nov 09

Assassinato de Celso Daniel tem investigação retomada pela Procuradoria

Tudo leva a crer que o Ministério Público tem a posse de provas que deve envolver nomes grandes no crime que indica a participação do PT.

Procuradoria retoma investigação do assassinato de Celso Daniel

Com base em informações sobre o caso do prefeito de Santo André eliminado à bala em 2002, procurador-geral de Justiça de São Paulo repassa a promotores do Gaeco missão de prosseguir com apuração em busca de mandantes do crime.

A Procuradoria-Geral de Justiça encaminhou ao Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), por meio da Subprocuradoria-Geral de Políticas Criminais, informações sobre o assassinato do prefeito de Santo André Celso Daniel (PT) para que a investigação tenha prosseguimento.

leia-mais
Marcos Valério para Sérgio Moro: Caso Celso Daniel – Operação petista comprou silêncio de Ronan para não envolver Lula no crime
O caso Celso Daniel começa custando 3,5 milhões à facção criminosa
Lava Jato “ressuscita” Celso Daniel
Sergio Moro e Bruno Daniel

A informação sobre os novos rumos do caso Celso Daniel foi revelada pelos repórteres Silvio Navarro e Felipe Frazão, da revista Veja, nesta terça-feira, 8.

Celso Daniel. Foto: Itamar Miranda/AEA retomada das investigações foi discutida em reunião na Procuradoria-Geral de Justiça de São Paulo. Desde 2005 já existe um Procedimento Investigatório Criminal (PIC) no Gaeco de Santo André sobre o homicídio. Mas essa investigação nunca foi concluída.

O chefe do Ministério Público do Estado Gianpaolo Smanio decidiu encaminhar ao GAECO as informações que lhe foram transmitidas na quinta-feira, 3, pelo procurador de Justiça Edilson Mougenot Bonfim.

Edilson Bonfim pediu a reabertura da investigação.

O pedido consta em parecer que ele produziu em recurso da defesa de Elcyd Oliveira Brito, o John, condenado a 20 anos de prisão como um dos matadores do prefeito.

O procurador quer saber quem foram os mandantes do assasssinato do petista.

Alega que novas provas apareceram no caso. O procurador cita em especial o relato do empresário Marcos Valério, apontado como ‘operador’ do Mensalão. Valério contou sobre um transação para ‘comprar o silêncio’ de um empresário da área de transporte coletivo que poderia envolver a cúpula do PT no crime.

Celso Daniel foi eliminado à bala em janeiro de 2002.

A Justiça condenou os matadores, submetidos a júri popular na Comarca de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo.

Para a Polícia Civil o petista foi vítima de ‘crime comum’ – ele foi atacado a caminho de casa, numa noite de sexta-feira, depois de jantar em São Paulo com o amigo e ex-segurança Sérgio Gomes, o ‘Sérgio Sombra’, que morreu em setembro de 2016, vítima de câncer.

Para o Ministério Público Estadual, porém, Celso Daniel foi morto a mando de corruptos porque teria mandado acabar com esquema de fraudes e desvios em sua própria gestão quando descobriu que recursos ilícitos eram destinados ao caixa do PT.

As principais suspeitas sobre o mandante do crime apontavam para ‘Sérgio Sombra’. Os promotores queriam levá-lo a julgamento. Seu defensor, o criminalista Roberto Podval, sempre rechaçou com veemência a linha de acusação da Promotoria.

Com a morte de ‘Sombra’, o Ministério Público agora quer saber se havia outros mandantes.

da Redação OEB
com Estadão conteúdo
411
%d blogueiros gostam disto: