeo 005 General Heleno responde sobre Raposa Serra do Sol

General Heleno responde ao questionamento do General Rocha Paiva sobre a pressão internacional sobre a política indigenista brasileira e o caso Raposa Serra do Sol.

REAÇÃO DEMOCRÁTICA [#007] General Heleno Fala à Nação
Quarta, 15 de junho de 2016 às 21:00h ao vivo
Videoconferência com a equipe de O ESTADO BRASILEIRO
via Google Hangout com transmissão simultânea através
das rádios da Rede Movimento de Comunicação
Pauta:
– Amazônia
– Política indigenista
– Intervenção Militar
– Quadro político atual

Assista a vídeo conferência completa em:

acesse-o-arquivo
gen augusto heleno

 

Vídeo 003 General Rocha Paiva questiona a pressão internacional na política indigenista

General Rocha Paiva questiona a pressão internacional na política indigenista, citando a demarcação Raposa Serra do Sol.

REAÇÃO DEMOCRÁTICA [#007] General Heleno Fala à Nação
Quarta, 15 de junho de 2016 às 21:00h ao vivo
Videoconferência com a equipe de O ESTADO BRASILEIRO
via Google Hangout com transmissão simultânea através
das rádios da Rede Movimento de Comunicação
Pauta:
– Amazônia
– Política indigenista
– Intervenção Militar
– Quadro político atual

Assista a vídeo conferência completa em:

acesse-o-arquivo
gen augusto heleno

 

Vídeo 002 Gen Luiz Sodré – Se os poderes forem vilipendiados as Forças Armadas atualizam seus planos

General Luiz Sodré acrescenta que se os poderes forem vilipendiados as Forças Armadas atualizam seus planos.

REAÇÃO DEMOCRÁTICA [#007] General Heleno Fala à Nação
Quarta, 15 de junho de 2016 às 21:00h ao vivo
Videoconferência com a equipe de O ESTADO BRASILEIRO
via Google Hangout com transmissão simultânea através
das rádios da Rede Movimento de Comunicação
Pauta:
– Amazônia
– Política indigenista
– Intervenção Militar
– Quadro político atual

Assista a vídeo conferência completa em:

acesse-o-arquivo
gen augusto heleno

 

Vídeo 001 General Heleno esclarece porque não ocorre a intervenção militar

O General Heleno explica o porque do não emprego das Forças Armadas como alguns ativistas acreditam ser necessário.

REAÇÃO DEMOCRÁTICA [#007] General Heleno Fala à Nação
Quarta, 15 de junho de 2016 às 21:00h ao vivo
Videoconferência com a equipe de O ESTADO BRASILEIRO
via Google Hangout com transmissão simultânea através
das rádios da Rede Movimento de Comunicação
Pauta:
– Amazônia
– Política indigenista
– Intervenção Militar
– Quadro político atual

Assista a vídeo conferência completa em:

acesse-o-arquivo
gen augusto heleno

 

REAÇÃO DEMOCRÁTICA [#005] Quarta, 01 de junho às 21:00h – Videoconferência

Videoconferência com a participação de Generais, Parlamentares, analistas e jornalista.

Pautas:
1 – O recuo de senadores e mudança de votos no impeachment
O risco de permanência de Dilma na presidência
2 – Avaliação – Governo Temer em suas 2 primeiras semanas
3 – Tema livre proposto pelos participantes

Via Google Hangout e transmissão em tempo real pelas rádios da Rede Estado Brasileiro
Participação de membros da equipe REAÇÃO DEMOCRÁTICA de O ESTADO BRASILEIRO.
Equipe: Gen Paulo Chagas, Gen Luiz Sodré, Gen Rocha Paiva, Dra. Damares Alves, Dr. Paulo Fernando, Ativista Ray Alves, Jornalista Celso Brasil + convidados

reacao-democratica-700

Clique na figura e assista a videoconferência à partir das 21h desta quarta, 01 de junho AO VIVO

REAÇÃO DEMOCRÁTICA [#004] quarta, 25 de maio 21:00h (videoconferência)

Videoconferência – Generais, parlamentares e analistas políticos discutindo a retomada do desenvolvimento do Brasil através da democracia com a participação popular. Desafios Brasileiros
Transmissão via Google Hangout e através das rádios da Rede Movimento em tempo real.

ESTÚDIO BRASIL #002 – Segunda, 23 de maio às 21:00h

Neste 23 de maio realizamos mais uma videoconferência de toda segunda – ESTÚDIO BRASIL #002
Acertos, deslizes e ajustes do novo governo
Com: Lucia Felix, Ricardo Precioso, Ray Alves, Celso Brasil
e convidados
Transmissão simultânea pelas rádios da Rede Estado Brasileiro

EstudioBrasil-700.

Aguardamos você hoje às 21:00h

Cardozo cometeu crime de responsabilidade e sofre sindicância

jose_eduardo_cardoso

José Eduardo Cardozo – advogado-geral da União deposto por Michel Temer

A inversão de papeis cometida por José Eduardo Cardoso, quando Advogado Geral da União, defendendo a presidente afastada Dilma Rousseff em prejuízo da União, será objeto de sindicância sob a acusação de crime de responsabilidade.

Cardozo cometeu, sim, crime pela inversão de papéis (prática usual no PT), pois deveria ter assumido a posição exatamente contrária. Defendeu a acusada e deixou a União sem um representante na AGU no momento mais crítico da Nação.

Além disso, tentou travar o processo de impeachment através de recursos infundados, tomou tempo da comissão, perturbou a imensa maioria do congresso com seus discursos repetitivos, tentando convencer a todos com argumentos totalmente contrários à realidade e o mais grave – defendeu a tese do “golpe”. Suas “fundamentações” não obteriam êxito, sequer, com o mais leigo dos brasileiros e conseguiu apoio somente daqueles que fazem parte da mesma facção, no desespero natural dos que também serão condenados pelos inúmeros crimes que cometeram e estão sendo acusados.

Da mesma forma, Dilma responderá ao Supremo Tribunal Federal, pois já foi notificada, pelo seu discurso de “golpe”.

Fábio Medina Osório, o novo advogado-geral da União, tomou uma decisão acertada ao abrir a sindicância contra seu antecessor, no intuito de recuperar a imagem da AGU, seriamente afetada pelos atos deste que, agora, responderá pelo crime de responsabilidade que cometeu.

Chega de ineptos ocupando cargos em Brasília.

Celso Brasil

Leia também:
Dilma deverá esclarecer o termo “golpe” para o STF e isso abre um precedente

Governo abre sindicância para investigar conduta de Cardozo no processo de impeachment

Ao defender a tese de golpe de Estado contra Dilma Rousseff, ex-ministro cometeu crime de responsabilidade, avalia novo advogado-geral da União

Por: Robson Bonin

Principal defensor da presidente Dilma Rousseff no processo de impeachment, o ex-ministro José Eduardo Cardozo é formalmente investigado pelo governo do presidente interino Michel Temer. Na última quarta-feira (18), o novo advogado-geral da União, Fábio Medina Osório, que substituiu Cardozo no cargo, determinou a abertura de uma sindicância para apurar os atos do antecessor.

O principal argumento para a abertura da investigação é o fato de Cardozo ter sustentado formalmente perante o Congresso e o Judiciário a tese de que a presidente Dilma Rousseff estava sendo alvo de um golpe de Estado. Como a AGU tem entre as suas atribuições representar os interesses do Legislativo e do próprio Judiciário, na avaliação de Medina Osório, Cardozo jamais poderia ter usado o cargo para atentar contra a imagem dos poderes constituídos, acusando-os de participarem de uma conspirata contra o chefe do Executivo.

“A defesa de Cardozo foi criminosa. Esse discurso jamais poderia ter sido feito por um advogado da União. Ele acabou com a dignidade do órgão e cometeu crime de responsabilidade ao forjar o discurso do golpe”, diz Medina Osório.

Determinada a abertura da sindicância, os integrantes da comissão vão intimar formalmente Cardozo a apresentar defesa sobre os fatos investigados. O ex-ministro petista, que ainda atua como advogado da presidente Dilma Rousseff no processo que tramita no Senado, terá de prestar depoimento aos investigadores e poderá até ser alvo de ação por improbidade administrativa, ficando proibido de voltar a exercer cargos públicos.

Durante todo o período em que exerceu o cargo de advogado-geral da União, Cardozo ainda teria ignorado a agenda do órgão e concentrado seu trabalho apenas em defender a presidente.

Leia abaixo memorando da Advocacia-Geral da União:

Advogado-geral da União determina sindicância para investigar conduta de Cardozo
da redação OEB
com conteúdo Veja

Fim do MinC, para que a cultura pudesse sobreviver

arte-cultura1
por Celso Brasil

O MinC, criado em 1985 pelo então presidente José Sarney, foi, nos últimos anos, um grande esbanjador de verbas durante o falido governo PT, por ser um instrumento essencial na propagação da ideologia marxista.  Foram penalizados alguns que não mamaram, simplesmente, nessa rica fonte de dinheiro.

O Ministério da Cultura foi, sim, uma grande iniciativa e cumpriu seu verdadeiro papel em outras épocas.

Antes da era da corrupção, uma aprovação de projeto para a Lei Rouanet obrigava os envolvidos no projeto a procurar patrocínio e o doador de verbas gozava de um desconto no Imposto de Renda que tornava o incentivo à cultura algo vantajoso, pelo retorno institucional. Porém, na era PT, os artistas simpáticos ao regime e propagadores da mesma ideologia dos que detinham o poder, já saíam com o projeto aprovado e, no pacote, com uma estatal como doadora. Ou seja, não “suavam camisa” na busca de patrocinadores, como acontecia antes.

O Ministério da Cultura tornou-se um balcão de trocas, onde os projetos com viés bolivariano e que atendessem os ideais da inversão de valores e corrupção de princípios, com a doutrinação comuno-bolivariana, tinham sua aprovação e o patrocínio estatal já garantidos. Ou seja, seus propositores sequer se davam ao trabalho da penosa busca de patrocínio entre empresas privadas ou até mesmo a proposição às estatais. Tudo saía pronto e os idealizadores do projeto recebiam quantias muito além das necessidades do projeto.

O Brasil assistiu, estupefato, eventos “culturais” patrocinados com verba pública, que envergonharam a arte e promoviam um verdadeiro espetáculo dantesco de imoralidade. Enquanto projetos sérios e bem intencionados, expressando aquilo que a arte e a cultura se propõem, foram reprovados, sem nenhuma condição de serem levados à público. “Macaquinhos” foi apenas uma das vergonhas que se apresentaram. Outros, com mensagens, nada subliminares, de doutrinação marxista, foram largamente promovidos, recebendo uma enxurrada de dinheiro oriundo dos suados impostos dos brasileiros.

A solução encontrada pelo governo Temer foi o fim do ministério. Somente assim conseguiu-se a limpeza do mesmo para que os milhares de cabides de emprego se desfizessem, para uma futura reestruturação da pasta. Observa-se o mesmo com a EBC – Empresa Brasileira de Comunicação. O atual governo iniciou a assepsia  com a polêmica exoneração de seu diretor presidente. Uma bem estruturada empresa que se prestou ao serviço de doutrinação nos últimos longos anos.

Portanto, diferentemente do que se prega, a cultura no Brasil não morreu. Pelo contrário, ela estará sendo promovida da forma correta em breve tempo.

Para finalizar, o fim do MinC foi uma intervenção, onde se extingue uma estrutura doutrinadora corrompida, cortando o mal pela raiz, dando condições para a criação de um novo projeto com bases que permitirão o cumprimento do seu verdadeiro objetivo, livre da infiltração que se deu em quase todas as instituições aparelhadas pelo sistema que tentaram  implantar no País.

Hoje, nossa prioridade é a economia, para que amanhã possamos ter empresas sólidas, crescendo e se desenvolvendo, investindo na produção e criação de empregos e com plenas condições de promoverem a integração social e o incentivo à cultura.

Celso-Brasil-identificacao

Leia também:
Temer começa a limpeza exonerando Ricardo Melo, diretor-presidente da Empresa Brasil de Comunicação

Debate: OS NOVOS DESAFIOS BRASILEIROS – videoconferência – 16-mai-2016 21:00hs

Debate: OS NOVOS DESAFIOS BRASILEIROS
Estúdio: Celso Brasil – Ray Alves – José Lima – Lúcia Felix – Ricardo Precioso – convidados
Segunda, 16 de maio de 2016 – 21:00h – ao vivo, transmitido pelas rádios da Rede Estado Brasileiro e Google – ao vivo, via Hangout.
O programa permanecerá em acervo após sua apresentação.

Participe e compartilhe!
Realização: O ESTADO BRASILEIRO – www.oestadobrasileiro.com.br