junho de 2016 archive

jun 29

REAÇÃO DEMOCRÁTICA [#008] – 29-jun 21:00h – Desarmamento – Bolsonaro – CPIs/Boca Livre/Lava Jato

reacao-democratica-700

Videoconferência com a participação de Generais, Parlamentares, analistas e jornalista.

Pautas:

– Bolsonaro

– Desarmamento da população civil

– CPIs, Boca Livre e Lava Jato

– Pauta livre – assuntos do momento

Transmissão simultânea pelas rádios da Rede Movimento

jun 27

Brasília – Metrô e Esplanada sem energia – incêndio de grandes proporções numa subestação [vídeo]

incendioConforme mostra o vídeo abaixo, um incêndio de grandes proporções merecerá uma investigação minuciosa, sobretudo por ter ocorrido na capital Federal e ter atingido a rotina da Esplanada dos ministérios e transporte metroviário.

Incêndio em subestação deixa Metrô do DF e prédios da Esplanada sem luz
Planalto, Congresso e ministérios foram afetados; subestação pegou fogo.
Semáforos também pararam; até as 18h45, bombeiros combatiam chamas.

Incêndio de grandes proporções em uma subestação de energia afetou a área central de Brasília nesta segunda-feira (27) e causou blecaute em prédios da Esplanada dos Ministérios, incluindo o Congresso Nacional e o Palácio do Planalto. Até as 20h, bombeiros ainda combatiam as chamas altas e a causa do fogo ainda não tinha sido identificada.

A sessão da comissão do Senado que analisa o impeachment da presidente Dilma Rousseff foi suspensa às 19h40 por causa da falta de energia. Os senadores chegaram a manter o encontro “à meia-luz” por cerca de uma hora, com a ajuda dos geradores do prédio. Duas testemunhas que seriam ouvidas nesta segunda devem participar de nova reunião na manhã de quinta-feira (30).

Em nota, o Senado informou que a ala onde a comissão se reúne “é coberta por no-break com autonomia para até uma hora de falta de energia elétrica”. O texto confirma que o problema foi causado pelo incêndio na subestação Brasília Central, que alimenta a região.

A instabilidade começou às 18h30, com uma queda que durou cerca de 15 minutos. O sistema foi retomado com alguma instabilidade e voltou a cair às 19h20. Prédios como o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional usavam geradores e luzes de emergência para manter o funcionamento das atividades principais.

Câmeras da TV Globo flagraram as chamas na subestação no início da noite. Segundo a CEB, as causas ainda eram apuradas até o início da noite, já que o dia não foi marcado por chuvas, trovoadas ou vento forte.

O blecaute também afetou o funcionamento do Metrô por 20 minutos, entre 18h45 e 19h05. Segundo o órgão, apenas os trens que circulavam perto de Taguatinga tiveram o funcionamento interrompido. Por volta das 19h30, o sistema funcionava normalmente.

Todos os prédios públicos no lado norte da Esplanada dos Ministérios foram afetados pela queda, segundo servidores. A lista inclui os ministérios da Justiça, da Educação, da Fazenda e da Defesa, por exemplo.

Semáforos do Eixo Monumental também foram afetados pela queda e ficaram desligados. Quando a luz foi restabelecida, a sinalização ficou intermitente, indicando atenção aos motoristas. Até as 18h45, não havia registro de acidentes de trânsito na região.

No Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek, a energia também oscilou e fez com que os sistemas eletrônicos fossem reiniciados. Segundo o terminal, a falha atrasou voos e procedimentos internos em cerca de cinco minutos, sem causar maiores transtornos. Geradores também evitaram que o blecaute se prolongasse por mais tempo.

Na comissão que avalia o processo de impeachment de Dilma Rousseff no Senado, as atividades foram mantidas normalmente até o início da noite. O gerador do prédio garantiu a iluminação das salas principais, mas corredores e gabinetes ficaram no escuro durante a falha.

da Redação OEB
com conteúdo Globo.com

 

jun 24

Teori poupa Lula e envia o caso para Brasília e não para Moro em Curitiba

A atitude de Teori Zavascki contrariou magistrados, o Procurador Geral da República e todo o povo brasileiro, levantando mais suspeitas e aumentando o descrédito do já desgastado STF, numa visível ação de blindagem a favor do chefe maior de todos os escândalos de corrupção dos últimos 13 anos no Brasil.

lula-teoriTeori envia à Justiça Federal de Brasília denúncia contra Lula
Rodrigo Janot, da PGR, queria enviar caso a Sérgio Moro, de Curitiba.
Para ministro do Supremo, maior parte dos delitos ocorreu em Brasília.

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira (24) o envio para a Justiça Federal de Brasília de denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela suposta tentativa de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Também são alvos da mesma denúncia o senador cassado Delcídio do Amaral, o banqueiro André Esteves e outras quatro pessoas.

Os sete são acusados de obstrução à Justiça, por suposta tentativa de atrapalhar a delação de Cerveró na Operação Lava Jato. Procurada, a defesa de Lula informou que não vai se manifestar sobre a decisão.

Para Teori Zavascki, “tais fatos não possuem relação de pertinência imediata com as demais investigações relacionadas às fraudes no ‘ambito da Petrobras'”. Por isso, ele entendeu que deve ser considerado o local onde o suposto crime foi consumado, em Brasília.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo que o caso fosse remetido para o juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato no Paraná, por entender que havia conexão dos fatos com o esquema de corrupção na Petrobras. Segundo Janot, alguns dos denunciados, como o empresário José Carlos Bumlai, o filho dele Maurício Bumlai e o próprio Cerveró já são alvos de processo no Paraná.

Advogados de defesa dos acusados, no entanto, contestaram o pedido de envio ao Paraná. O banqueiro André Esteves, um dos denunciados, argumentou que o suposto crime foi cometido em Brasília. Já o ex-presidente Lula afirmou que o caso deveria ir para Justiça Federal de São Paulo porque fatos narrados ocorreram naquele estado.

O ministro Teori Zavascki reconheceu que o que permitia que o inquérito seguisse no Supremo era o foro privilegiado de Delcídio. Mas, depois que ele foi cassado, o caso deve continuar na primeira instância, frisou o ministro.

Mas ele entendeu que o próprio Supremo já decidiu que não há a chamada “prevenção” para o que não se referir especificamente à corrupção na estatal. Segundo o ministro, a definição do juízo que deve tocar o caso deve ser feita conforme o local onde o crime foi cometido.

Conforme o ministro, os delitos ocorreram no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Brasília, “com preponderância desta última porque onde desempenhava o ex-parlamentar sua necessária atividade”.

Teori Zavascki também frisou que foi em Brasília que o filho de Cerveró, Bernardo, gravou a conversa que deu origem à descoberta da trama.

Denúncia

Para denunciar Lula e os outros seis, a Procuradoria usou as delações premiadas do senador cassado Delcídio do Amaral e do chefe de gabinete dele, Diogo Ferreira, e apresentou extratos bancários, telefônicos e passagens aéreas.

Para Janot, há provas de que Lula se juntou ao amigos, o pecuarista José Carlos Bumlai, e que eles pagaram R$ 250 mil para comprar o silêncio de Cerveró.

Na denúncia, a Procuradoria afirmou que Lula “impediu e/ou embaraçou investigação criminal que envolve organização criminosa , ocupando papel central , determinando e dirigindo a atividade criminosa praticada por Delcídio do Amaral, André Santos Esteves, Edson de Siqueira Ribeiro, Diogo Ferreira Rodrigues, José Carlos Bumlai” e pede a condenação dos denunciados por obstrução da Justiça.

da Redação OEB
com conteúdo Globo

jun 24

Operação Custo Brasil: nota à imprensa sobre busca e apreensão realizadas em apartamento funcional de senadora

da Redação OEB
com Ministério Público Federal

jun 24

10 Medidas: MPF defende projeto de lei na Câmara dos Deputados

da Redação OEB
com Ministério Público Federal

jun 24

Lava Jato denuncia João Claudio Genu pelo recebimento de mais de R$ 6 mi em propina desviada da Petrobras

Ex-tesoureiro do Partido Progressista (PP) também é acusado pelos crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro

da Redação OEB
com Ministério Público Federal

jun 24

Expedida ordem de prisão contra o ex-juiz Rocha Mattos

policiafederal

da Redação OEB
com Ministério Público Federal

jun 24

Lava Jato: PGR denuncia Eduardo da Fonte por prejudicar CPI da Petrobras em 2009

Segundo a denúncia, ele intermediou o pagamento de propina para que a CPI não tivesse resultado efetivo

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou ao Supremo Tribunal Federal o deputado Federal Eduardo da Fonte por intermediar a solicitação de R$ 10 milhões a Paulo Roberto Costa para que o senador Sérgio Guerra, já falecido, agisse para que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada em 2009 para investigar contratos da Petrobras não tivesse resultado efetivo. Segundo a denúncia, a propina veio de empresas participantes de esquema criminoso instalado na Diretoria de Abastecimento da Petrobras, na época ocupada por Paulo Roberto Costa.

Leia também:
Apartamento de Gleisi, construído pela Camargo Corrêa é alvo de investigação da PF
Como Paulo Bernardo abastecia o PT com dinheiro sujo de desvios
Senado pede ao STF anulação de busca e apreensão no apartamento funcional de Gleisi Hoffmann
PF faz limpa na sede Nacional do PT de São Paulo – busca e apreensão
Paulo Bernardo é preso e a esposa do presidiário tem sua situação ainda mais complicada

Janot explica que Sérgio Guerra era membro da CPI no Senado e atuou para que os demais parlamentares do PSDB, partido presidido por ele na época e então de oposição ao Governo, não aprofundassem as investigações. Ele afirma que Eduardo da Fonte tinha conhecimento do esquema criminoso instalado na Petrobras e interesse na sua manutenção, por isso participou de toda a negociação para a solicitação e o acerto da propina. O deputado era do PP, partido responsável pela indicação e manutenção de Paulo Roberto Costa no cargo de diretor e beneficiário de contratos firmados por essa Diretoria.

As investigações que dão suporte à denúncia tiveram origem nos depoimentos prestados por Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef, que também confirmaram o pagamento do valor. Segundo ficou comprovado, no segundo semestre de 2009, período no qual funcionou a CPI, Eduardo da Fonte e Sérgio Guerra se encontraram reservadamente com Paulo Roberto Costa em hotéis no Rio de Janeiro, pelo menos, em três oportunidades. “Os encontros não se limitaram a hotéis; houve, pelo menos, uma quarta reunião em sala comercial na capital fluminense”, diz a denúncia.

O procurador-geral afirma que Paulo Roberto Costa pediu e recebeu de José Janene, à época um dos líderes do PP, autorização para que o montante de R$ 10 milhões fosse providenciado pela Queiroz Galvão, saindo do “caixa” do PP. Isso porque as empresas Queiroz Galvão e Galvão Engenharia faziam parte do esquema na Diretoria de Abastecimento e eram responsáveis por parte das obras na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, objeto de investigação na CPI.

Áudio e vídeo – Além da presença de Paulo Roberto Costa, Sérgio Guerra e Eduardo da Fonte, uma das reuniões para negociação do valor teve a participação do presidente da Queiroz Galvão, Ildefonso Colares Filho, de Érton Medeiros, representando a Galvão Engenharia, e de Fernando Baiano, que cedeu a sala comercial no Rio de Janeiro. Apesar de negada por Idelfonso Colares e Eduardo da Fonte em seus interrogatórios, a reunião realizada em 21 de outubro de 2009 foi gravada em áudio e vídeo, arquivos cedidos ao Ministério Público Federal.

A denúncia traz uma imagem congelada do vídeo (frame) da reunião com as posições de cada um dos participantes na sala. O PGR acrescentou ainda os registros do mesmo voo que Eduardo da Fonte e Sérgio Guerra tomaram no dia, de Brasília para o Rio de Janeiro.

Na referida reunião, o denunciado e os demais envolvidos discutiram a necessidade de concluir as investigações da CPI da Petrobras de 2009 preferencialmente com um relatório “genérico”, sem a responsabilização de pessoas. Tanto Paulo Roberto Costa quanto Fernando Baiano identificaram o momento exato em que o pagamento de vantagem indevida foi tratado pelos interlocutores. No final, mesmo com indícios de superfaturamento na construção da refinaria Abreu e Lima, a CPI efetivamente não chegou a resultados efetivos.

Pedidos – A denúncia oferecida no Inquérito 3998 pede a condenação de Eduardo da Fonte pelo crime de corrupção passiva e a perda da função pública ou mandato eletivo. O PGR também quer a reparação dos danos materiais e morais causados no valor mínimo de R$ 10 milhões, equivalente ao montante solicitado a título de propina.

Íntegra da denúncia

da Redação OEB
com Ministério Público Federal

jun 24

Apartamento de Gleisi, construído pela Camargo Corrêa é alvo de investigação da PF

A Camargo Corrêa, empresa que não constrói imóveis residenciais é a construtora do apartamento de Gleisi Hoffmann em Curitiba. O imóvel foi declarado à Justiça Eleitoral por pouco mais de 1 milhão de reais. As coincidências apresentadas, somadas aos escândalos e outras suspeitas que envolvem o casal, chamaram a atenção da Polícia Federal e fontes da PF informam que o caso passa a ser investigado.

gleisi-hoffmann

Senadora Gleisi Hoffmann, esposa do presidiário Paulo Bernardo, ex-ministro do governo PT

Horas depois do cumprimento do mandado de prisão do ex-ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, e de busca e apreensão na casa da senadora Gleisi Hoffmann (PT), em Curitiba, uma fonte da Polícia Federal (PF) adianta que a compra do apartamento em que o casal mora na capital paranaense será alvo de investigação.

Leia também:
Como Paulo Bernardo abastecia o PT com dinheiro sujo de desvios
Senado pede ao STF anulação de busca e apreensão no apartamento funcional de Gleisi Hoffmann
Paulo Bernardo é preso e a esposa do presidiário tem sua situação ainda mais complicada
PF faz limpa na sede Nacional do PT de São Paulo – busca e apreensão

O imóvel, chamado Residencial Quartier, ocupa um quarteirão no bairro Água Verde, e é um empreendimento da Camargo Corrêa Desenvol­­­vi­­­mento Imobiliário (CCDI) – um braço da empreiteira Camargo Corrêa, sendo o primeiro empreendimento construído pela empreiteira em Curitiba. De acordo com a declaração de Gleisi à Justiça Eleitoral o apartamento custou pouco mais de R$ 1 milhão.

Estas duas “coincidências” chamaram a atenção dos investigadores da PF. Primeiro porque o foco de atuação da Camargo Corrêa não era construção de imóveis. E depois o valor declarado pela senadora já que a PF suspeita que Gleisi tenha recebido R$ 1 milhão em propina durante a campanha da petista ao Senado em 2010.

De acordo com depoimentos já prestados, como delação premiada, a propina teria sido entregue a um empresário, dono de shopping em Curitiba, e depois repassado para a campanha de Gleisi. A senadora do PT foi denunciada pela Procuradoria Geral da República, em maio deste ano, pelos crimes decorrupção e lavagem de dinheiro.

Este empresário é um antigo amigo de Gleisi e se chama Ernesto Kugler, ligado ao PT. Ele foi preso nesta quinta-feira (23) durante a operação Custo Brasil, que resultou também na prisão de Paulo Bernardo.

da Redação OEB
com conteúdo Massa News (Curitiba)

jun 24

David Cameron renuncia após o Reino Unido deixar a União Europeia

O primeiro-ministro britânico David Cameron

David Cameron renuncia após britânicos decidirem deixar UE e a preocupação de um efeito dominó em outros países ameaça setores políticos e da economia.
‘Não penso que é certo ser o capitão que comandará nosso país para este próximo destino’, disse. O primeiro-ministro britânico anunciou que irá deixar o cargo em outubro

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou nesta sexta-feira que irá renunciar ao cargo até outubro, após os britânicos votarem a favor de deixar a União Europeia (UE) em um referendo. “Não penso que é certo ser o capitão que comandará nosso país para este próximo destino”, disse Cameron a repórteres do lado de fora de seu gabinete no número 10 da Downing Street, em Londres. “A vontade do povo britânico é uma instrução que deve ser cumprida. Eu quero o bem deste país e estou honrado por ter servido e vou fazer tudo o que puder no futuro para ajudar este grande país prosperar”, afirmou.

Cameron também informou que as negociações com Bruxelas para estabelecer o processo de ruptura do Reino Unido da UE deverão acontecer com outro líder, que deverá ser eleito no de outubro, quando será realizado o congresso do Partido Conservador para escolher o político que irá substituir o premiê. “Agora que a decisão de sair foi tomada, precisamos encontrar a melhor maneira para fazer isso”, disse, informando que o governo se reunirá na próxima segunda-feira.

Leia também:
O Reino Unido está fora da União Europeia, na decisão histórica do referendo

Além disso, Cameron se preocupou em tranquilizar o Reino Unido afirmando que não haverá “mudanças imediatas no livre movimento de cidadãos, mercadorias e serviços”. Visivelmente emocionado e segurando na mão de sua mulher Samantha, Cameron enumerou as qualidades do Reino Unido. “O Reino Unido é um país especial, temos tão grandes vantagens, uma democracia parlamentar na qual resolvemos os grandes problemas sobre nosso futuro através de um debate pacífico, uma grande nação comercial com nossa ciência e as artes”, disse.

O Reino Unido deixará a União Europeia após 52% dos britânicos optarem pela ruptura, contra 48% que defendiam a permanência no bloco comunitário. Os eleitores que deram o “sim” para a saída da UE chegaram a 17.410.742 votos enquanto os que defendiam a permanência somaram 16.141.241.

da Redação OEB
com Veja.com