As contradições de Gilmar Mendes ao soltar presos da Lava Jato são apontadas pela PGR

Lava Jato prende x Gilmar solta

Raquel Dodge buscou argumentos do sinistro ministro para derrubar decisões dele próprio, ao soltar presos da Lava Jato de forma indiscriminada

 

O polêmico ministro já mostrou sua posição no tocante a defesa de bandidos e agora começam a serem questionadas sua decisões monocráticas, passando por cima da Lava Jato e do próprio Supremo Tribunal Federal, além de todas as instâncias estarem sujeitas a trabalhar sem qualquer efeito, porque “Gilmar solta”.

Sua imagem não poderia ser pior diante de todos os brasileiros e juristas de bem. Movimentos protestam firmemente e pedem a destituição deste que, comprovadamente, trabalha a favor dos corruptos condenados, prejudicando as delações, já que ele está ali para libertá-los.

O ministro Gilmar Mendes
É com decisões do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que a Procuradoria-Geral da República (PGR) vem buscando argumentos para contestar as decisões em que ele próprio mandou soltar investigados da Lava-Jato do Rio de Janeiro.

A PGR faz questão de apontar que em alguns casos Gilmar decide de um jeito e, em outros, fez o oposto, mas não chega a usar a palavra “contradição”.

Desde junho deste ano, foram pelo menos cinco recursos parecidos em casos diferentes envolvendo o ex-presidente da Federação do Comércio do Rio de Janeiro (Fecomércio) Orlando Diniz e os doleiros Antônio Cláudio Albernaz Cordeiro, Athos Roberto Albernaz Cordeiro, Rony Hamoui e Marcelo Rzezinski – todos soltos por decisões de Gilmar. Quatro deles são assinados pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e um por seu vice, Luciano Mariz Maia.

O povo quer parar Gilmar e, para isso, existem inúmeros pedidos protocolados para seu impeachment.

da Redação OEB
com O Globo

Comentários no Facebook