Categoria: Abin

Jungmann diz que PF investigará empresários

Atualmente, no Brasil, só se investiga empresários, julga-se e reprime-se o povo e a máfia política é protegida pelos próprios.

Raul Jungmann – Ministro da Segurança Pública

 Enquanto Raquel Dodge (PGR) diz que bloqueio de estradas pode ser enquadrado em 4 crimes federeais, ‘duas dezenas de empresários’ serão investigados por locaute, diz Jungmann

Que a Justiça deixe de ser seletiva, levando em consideração o nível de influência dos que precisam ser justamente investigados, sejam políticos, apadrinhados coniventes ou qualquer outro que a contrarie.

“A utilização pelos patrões, distribuidoras para manter ou ampliar margens de lucro caracteriza locaute”, diz Jungmann

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse hoje que determinou à Polícia Federal se houve a participação dos empresários como incentivadores da greve dos caminhoneiros, iniciada na segunda-feira. Essa prática é conhecida como locaute, o que configura crime.

“A utilização pelos patrões, distribuidoras para manter ou ampliar margens de lucro caracteriza locaute, que, ao contrário da greve de trabalhadores que é um direito constitucional, é uma ilegalidade. Por isso pedi ao diretor da PF a abertura de inquérito para determinar se houver irregularidades”, afirmou Jungmann.

Segundo ele, já há duas dezenas de empresários sob investigação. “Temos a relação de duas dezenas de empresários que estão sendo investigados, e responderão, caso se comprove o locaute, por algumas das tipificações, como atentado contra segurança de serviço de utilidade pública, atentado contra segurança do  tranporte marítimo aéreo e fluvial, liberdade do trabalho e sofrimento da população brasileira e dos caminhoneiros.”

O ministro citou números da Polícia Rodoviária Federal para dizer que já há redução da greve. “Chegamos a ter 933 obstruções de rodovias, das quais 419 foram liberadas. Temos 519 interdições em andamento, nenhuma delas é total, todas são parciais, o que aponta para a adesão crescente dos senhores caminhoneiros aos termos do acordo que foi fechado pelo palácio e pela equipe coordenada pelo ministro Eliseu Padilha.”

da Redação OEB
com Veja – Abril

Polícia quer fechar prédios públicos unindo Exército e Abin em operação no dia 24

Gleisi fala em mortes no caso de prisão de Lula e Secretário da Segurança determina que Exército e Abin unem-se a um trabalho ostensivo da Polícia nas operações do dia 24, enquanto a Justiça Federal barrou acampamento do MST no julgamento de Lula no Tribunal da Lava Jato, em Porto Alegre. Em decisão liminar, o juiz Osório Ávila Neto acolheu requerimento em ação civil da Procuradoria da República e interditou o Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, proibindo no local conhecido como Parque da Harmonia instalações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra desde já e até três dias depois do julgamento do ex-presidente, marcado para o próximo dia 24.

Secretário de Segurança Pública integra polícias, Exército e Abin em operação no dia 24, quando TRF-4, em Porto Alegre, vai analisar recurso do ex-presidente

Veículo do Exército se desloca na região da sede do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, em Porto Alegre. FOTO: FERNANDO TEIXEIRA/FUTURA PRESS

A Secretaria da Segurança Pública do Rio Grande do Sul pediu o fechamento de todos os prédios públicos do Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, conhecido como Parque da Harmonia, no entorno da sede do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), em Porto Alegre. A 8.ª Turma Penal da Corte vai analisar, no dia 24, um recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O petista foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro, da Lava Jato em Curitiba, no caso do triplex no Guarujá (SP). A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), afirmou nesta terça-feira, 16, ao site Poder 360 que, “para prender Lula, vai ter que matar muita gente”. Em uma rede social, ela ainda bateu boca com o prefeito da capital gaúcha, Nelson Marchezan Jr. (PSDB).

A uma semana do julgamento, o esquema de segurança foi reforçado em Porto Alegre. O efetivo foi aumentado na área do tribunal. A Brigada Militar está de prontidão no local e equipes da Polícia Federal e até do Exército já estão em atividade. Estão previstas manifestações contra e a favor do petista.

O secretário Cezar Schirmer disse ao Estado que já pediu, por meio de ofício, a suspensão das atividades dos órgãos públicos instalados no parque. Incra, Receita Federal, IBGE e Serpro – empresa federal de processamento de dados – deverão fechar na véspera e no dia do julgamento. Ele afirmou também que já recebeu sinalização de que o pedido será atendido.

“A democracia pressupõe a convivência de contrários, respeito às divergências, então os contra e os a favor querem se manifestar, vão se manifestar democraticamente. Queremos protegê-los e proteger a população de Porto Alegre. Não queremos nenhum incidente violento, queremos respeito à ordem pública e à lei”, disse Schirmer.

Para unir as forças de segurança, foi montado o Grupo de Gestão Integrada (GGI) com corporações do Estado, da União e do município. O GGI agrega Brigada Militar, Polícias Civil, Federal, Rodoviária (Estadual e Federal), Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Exército, Marinha, Aeronáutica, Bombeiros e Defesa Civil. O grupo foi formado no início deste mês.

Uma reunião operacional do GGI definirá nesta quinta-feira, 18, a função de cada órgão e os acertos finais da operação. Schirmer disse também que 150 homens da Força Nacional de Segurança, que já atuam em Porto Alegre desde o ano passado, serão deslocados.

Umas da principais preocupações é com a chegada de manifestantes à cidade. Schirmer já recebeu representantes da Via Campesina, do Movimento Sem Terra (MST) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT) para tratar de segurança. Nesta quarta-feira, 17, ele vai se reunir com representantes de partidos de esquerda. Em São Paulo, CUT e Movimento Brasil Livre (MBL), contrário a Lula, disputam a Avenida Paulista e nesta quarta vão se reunir com a Polícia Militar.

‘Morte’. Em meio à preocupação com a segurança em Porto Alegre, a presidente do PT disse que, para cumprir um eventual pedido de prisão de Lula, haverá prisões e mortes. “Para prender o Lula, vai ter que prender muita gente, mas, mais do que isso, vai ter que matar gente. Aí, vai ter que matar”, afirmou Gleisi. Após a repercussão, ela tentou minimizar a declaração afirmando que usou uma “força de expressão para dizer o quanto Lula é amado pelo povo brasileiro”.

No Twitter, a petista se envolveu em outra polêmica. Ao criticar editorial do jornal O Globo, ela chamou Marchezan Jr. de “prefeito fake news” e classificou o texto de “chinfrim”. “Chinfrim é ser corrupto e nariz empinado. ‘Fake’ é a origem do patrimônio dos teus comparsas”, afirmou Marchezan Jr.

O clima é tenso, porém, sob controle, já que envolve Polícia, Exército, Abin e a torcida da imensa maioria do povo0 brasileiro apoiando as operações da Lava Jato.

da Redação OEB
com Estadão conteúdo e fontes

Moro, preocupado, diz a chefe da PF que ‘investigações importantes’ precisam ser concluídas

O Juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, recebeu neste dia 21, em Curitiba, delegado Fernando Segovia que reafirmou fortalecimento do combate à corrupção e ampliação do efetivo contra o crime organizado

O juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, disse nesta quinta-feira, 21, ao diretor-geral da Polícia Federal, delegado Fernando Segovia, que há ‘investigações importantes que precisam ser finalizadas’.

Moro recebeu Segovia em seu gabinete, na Justiça Federal de Curitiba, base e origem da Lava Jato. O delegado disse a Moro que sua intenção é fortalecer o combate à corrupção e ampliar a equipe de policiais na missão contra o crime organizado.

Segovia chegou a Curitiba na manhã desta quinta para a posse do novo superintendente da PF no Paraná, delegado Maurício Valeixo, que substitui Rosalvo Franco. A posse ocorrerá à tarde.

O diretor da PF e Moro tiveram uma conversa cordial e breve. O magistrado aproveitou para elogiar o trabalho da corporação.

Moro ressalvou sobre as ‘investigações importantes’ que precisam ser concluídas e que a equipe de policiais em Curitiba precisa ser significativamente ampliada.

A Lava Jato está na sua fase 47. Com base nas investigações da PF e nas denúncias da Procuradoria da República. o juiz Moro aplicou 129 condenações que somam mais de mil anos de pena a políticos, doleiros e empreiteiros.

Mas ainda há procedimentos em curso, inclusive sobre contratos e propinas ainda no âmbito do esquema de cartel e propinas na Petrobrás no período entre 2004 e 2015 – o ex-presidente da estatal petrolífera, Aldemir Bendine, e ex-diretores de áreas estratégicas foram presos.

Segovia, por sua vez, afirmou ao juiz da Lava Jato que planeja fortalecer as ações contra malfeitos e desvios de recursos públicos. Também está decidido a ampliar os quadros do setor que combate a corrupção e o crime organizado.

da Redação OEB
com Estadão conteúdo

Escolha o futuro que você quer para o Brasil – Gen Rocha Paiva

General da Reserva
Luiz Eduardo Rocha Paiva – 
O Brasil tem sido governado por uma abjeta máfia dirigente, disseminada por quase todos partidos do nefasto espectro político que envergonha o país. Seu poder de corrupção sempre existiu, mas aumentou geometricamente após a ascensão da esquerda radical, com seu populismo ideológico e embuste moral. Elas formaram a aliança que governou o país desde 2003, mas se desfez em 2016 com o processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Continue lendo

Detidos no vandalismo deste dia 13 no DF podem ser enquadrados na Lei Antiterrorismo

O ato foi, indubitavelmente, terrorista e exige uma dura reação das autoridades, além de uma reavaliação firme dos responsáveis pela segurança pública.

A investigação deve chegar nos responsáveis pela organização do que a mídia chamou de protesto, enquanto feriram policiais, civis, destruíram patrimônio público, colocaram em risco a vida de todos com coquetéis molotov, rojões…

Os vândalos empunhavam bandeiras da CUT e PT, o que não surpreendeu ninguém, já que se trata de duas facções comprovadamente criminosas.

Os movimentos sociais se preparam para cobrar dos órgãos responsáveis e das autoridades uma posição.

Num país onde a violência impera, deixar facções agirem livremente é, sem dúvida, uma grande irresponsabilidade.

Detidos em ato contra a PEC do Teto no DF deverão responder por crime

Protesto contra projeto que limita crescimento dos gastos públicos terminou com 72 presos em Brasília; em SP, para deputados, prisões têm caráter político

Milhares protestaram contra PEC do Teto em diversas capitais

A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal informou que 72 pessoas foram detidas durante a manifestação desta terça-feira, 13, contra a aprovação da PEC do Teto de Gastos. Parte dos presos poderá ser enquadrada com base na lei antiterrorismo, segundo o órgão.

Um grupo de manifestantes fazia vigília, na noite da terça-feira, em frente ao Departamento de Polícia Especializada, no Sudoeste de Brasília, onde estava a maioria dos detidos. Apenas advogados e um grupo de parlamentares foram autorizados a entrar no local.

A lei antiterrorismo foi sancionada em março pela então presidente Dilma Rousseff e teve como principal objetivo dar mais segurança à realização dos Jogos Olímpicos no Rio. A norma, porém, sempre foi vista com receio por movimentos sociais pela possibilidade de ser usada contra quem fosse preso durante manifestações.

Segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública do Distrito Federal, a manifestação foi pacífica até por volta de 17h – a PEC foi aprovada no 2º turno no Senado às 13h32. Depois disso, houve confronto entre manifestantes e policiais. Equipamentos públicos foram depredados e ônibus foram queimados. Houve corre-corre em vários momentos e pelo menos cinco PMs ficaram feridos.

Pela lei, pode ser acusado por crimes de terrorismo quem depredar ou incendiar meios de transporte públicos ou privados ou qualquer bem público, entre outros atos de violência.

Terroristas agindo. A única qualificação que lhes cabe

Um caso de Segurança Nacional

Deputados petistas que estiveram no Departamento de Polícia Especializada (DPE) onde os manifestantes foram detidos afirmaram que a Polícia Civil estuda enquadrar cerca de 60 jovens com base na Lei de Segurança Nacional. Segundo o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), essa foi a informação passada pelos delegados que estão cuidando do caso.

A Lei de Segurança Nacional foi aprovada em 1983, durante a ditadura militar, e tinha como objetivo proteger o País dos chamados “subversivos” que queriam atrapalhar a ordem nacional. Para Pimenta, a prisão dos manifestantes tem caráter político. Ele acusa a Polícia Militar de ter prendido indiscriminadamente as pessoas, e que o uso da lei seria uma forma de punir todos de uma forma conjunta, sem explicar o motivo da prisão de cada um.

O deputado Carlos Zarattini (PT-SP) afirmou que a expectativa é que dez pessoas sejam liberadas ainda na madrugada desta quarta-feira, 14, e que os demais fiquem detidos por pelo menos um ou dois dias, até a conclusão dos trâmites legais. Zarattini afirmou que vai mobilizar outros parlamentares para acompanhar o caso. “Vamos continuar pressionado para que todos sejam liberados o quanto antes”, disse.

Segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública do Distrito Federal, a manifestação ocorreu pacífica até por volta de 17h – a PEC do Teto foi aprovada no 2º turno no Senado às 13h32. Depois disso, houve confronto entre manifestantes e policiais. Equipamentos públicos foram depredados e ônibus foram queimados. Houve corre-corre em vários momentos e pelo menos cinco PMs ficaram feridos.

da Redação OEB
com Estadão conteúdo

Afinal, quem é que não confia nas FFAA?

Publiquei em meu FB uma entrevista do Ministro Chefe do GSI, Gen Etchegoyen, na qual ele rebate argumentos intervencionistas colocados de forma insidiosa pelos repórteres no exercício do seu papel profissional.

Houve-se muito bem o General, limitando-se a responder com a coerência e a responsabilidade que exigem o seu cargo, as informações privilegiadas de que dispõe e, principalmente, a confiança que um Chefe Militar tem e que deve demonstrar  no comprometimento histórico das FFAA com a democracia no Brasil.

Acrescento a essa argumentação a herança familiar que, com orgulho, Sérgio Etchegoyen carrega e tem defendido em quaisquer circunstâncias.

Li todos os comentários postados – em sua quase totalidade condenatórios à  postura das FFAA e do General e a favor de uma intempestiva intervenção militar –  e concluo quanto à incoerência das críticas e principalmente dos críticos, pois fica muito clara a falta de confiança nos Militares  por parte dos que pensam que só eles podem salvar o Brasil!

Não me parece coerente depositar a última esperança em quem não se tem plena confiança.

Quem demonstra, de fato, confiança nos Soldados são os que vão para as ruas em todas as oportunidades, de forma ordeira e urbana,  para protestar e manifestar, com garra e determinação, o seu repúdio à  classe de políticos e de dirigentes que vêm sendo postos nessas posições pelo poder do povo, desde antes do fim do Regime Militar.

Demonstra confiança nos Militares quem faz a sua parte sabendo que pode contar com eles como o último recurso da democracia.

Demonstram confiança nos Militares os que demonstram, antes de mais nada, acreditar e confiar em si mesmos, como cidadãos que exigem respeito à sua vontade e aos seus direitos e que não se permitem, por nada, esmorecer.

Demonstra confiança nas FFAA quem sabe e entende que o que mais interessa aos comunistas é outro confronto armado a partir de uma iniciativa impensada dos militares – melhor forma para rapidamente  transfigurarem-se de algozes que são nas vítimas que nunca foram.

Demonstram confiança nos militares aqueles que já entenderam que os comunistas só serão definitivamente neutralizados se desalojados pela mesma via que os colocou no poder político,  na Suprema Corte, nas universidades, nos sindicatos, nas escolas e que lhes permitiu organizarem-se em falsos “movimentos sociais”.

Demonstram confiança nos militares aqueles que já aprenderam que a militância da sociedade organizada em torno da verdade e da liberdade é a única forma de vencer e de substituir o pensamento esquerdista inoculado na mente e no comportamento da sociedade inculta e desavisada.

Demonstram confiança nas FFAA aqueles que sabem e acreditam que o único partido dos que empunham as armas do Estado – e que foram formados e adestrados para emprega-las – é o Brasil e que, por ele, empenharão até a vida se necessário!

Demonstra confiança nos militares quem não se desespera ou perde o rumo a cada revelação de delações premiadas, supreendendo-se como se ainda não conhecesse a extensão do mal a ser extirpado.

Demonstra confiança nas FFAA quem confia em Sérgio Moro, no MPF e na Polícia Federal.

Enfim, amigos, além dos comunistas e dos corruptos, não demonstram confiança nos militares brasileiros os que pensam que são melhores do que eles, que chamam Villas Bôas e Etchegoyen de “vermelhos” e que imaginam poder lhes impor uma atitude impensada, precipitada e fora das circunstâncias em que eles, e somente eles, entendem como as que lhes exigem atitude e iniciativa.

É o  que penso e não discuto.

Gen Bda Paulo Chagas

Exército cumpre sua nobre missão no Rio Grande do Norte [vídeo]

A violência e impunidade promovida pelos governos do PT começa a ser combatida de forma justa e democrática.
Mil homens do Exército Brasileiro cumpre seu importante papel na segurança Nacional, solicitado pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte.
Os estados que solicitam o reforço das Forças Armadas estão sendo guarnecidos por tropas que garantirão a Lei e a ordem, a exemplo do RN e RJ.

exercito-nas-ruas

Forças Armadas disponibilizam seu efetivo no nobre cumprimento de sua missão

leia-mais
ABIN conclui as 63 avaliações de riscos previstas para a Rio 2016
Para as Forças Armadas o que a Constituição Federal lhe garante
General Sérgio Etchegoyen do Alto Comando assumirá a Inteligência – GSI – que Dilma extinguiu e Temer recriará

Exército chega ao RN para conter onda de violência

Até o início desta quarta-feira, 90 ataques haviam sido registrados desde que o Estado instalou bloqueadores de sinal de celular em presídios

NATAL – Cerca de mil homens do Exército chegaram na manhã desta quarta-feira, 3, à cidade de Natal. O efetivo integra a tropa federal que atuará no patrulhamento ostensivo para coibir os ataques que vêm sendo realizados por facções criminosas em todo o Estado em represália à instalação de bloqueadores de sinal de celular em presídios. Até o início desta tarde, 90 ataques já haviam sido registrados pela Secretaria Estadual de Segurança. As ações de vandalismo atingiram 33 municípios, incluindo a capital.

Até a manhã desta quinta-feira, 4, deve ser definido o esquema de distribuição das tropas federais. Nesta terça, durante entrevista coletiva, o governador Robinson Farias informou que os militares vão patrulhar as ruas, principalmente os corredores de ônibus e os locais de acesso aos pontos turísticos. A chegada do ministro da Defesa, Raul Jungmann, ao Estado foi adiada desta quarta para quinta-feira.

Os homens que chegaram nesta quarta foram deslocados de batalhões sediados em João Pessoa e Campina Grande, na Paraíba; Jaboatão dos Guararapes e Garanhuns, em Pernambuco; e também de Caicó, no interior do Rio Grande do Norte. Nesta quinta devem chegar 200 fuzileiros navais, da Marinha brasileira.

Apesar da redução no ritmo dos ataques, os ônibus urbanos da região metropolitana continuam circulando com a frota reduzida. Na manhã desta quarta, o trabalho começou com 60% da frota em atividade e depois atingiu 70%. O recolhimento dos veículos está previsto para às 21h30, a exemplo do que vem acontecendo desde o começo da onda de violência. A redução do horário de funcionamento do sistema público de transporte desencadeou queixas da população.

Os prejuízos, segundo o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros, já chegam a R$ 4,7 milhões.

da Redação OEB
com Estadão conteúdo

Imagens RIT TV

 

Delegação da ABIN, na França, recebe informações

Delegação da ABIN, na França, recebe informações sobre atentado em Nice
Diretor de Contraterrorismo da Agência destacou serem valiosos os dados fornecidos ao Brasilabin-predio

A ABIN enviou nesta semana à França uma delegação de servidores da área de Contraterrorismo para receber informações detalhadas sobre o ataque ocorrido em Nice e as medidas adotadas pelo país nas investigações. O diretor de Contraterrorismo da Agência, Luiz Alberto Sallaberry, e coordenador de análise de Inteligência compuseram a delegação.

Os representantes da ABIN reuniram-se com os serviços de Inteligência franceses no período de 19 a 21 de julho.

 

Diretor de Contraterrorismo da ABIN, Luiz Alberto Sallaberry

Diretor de Contraterrorismo da ABIN, Luiz Alberto Sallaberry

Lobos solitários

Em entrevista coletiva concedida ontem na França, o diretor afirmou serem valiosas as informações recebidas e falou sobre a atenção da Inteligência à atuação de lobos solitários.

“Os lobos solitários são uma tendência mundial. Em diversas áreas do mundo onde se discute estratégia e evolução do fenômeno terrorista hoje se coloca essa questão como principal desafio das autoridades de Inteligência e segurança”, afirmou a jornalistas.

“O modus operandi do terrorismo é diverso e se modifica dramaticamente de um ato para outro. É por isso que conhecer as experiências em outros países facilita o nosso processo de identificar novas possibilidades de execução de atos dessa natureza”, avaliou Sallaberry.

da Redação OEB
com Agência Brasileira de Inteligência

ABIN conclui as 63 avaliações de riscos previstas para a Rio 2016

gen-Sergio-Westphalen-Etchegoyen

General Sérgio Etchegoyen – GSI

ABIN conclui as 63 avaliações de riscos previstas para a Rio 2016
Número foi apresentado em coletiva concedida a jornalistas brasileiros e estrangeiros

Capa de um dos relatórios de avaliação

A ABIN conclui os 63 Relatórios de Avaliações de Riscos voltados à Segurança dos Jogos Rio 2016. O número foi divulgado pelo diretor-geral da ABIN, Wilson Roberto Trezza, em entrevista coletiva concedida a jornalistas brasileiros e estrangeiros na última quarta-feira – 13 de julho.

A Agência difundiu o último documento da lista nesta semana, completando a meta de avaliações de riscos planejadas para o período prévio às Olimpíadas. As análises identificam possíveis ameaças a locais de competições e a instalações ligadas ao dia a dia dos Jogos: estádios, ginásios, hotéis, aeroportos, rodovias, centros de treinamento, Vila dos Atletas.

“É um trabalho de fundamental importância, no qual a ABIN faz uma prospecção das possíveis ameaças ao grande evento. Esse levantamento é consolidado em relatórios de avaliação de riscos e são encaminhados para os gestores da área de defesa e de segurança pública”, explicou o diretor-geral na coletiva.

“Com base nessas avaliações de risco, são feitos os planejamentos das ações de defesa e de segurança para as Olimpíadas”, complementou.

 

Diretor-geral da ABIN, ministro do GSI e diretor do DISBIN apresentaram números em entrevista

Metodologia

A metodologia ARENA (Avaliação de Riscos com Ênfase na Ameaça), desenvolvida pela ABIN, foi utilizada durante todo o processo.

Profissionais de Inteligência avaliaram as vulnerabilidades e testaram os sistemas de proteção dos locais. Fontes de ameaça foram identificadas e checklists aplicados durante visitas técnicas. Ao final, recomendações sobre como sanar eventuais falhas de segurança foram repassadas aos organizadores.

Coletiva

A entrevista coletiva concedida pela ABIN e pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) reuniu a imprensa para apresentar a estrutura montada pela Inteligência brasileira para os Jogos Olímpicos.

Jornalistas conheceram o Centro de Inteligência Nacional (CIN), localizado na sede da ABIN – em Brasília/DF –, e questionaram Trezza, o ministro do GSI, Sérgio Etchegoyen, e o diretor do Departamento de Integração do SISBIN, Saulo Moura da Cunha, sobre a preparação para a Rio 2016.

 

Planejamento da ABIN para os Jogos Rio 2016 tem sete ações centrais programadas

• A ABIN lançou uma nota oficial sobre a segurança dos Jogos Olímpicos neste 19 de julho

da Redação OEB
com Agência Brasileira de Inteligência