Abr 23

Dilma retira deputados pró impeachment do governo

Brasilia-02

Causa estranheza à classe política e ao povo, a presidente agir como se fosse terminar o mandato que está, claramente, no fim em questão de dias, quando nomeia e exonera ministros.
Seus discursos no Brasil e exterior fazem crer, aos desinformados, que sua argumentação está sendo ouvida e levada a sério, afirmando que o povo saberá impedir tal retrocesso.
Dilma e o PT estão condenados, primeiramente na política e posteriormente na justiça, pois são esperadas as aberturas de processos que estão, por hora, impedidos pela Lei que garante a imunidade. É sabido que o andamento, através da força tarefa da Lava Jato, poderá levá-la inclusive a prisão, estendendo-se a ação ao ex-presidente Lula.

Dilma retira do governo deputados pró-impeachment

Câmara dos Deputados
Deputados com faixa do movimento "Tchau Querida" apoiando o impeachment de Dima, Câmara do Deputados, dia 15/04/2016

Impeachment: a mensagem presidencial está publicada no Diário Oficial da União deste 22 de abril

Brasília – A presidente Dilma Rousseff enviou ao Congresso Nacional mensagem pedindo que sejam desconsideradas as indicações dos deputados Ricardo Barros (PP/PR) e Hugo Leal (PSB/RJ) para as funções de vice-líderes do governo.

A mensagem presidencial está publicada no Diário Oficial da União deste 22 de abril. Barros e Leal faziam parte dos dez parlamentares escolhidos vice-líderes do governo em fevereiro de 2015.

Leia também:
Dilma usou um fórum internacional para mudar a versão dos fatos, o que depõe contra a legalidade
O adeus Dilma na estarrecedora delação
[vídeo] O Senador Antonio Anastasia explica claramente o “crime de responsabilidade” no Senado

Na época, Barros já fazia parte do PP, que integrava a base de apoio do governo Dilma, enquanto Leal estava filiado ao Partido Republicano da Ordem Social (Pros). Barros chegou a ser cotado para assumir o Ministério da Saúde.

Os outros oito deputados indicados, à época, para auxiliar o governo na defesa dos projetos que tramitam na Câmara foram Sílvio Costa (hoje no PTB-PE), Paulo Magalhães (PSD-BA), Carlos Zarattini (PT-SP), Orlando Silva (PCdoB-SP), Marcelo Castro (PMDB-PI) e José Rocha (PR-BA), que votaram contra o pedido de impeachment, e Antonio Bulhões (PRB-SP) e Luiz Carlos Busato (PTB-RS), favoráveis ao impedimento da presidente.

O Diário Oficial da União desta sexta-feira traz também a nomeação de quatro novos ministros: Inês da Silva Magalhães para o Ministério das Cidades, no lugar de Gilberto Kassab (PSD); Alessandro Golombiewski Teixeira assume o Ministério do Turismo no lugar de Henrique Eduardo Alves (PMDB); Marco Antônio Martins Almeida para Minas e Energia, no lugar de Eduardo Braga (PMDB-AM), e Maurício Muniz Barreto de Carvalho para os Portos em substituição a Helder Barbalho (PMDB-PA).

da Redação OEB
com Agência Brasil

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

%d bloggers like this: